Trabalho Flexível: como ele traz equilíbrio pessoal e profissional ao especialista em TI

Trabalho Flexível

Equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Quem é que não sonha com este estilo de vida e busca por um trabalho flexível que proporcione isto?

A geração dos Millennials é a que mais valoriza as empresas que oferecem a flexibilidade no trabalho, uma modalidade de prestação de serviços que permite que os profissionais definam o horário e o local para cumprir as suas jornadas de trabalho diárias. 

Em relatório divulgado no início de 2019, a empresa International Workplace Group (IWG) entrevistou 15 mil profissionais de 80 países, incluindo o Brasil, sobre trabalho flexível:  83% dos entrevistados consideram a flexibilidade na hora de escolher uma proposta de trabalho.  Outro dado interessante é relativo às empresas: 75% adotam esse modelo de gestão para atrair os jovens profissionais.

Para os profissionais de TI pode ser muito interessante prestar serviços e adotar o trabalho flexível como modo de gestão profissional.  Continue lendo e saiba mais sobre o assunto.

Trabalho Flexível: o que é?

O conceito de trabalho flexível pode ser muito amplo. Segundo a pesquisa IWG citada anteriormente, para 53% dos entrevistados o termo significa ter a capacidade de escolher o local onde trabalhar (pelo menos em alguns dias), para 27% é poder organizar a sua carga horária e, para 21% significa ser capaz de controlar a própria jornada.

A flexibilidade no trabalho pode ser exercida dentro ou fora da empresa.  A relação de trabalho pode ser CLT ou PJ, sendo o último muito adotado hoje em dia.

No caso de o colaborador cumprir a sua jornada na empresa, ela pode ser feita de três maneiras:

  • Fixo variável: a empresa oferece diversos turnos de trabalho e o colaborador escolhe um deles;
  • Variável: nessa opção, o colaborador decide o seu horário de entrada e saída, e deve cumpri-lo diariamente;
  • Livre:  o colaborador escolhe livremente o horário que irá trabalhar, mas precisa cumprir a carga horária determinada pela organização.

Existe, ainda, a modalidade home office, que, como o próprio nome diz, é “o escritório em casa”. O profissional, seja ele funcionário contratado ou freelancer, realiza as suas funções da própria casa.  No entanto, em alguns casos, pode ser que a jornada exija algumas horas no escritório da empresa.

Os benefícios do trabalho flexível para os profissionais de TI

Os profissionais que aderem ao trabalho flexível são beneficiados com muitas vantagens. Você sabe quais sãos?  Confira agora cinco delas. 

1.      Menor tempo de deslocamento, redução de custos com combustível e manutenção do carro

Em algumas cidades, trajetos de mais de uma hora são comuns, seja por transporte público ou carro. Trabalhar em casa, por exemplo, permite que o colaborador inicie as suas tarefas pontualmente. Além da economia de tempo, há a redução dos gastos gerais com o carro.

2.      Possibilidade de deslocar-se em horários fora do horário de pico

Sair de casa, ou voltar do trabalho, fora dos horários de pico chega a reduzir o tempo de deslocamento em até 50%.  Isso significa mais tempo para resolver assuntos pessoais e menos possibilidade de chegar atrasado na empresa.

3.      Mais flexibilidade para atender as necessidades pessoais e familiares

Se você tem um horário flexível, pode passar mais tempo com a família, levar os filhos para a escola, praticar esporte, passear e estudar. Enfim, viver melhor e relaxar muito mais.

4.      Maior controle pessoal sobre o cronograma e o ambiente de trabalho

A autonomia em definir quando e onde trabalhar é um dos principais benefícios do trabalho flexível. Isso é bom para o colaborador, que pode equilibrar o profissional com o pessoal e bom para empresa, que pode contar com um parceiro mais engajado.

5.      Menos estresse

Rotina e obrigação de cumprir horários estão entre as maiores fontes de estresse. Por outro lado, a flexibilidade permite que você trabalhe quando se sente mais produtivo e que dê pequenas pausas entre uma tarefa e outra, melhorando o desempenho no trabalho.

turnover

Como ser produtivo no Home Office

Se você ainda não tem um trabalho home office, provavelmente conhece alguém que tenha. Mesmo com a popularização desse formato, principalmente na área de TI, você precisa estar pronto para realizar o trabalho remoto.

É normal se sentir meio perdido no começo, mas para que o home office na área de TI não se torne um pesadelo listamos quatro dicas simples, mas poderosas, que vão te ajudar a tirar o máximo proveito da vida de trabalho flexível.  Veja:

Estabeleça uma rotina

No começo, trabalhar em casa é libertador e pode parecer que a melhor coisa é não ter uma rotina. Mas não se engane.  É preciso definir um horário de trabalho.

Assim, escolha aqueles que você é mais produtivo e se sinta mais confortável. Pode ser corrido ou em blocos, não importa.  O que vale é cumprir as suas tarefas diárias e estar disponível.

Use e abuse da tecnologia

Existem vários aplicativos que podem te auxiliar no gerenciamento de suas tarefas.  O Timely, por exemplo, permite o planejamento de uma semana de trabalho, além de definir os prazos e tempo gastos com cada tarefa.  Outra plataforma similar é o Toggl.  Por meio de um gráfico, o aplicativo mostra as horas gastas com cada tarefa, inclusive destacando aquelas que tomam mais tempo do profissional.

Tem ainda o Trello, que é um gerenciador de projetos gratuito. Com ele, você pode organizar suas tarefas e gerenciar atividades de grupos maiores, quando estiver trabalhando em equipe.

Defina seu espaço de trabalho

É importante separar um local específico para o trabalho, que seja bem arejado, iluminado e longe de distrações. Não se esqueça de uma cadeira ergonômica e confortável, além de um bom computador e todos os materiais necessários para desempenhar sua função. Conforto e organização são essenciais para a produtividade.

Comunique-se

A comunicação com a equipe de trabalho é tudo. No caso do home office, ela se dá por três vias: e-mail, aplicativos de mensagens instantâneas (como o WhatsApp ou Slack) e por videoconferências (Skype ou Zoom).  Planeje e agende as suas reuniões antecipadamente, com dia e horário bem definido.

Trabalho Flexível: Como a Conquest One pode ajudar em tempos de crise.

Recentemente, no Brasil e ao redor do mundo, vivenciamos alguns acontecimentos que impediram que profissionais de todas as áreas trabalhassem normalmente em seus escritórios. O caso mais recente é a pandemia do Corona Vírus (Covid-19).

Nela, muitas empresas tiveram que adotar o trabalho flexível em home-office para simplesmente não pararem a produção.

Felizmente, a Conquest One conta com ferramentas capazes de auxiliar em períodos como esse, trazendo os benefícios que citamos anteriormente nesse artigo. Um exemplo é Sense One, recheado de vantagens para empresas e profissionais da área de TI

O aplicativo conta com o Ponto Eletrônico Digital. Esse é um recurso que permite o registro de pontos dos funcionários de maneira eletrônica não importando de onde eles estejam trabalhando.

O App sense One é integrado ao sistema GX1, o que torna a comunicação simultânea entre essas duas ferramentas. Essa comunicação apresenta automaticamente os horários apontados no Ponto Eletrônico Digiyal.

Também há o envio de alertas pelo App Sense One diariamente, funcionando como um lembrete do colaborador para que ele não se esqueça de apontar o seu horário de entrada e de saída no aplicativo. Cada apontamento é acompanhado pela emissão de comprovante para o controle.

Caso seja necessário, o colaborador também pode consultar todos os seus apontamentos realizados nos dias anteriores, incluindo um filtro detalhado dos apontamentos realizados durante o período do mês vigente.
Ficou interessado no assunto? Saiba que a Conquest One pode ajudá-lo. Entre em contato agora.


 

Aumenta o número de mulheres na TI

mulheres na ti

A discussão sobre a posição de mulheres na TI vem, a cada ano, ganhando contornos mais amplos. O tema é essencial, pois toca em uma ferida antiga do setor.

Na área de tecnologia, por muito tempo, a diversidade foi um tema secundário. Assim, muitas mulheres enfrentaram situações ímpares para conseguirem se encaixar em posições de destaque, mesmo com bons currículos. Agora, no entanto, o cenário é outro.

Segundo estudo da McKinsey&Company “Women in the Workplace 2019”, nos últimos 5 anos, cresceu em 24% a representação de mulheres em posições C-Level no setor da TI.

O dado é promissor e bastante esclarecedor quanto ao movimento pela diversidade que vem crescendo desde o meio da última década. Entretanto, de acordo com o mesmo estudo, há muito o que melhorar.

Neste artigo, vamos explorar um pouco mais sobre esses números, projetando um possível futuro para a relação da área de tecnologia com a diversidade em seus postos de trabalho.

Quer aprender mais? Então continue a leitura!

O que dizem os dados sobre a presença de mulheres na TI?

De acordo com dados do YouthPark, um programa da Microsoft, apenas 25% dos funcionários de TI no Brasil são mulheres. Além disso, só 18% dos graduados em Ciência da Computação são mulheres.

No entanto, o estudo da McKinsey já mostra que a mudança está acontecendo — ela só precisa ser encarada como prioridade pelas empresas.

Afinal, não se trata apenas da inserção de mulheres em cargos gerenciais das empresas. Falamos de representação em todos os níveis produtivos.

De acordo com a pesquisa da McKinsey, o verdadeiro problema não é em promover mulheres de cargos gerenciais para posições de liderança sênior. O principal obstáculo é, justamente, na etapa anterior: a promoção para gerente.

De cada 100 homens contratados e promovidos à gerência, apenas 72 mulheres têm a oportunidade de seguir o mesmo caminho. É esse afunilamento que limita a constante renovação das posições gerenciais e C-Level no diz respeito às mulheres.

Como há menos delas para contratar para essas posições, mais homens acabam ocupando esses espaços. O movimento cria um efeito dominó prejudicial ao fluxo de talentos das empresas, limitando o espaço de desenvolvimento das mulheres na TI.

Como resolver esse impasse?

A cultura organizacional é chave. Não falamos necessariamente de favorecer uns em detrimentos de outros, mas criar um ambiente de crescimento e oportunidades iguais.

Segundo a McKinsey, funcionários costumam se preocupar muito com o nível de oportunidade e justiça no ambiente de trabalho. Porém, essa preocupação não se detém no nível individual. Eles buscam cenários que favoreçam ao crescimento e promoção de todos.

Mas, afinal, por que a diversidade é tão importante?

De acordo com o estudo, uma força de trabalho diversificada tende a tornar a cultura de trabalho mais inclusiva. Dessa forma, com todos os grupos representados, a tendência é que os funcionários sintam-se mais felizes.

Assim, a produtividade e eficiência aumentam, elevando o padrão de qualidade em suas entregas.

5 passos para promover a inserção de mulheres na TI

Ainda está confuso sobre como promover as condições para essa mudança em sua empresa de tecnologia? Nós indicamos alguns passos essenciais. Confira!

1.     Estabeleça uma meta para que mais mulheres ocupem posições gerenciais de primeiro nível

A dica é simples, mas pode ter um efeito enorme na sua empresa. Ao tornar essa meta pública, sua empresa garante o comprometimento do maior número de pessoas possível.

Assim, todo quadro de funcionários entenderá que o desenvolvimento do negócio virá através de uma cultura mais diversa, especialmente nas posições C-Level.

2.     Exija que mais mulheres estejam nas listas de contratação ou promoção

Para ocupar posições de destaque na empresa, é comum que o board da companhia analise uma série de nomes. A proposta aqui é exigir que sempre haja mais de uma candidata mulher na lista.

Assim, as chances de uma delas ser escolhida aumentarão bastante.

3.     Forneça aos avaliadores um treinamento para evitar o viés inconsciente nas contratações

Enquanto o preconceito é encarado de forma consciente, o viés é visto como uma ferramenta inconsciente, capaz de manipular decisões. E isso pode afetar em julgamentos de funcionários que envolvam questões de gênero e cor.

Portanto, é importante investir nesse tipo de solução e tornar toda avaliação mais igualitária e transparente.

4.     Estabeleça critérios de avaliação objetivos

Os critérios definidos devem levar em conta mérito e conquistas pessoais, excluindo questões que possam envolver gênero ou qualquer outro ponto de identificação pessoal.

Os mesmos critérios devem ser usados para avaliar funcionários no mesmo nível, sem que o viés inconsciente ou o preconceito dite as decisões.

5.     Coloque mais mulheres na fila de escolha para assumir posições gerenciais

Ao aumentar o número de mulheres nas filas para as promoções, você estimula um ambiente de igualdade. Com isso, o fator competitivo é reforçado e você conta com um time propenso a entregar melhores resultados.

Além disso, uma cultura organizacional diversificada e igualitária aumenta os níveis de satisfação dos funcionários. Assim, eles se esforçam para permanecer na empresa e melhorá-la cada vez mais.

A Conquest One incentiva o protagonismo das mulheres na TI

A Conquest One acredita que o tema é essencial. Não apenas pela necessidade de proporcionar um ambiente diversificado, mas por entender que a igualdade de oportunidades potencializa a produtividade e aumenta os níveis de satisfação de toda equipe.

Assim, temos a certeza de estar contribuindo para um mundo mais igualitário e entregando soluções da mais alta qualidade, cujo processo de desenvolvimento contou com a ajuda de todos e todas. Deseja saber mais a respeito do assunto e como a Conquest One pode te ajudar? Entre em contato agora com um de nossos consultores.

Como ser um profissional de TI preparado para as fintechs

Dados, machine learning e tecnologias mobile são algumas das competências que mais identificam um profissional de TI preparado para as fintechs.

Extremamente tecnológico e profundamente analítico, o setor atrai cada vez mais atenções: seja dos investidores, seja dos profissionais e do mercado como um todo. Então, como aproveitar essa expansão e garantir um lugar nos novos modelos de empresas do mercado financeiro?

Antes de compreender quais as características e competências necessárias para ser um profissional de TI preparado para o futuro, que já é realidade, é importante entender esse mercado. 

Afinal, as fintechs são um subnicho dentro da área de startups — empresas que oferecem soluções financeiras totalmente digitais e têm como objetivo o crescimento exponencial.

Continue a leitura para aprender mais!

O que são Fintechs?

São startups financeiras e o seu nome vem da junção dos termos em inglês financial + technology. O objetivo dessas empresas é oferecer soluções digitais completas para instituições financeiras (em formato SaaS – do inglês Software as a service) ou mesmo criar e gerenciar suas próprias plataformas, como é o caso do Nubank, por exemplo.

No Brasil, pode-se afirmar que as fintechs são uma grande tendência — e o país já desponta como referência no setor para o mundo.

O Nubank, por exemplo, foi uma das primeiras “startups unicórnios” brasileiras: que atingiram valor de mercado de US$ 1 bilhão. Vale lembrar que empresa foi fundada apenas em 2013.

No LinkedIn Top Startups 2019, um levantamento da rede social de profissionais que revela as startups de maior destaque para se buscar um emprego, figuram pelo menos 10 fintechs.

Portanto, é de se entender a crescente busca por qualificação para ser um profissional de TI preparado para as fintechs. Aqui, falamos de uma realidade diferente: o ambiente é submerso em tecnologia e inovação, com a gestão horizontal de muitas startups e o alto nível de cobrança (e remuneração).

Quer entender mais sobre como o profissional de TI trabalha dentro de uma fintech? Então é só continuar a leitura!

turnover

Qual é o papel da TI nas Fintechs?

Quando falamos do mercado financeiro, qual a primeira característica que vem à mente? Agilidade. Tudo se move à velocidade de um e-mail, uma mensagem, um SMS. No caso das fintechs, esse é o core do negócio. Criar soluções em tempo recorde, que em si proporcionem mais agilidade, praticidade e transparência ao usuário ou à empresa.

Tudo com muita segurança e estabilidade. Afinal, as fintechs desenvolvem soluções que interferem diretamente no trato das pessoas com seu dinheiro.

Portanto, além da alta tecnologia e um design apurado e inovador, é preciso ter um alto nível de atenção a proteção de dados.

Sendo assim, ao profissional de TI, cabe instrumentalizar todo esse potencial. É esse o setor que move, que cria e atualiza, que possibilita o atendimento e a comunicação dentro de uma fintech.

Do Big Data à IA, passando pelo Machine Learning até a Engenharia de Softwares, cabe ao setor e à equipe de TI executar tudo. Recai na TI a responsabilidade de criar e administrar toda infraestrutura tecnológica da fintech.

Para facilitar, pense em uma empresa desenvolvedora de um ERP. A área de TI é o coração dela, certo? O mesmo ocorre com uma fintech, só que ela tem um pé no mercado financeiro, o que aumenta os riscos — mas também potencializa os ganhos.

Profissional de TI preparado para as Fintechs: como ser?

O foco de uma fintech está em facilitar a vida das pessoas em relação ao seu dinheiro ou em oferecer um produto que se aplique à uma instituição financeira com o mesmo fim.

Portanto, o profissional de TI preparado para as Fintechs deve dominar esse tipo de conhecimento e estar preparado para entrar em um ecossistema de inovação. Claro, há incontáveis vagas esperando para serem preenchidas dentro da TI de uma fintech, não apenas uma ou outra específica.

Porém, nesse mercado, ser um especialista em temas atuais do setor é um enorme plus.

Como mencionamos, a área de dados é de essencial importância dentro de um ecossistema financeiro, especialmente com a propagação dos aplicativos de gestão financeira. Muito além da proteção de dados, porém, falamos do entendimento acerca de seu uso: como utilizar a quantidade massiva (e sensível) de informações obtidas para criar ofertas mais sedutoras e assertivas aos clientes?

Esse é uma das principais carreiras em ascensão dentro das fintechs.

Além disso, destacam-se os conhecimentos em engenharia de software e design (UX, em especial), já que são estandartes de muitas das fintechs por aí: oferecer soluções simples, eficazes e de fácil entendimento.

Um último ponto a se destacar é: além do domínio prático das questões relacionadas à TI, o conhecimento de mercado financeiro pode ser decisivo. Entender a forma com que transações são feitas, temas inovadores como blockchain e criptomoedas e bolsas de valores pode ser decisivo. Tudo conta para seu currículo.

Ao profissional de TI preparado para as fintechs, cabe estudar, se qualificar e estar atento ao mundo de inovações que ronda a área. Seja bancos, sejam casas de investimento ou crédito, as fintechs trabalham para oferecer soluções que, antes de tudo, resolvam os problemas de seus clientes.

E, como sabemos, no mercado financeiro, nenhum problema é tão simples. Portanto, apenas os mais qualificados conseguem garantir o seu lugar.

E aí, que tal embarcar nessa? Sente-se preparado? Então venha conferir as vagas abertas na Conquest One e faça sua inscrição!

Os desafios das instituições financeiras tradicionais na atual era digital

Instituições Financeiras

Atualmente, conforme os bancos tradicionais integram as tecnologias mais recentes em seus processos, eles também estão enfrentando uma nova concorrência que surgiu há algum tempo: as Fintechs.

Esse tipo de instituição está revolucionando a maneira como o cliente experimenta os serviços disponíveis no mercado financeiro.

Dito isso, não basta que os bancos tradicionais possam oferecer as melhores soluções para seus clientes. Assim, também é crucial que eles direcionem a sua atenção para o seu público, o tornando o centro de suas operações para poderem capturar sua confiança e lealdade.

Dessa forma, abaixo, nós trouxemos alguns fatores que as instituições financeiras tradicionais devem levar em consideração profundamente ao procurar obter sucesso nesse novo mercado em que competem com as Fintechs. Muito se passa pela tecnologia. Confira!

Diferenças entre as instituições financeiras tradicionais e as Fintechs

Há algumas diferenças substanciais que iremos falar a seguir que dão mais vantagens às Fintechs em relação às instituições tradicionais.

Diante desse cenário, é visível a preocupação dos bancos com a possibilidade de perder os seus clientes. Inclusive, de acordo com uma pesquisa realiza pela PwC, 73% dos bancos consideram as Fintechs como uma ameaça.

Mas será que as Fintechs são realmente uma ameaça para os bancos? Apesar de não ser o prenúncio de sua extinção, pode ser ao menos o início do enfraquecimento do modelo tradicional. Isso, é claro, se algumas medidas não forem tomadas. Para entender isso, precisamos conhecer as diferenças entre os bancos tradicionais e as Fintechs.

Instituições financeiras tradicionais

Resumidamente, os bancos tradicionais são instituições financeiras que recebem depósitos e administram o dinheiro de seus clientes, deixando sob sua custódia. Esse dinheiro é utilizado para ser emprestado a outros indivíduos, incluindo serviços de cartões de crédito e empréstimos imobiliários, por exemplo.  Assim, para obter lucros, os bancos cobram uma taxa de juros sobre essas operações.

Fintechs

O termo Fintech surgiu da junção das palavras financial e techonology (financeiro e tecnologia). Ou seja, elas investem pesado em tecnologia.  A maioria das empresas Fintech oferece serviços semelhantes aos de um banco, apesar de não serem bancos de fato.

Ser uma instituição desse tipo requer que a empresa atenda aos requisitos mínimos de capital. Algo que a maioria das Fintechs não consegue.

No mercado financeiro, essas instituições são especializadas em determinados nichos, proporcionando diferenciais aos seus clientes que os bancos não conseguem competir.

Por outro lado, a maioria das Fintechs não contam com agências físicas e oferecem seus serviços a partir da internet e aplicativos para tablets e smartphones, por exemplo.

Fintechs são mais amigáveis

Um banco tradicional vincula amplamente o cliente, oferecendo-lhe uma gama de serviços, através do aumento dos custos de troca. Sem esse “luxo”, as empresas Fintechs seguem um “mantra” de ganhar a confiança por meio de um melhor atendimento ao público e aquisição de novos clientes com base em referências.

Um exemplo é a facilidade no processo de abrir uma conta. Nas Fintechs, basta ter em mãos um smartphone e os seus documentos pessoais. Apesar de alguns bancos melhorarem nesse sentido, na maioria das vezes, é necessário ir até uma agência com uma extensa lista de documentos exigidos no processo.

Além disso, as Fintechs contam com uma comunicação mais descontraída, tanto no e-mail, atendimento telefônico e até mesmo no site da empresa.

Fintechs conseguem oferecer preços mais competitivos.

Com uma operação virtual mais enxuta, mais flexibilidade por não ser regulamentada como uma instituição de coleta de dinheiro proveniente de capital de risco, as Fintechs conseguem atrair os seus clientes por meio de preços mais competitivos.

Os desafios das instituições financeiras tradicionais em relação às Fintechs

As instituições financeiras tradicionais têm diversos desafios para poder equilibrarem as forças em relação às Fintechs. E como podemos perceber, se faz necessário investir em tecnologia para oferecer serviços mais amigáveis, que atraiam mais clientes.

Nesse sentido, há um problema:  descobrir como se afastar de seus antigos sistemas que existem há décadas, dos quais toda a sua operação é dependente.

Isso ocorre, pois à medida que os bancos cresceram, aumentou-se o número de sistemas, que nem sempre eram substituídos e se tornaram cada vez mais complexos e ultrapassados em alguns casos. Por isso, essas instituições financeiras dependem tanto de um bom departamento de TI.

Soluções à vista: investimento em tecnologia

Diante desse cenário, talvez você esteja pensando: “basta substituir os sistemas antigos usados pelos bancos e pronto”. No entanto, a complexidade sistêmica que há é imensa, e apesar de ser possível realizar esse tipo de otimização, há diversos “problemas” a serem resolvidos no âmbito econômico, estratégico e político.

No entanto, no quesito de novos recursos tecnológicos, muito pode ser implementado, enquanto os antigos podem ser atualizados, já que eles fornecem ajuda significativa em relação às mudanças necessárias em todos os setores dessas instituições.

Assim, é possível dizer que a tecnologia é a revolução responsável pelos avanços que auxiliarão as instituições financeiras tradicionais a “brigarem” com as Fintechs, impactado em quase todos os campos da atividade e do esforço humano.

Ou seja, concluímos que uma boa equipe de TI é um ponto extremamente positivo nos mercados financeiro e de capitais nessa era digital, tanto para otimizar o que é antigo como para implementar novas melhorias.

Como a Conquest One pode ajudar nesse processo

Por fim, para que as instituições financeiras também sejam capazes de aproveitar dessa era digital, a Conquest One pode auxiliar na implementação das tecnologias que elas mais desejam e necessitam usar.

Sendo especialista em Staffing de TI, a Conquest One garante os melhores processos de seleção de profissionais de TI, oferecendo máxima eficiência e agilidade para seu projeto.

Através do serviço de staffing de TI, os colaboradores são selecionados de acordo com a cultura e os valores do cliente, permitindo um alinhamento que vai além da capacidade técnica.

Aplicamos avaliações estruturadas de desempenho, monitorando e acompanhando continuamente a performance dos colaboradores para garantir que o cliente conte com os melhores profissionais de TI para seu projeto durante todo o ciclo de implementação. Por isso, o futuro está mais próximo na Conquest One.

Deseja saber mais como podemos auxiliar nesse sentido? Agende agora uma reunião com um de nossos consultores.

Conheça a sociedade 5.0 e como o Profissional de TI estará inserido nela

Sociedade 5.0

O avanço da tecnologia nos trouxe para o que podemos chamar de sociedade 5.0. Ou seja, uma sociedade inteligente que vai além da revolução 4.0, também conhecida como era da informação.

Para ser mais claro, a sociedade 5.0 une tecnologias, como big data, inteligência artificial e robôs em todos os segmentos sociais. A esperança dessa nova era, portanto, é que essas novas tecnologias sejam capazes de resolver problemas que tornam a vida cotidiana mais confortável e sustentável.

Resumidamente, a essência dessa sociedade inteligente será obter rapidamente a solução mais adequada e que atenda às necessidades de cada cidadão. Ficou interessado? Leia o nosso artigo até o final para entender melhor o conceito, como ele surgiu e como os profissionais de TI deverão se adaptar a essa nova realidade.

Sociedade 5.0: o que é?

A sociedade 5.0 tem o mesmo conceito das Smart Cities. Ou seja, esse conceito é utilizado para definir como a tecnologia da informação deverá desenvolver, implantar e promover práticas sustentáveis que buscam enfrentar os crescentes desafios da globalização.

Portanto, consiste em uma estrutura essencialmente formada por redes inteligentes e máquinas que transmitem e usam dados usando a tecnologia para resolver problemas das grandes cidades.

Na Sociedade 5.0, os aplicativos e ferramentas baseados na nuvem recebem, analisam e gerenciam um grande volume de dados em tempo real para ajudar municípios, empresas e cidadãos a tomar melhores decisões, melhorando assim a qualidade de vida.

Os cidadãos, por sua vez, se envolvem com os ecossistemas das smart cities de várias maneiras. E isso inclui o uso de smartphones e dispositivos móveis, além de carros e residências conectados, por exemplo.

Assim, o emparelhamento de dispositivos e dados com a infraestrutura e os serviços físicos de uma cidade tende a reduzir custos e melhorar a sustentabilidade da cidade.

Por exemplo: as comunidades podem melhorar a distribuição de energia, otimizar a coleta de lixo, diminuir o congestionamento do tráfego e até melhorar a qualidade do ar com a ajuda da internet das coisas (IoT).Enfim, as possibilidades são enormes.

Como o conceito de Sociedade 5.0 surgiu?

A urbanização é um fenômeno sem fim. Hoje, 54% das pessoas em todo o mundo vivem nas cidades. E esse número deve chegar a 66% até 2050. Assim sendo, combinada com o crescimento geral da população, a previsão é que a urbanização adicionará outros 2,2 bilhões de pessoas às cidades nas próximas três décadas.

Diante desse cenário, a sustentabilidade ambiental, social e econômica é essencial para acompanhar a rápida expansão que está sobrecarregando os recursos de todo o mundo.

À medida que a população aumenta, vários países vêem a sustentabilidade ambiental, social e econômica como uma necessidade para acompanhar o crescimento. O reflexo disso é que quase 200 países dizem que a tecnologia da sociedade 5.0 é fundamental para o sucesso.

Esse conceito nasceu no Japão em 2016, durante o lançamento do 5º Plano Básico de Ciência e Tecnologia. Esse documento define políticas de inovação a serem estimuladas pelo país até 2021.

No entanto, apenas na CeBIT 2017, a feira de negócios digitais realizadas na Alemanha, que ele foi divulgado de maneira oficial.

O objetivo da Sociedade 5.0

O objetivo da sociedade 5.0 é gerar sustentabilidade por meio de soluções inovadoras para os principais problemas que enfrentamos nas grandes cidades, incluindo congestionamento de automóveis e uso de energia, por exemplo.

Assim, os objetivos das smart cities estão focados em melhorar a harmonia da população, bem como evitar falta de recursos.

O reconhecimento do termo sociedade 5.0 também vem engajando os cidadãos a entender os problemas que devem ser abordados diante de uma urbanização massiva a nível mundial.

Resumidamente, a meta é criar cidades inteligentes por meio de tecnologias avançadas que ajudarão na solução de alguns problemas futuros. Dessa forma, a sociedade 5.0 busca garantir o atendimento das necessidades e anseios das grandes cidades.

Como será o profissional de TI da Sociedade 5.0

A sociedade 5.0 irá mudar o cenário da população como um todo. Nesse sentido, a indústria também deverá passar por uma revolução. A fim de atender as necessidades dessas novas cidades inteligentes, tecnologias, como a inteligência artificial, por exemplo, devem ser aliadas dos profissionais.

Enfim, tudo o que foi buscado na era da informação deverá ser colocado em prática a partir de agora.

Para os profissionais de TI, novas oportunidades vão surgir. Entretanto, isso ocorrerá apenas para aqueles que se reinventarem, visto que conhecimentos antigos irão, aos poucos, perder espaço no mercado.

Em uma sociedade, na qual a liquidez é cada vez mais presente, o profissional de TI terá que estar aberto a mais aprendizados. Afinal, as cidades inteligentes vão exigir criatividade uma vez que tarefas mais simples começarão a ser substituídas por robôs.

Resumidamente, você como profissional da tecnologia da informação precisará se reinventar em um cotidiano em que o tempo é cada dia mais escasso. Ou seja, aprender não significa apenas conhecer conceitos teóricos. Se expor a desafios, tomadas de decisões e atividades práticas em geral será muito mais proveitoso para todos.

E você, deseja saber mais a respeito desse assunto e quer conhecer como a Conquest One pode te ajudar? Entre em contato conosco e agende uma reunião.

Como melhorar a integração dos funcionários terceirizados na sua empresa

funcionários terceirizados

Você já pensou que a contratação de funcionários terceirizados pode ser uma boa opção para a sua empresa?  Contar com esse tipo de serviço é interessante, pois você terá acesso a profissionais qualificados e com custos reduzidos, já que as obrigações trabalhistas nesse modelo de trabalho são de responsabilidade da empresa contratada. 

Porém, nesse caso, a sua maior responsabilidade será adotar uma estratégia para a integração desses funcionários terceirizados dentro da sua organização, tanto na execução dos trabalhos quanto na relação com os demais colegas.

Para te ajudar a entender mais sobre o assunto, preparamos este artigo, com os principais pontos para que você aprenda a melhorar a integração de uma equipe terceirizada dentro da sua empresa. Continue a leitura para saber mais!

Funcionário terceirizado e PJ: as diferenças

Contratar um funcionário terceirizado ou uma pessoa jurídica?  Entender a diferença entre esses dois tipos de contratações pode fazer toda a diferença para o seu negócio, inclusive evitando dores de cabeça futuras.

Terceirização e “pejotização” (PJ) são situações completamente diferentes.  Enquanto a primeira é regida pelas leis trabalhistas, a segunda se rege pelo Código Civil.  Veja o conceito de cada uma delas:

  • Terceirização: Ocorre quando uma empresa contrata outra para fornecer profissionais que executam tarefas dentro da contratante.  Nessa modalidade, o pagamento do funcionário terceirizado, e demais direitos trabalhistas como FGTS e férias, é de responsabilidade da prestadora de serviços;
  • PJ:  neste tipo de contratação, o próprio profissional possui uma empresa de prestação de serviços e fornece nota fiscal pelo trabalho realizado.  Como prestador de serviços, não possui qualquer direito trabalhista, ou seja, recebe apenas pelo trabalho executado. O PJ não pode ter qualquer relação de subordinação, como cumprir horário de trabalho, por exemplo, pois isso é considerado irregularidade e passível de processo jurídico.

Equipe terceirizada: a necessidade de ser bem recebida

Quem é que não gosta de chegar em um ambiente e se sentir bem, não é mesmo?  E isso não é diferente na área profissional.   Quando um funcionário terceirizado chega em um novo local de trabalho, tudo o que ele quer é ser bem recebido.

Não é fácil para um novo contratado se adaptar aos colegas, aos chefes, tarefas, rotinas e cultura da empresa. Por tudo isso que a integração é essencial.  O colaborador bem recebido e bem adaptado irá trabalhar mais motivado e, consequentemente, terá desempenho e produtividade melhores.

Também é fundamental que o terceirizado seja tratado da mesma forma que os outros funcionários.

turnover

Como fazer a integração dos funcionários terceirizados

A integração dos funcionários terceirizados exige atenção e cuidados especiais.  Confira agora as cinco dicas essenciais que facilitam a vida de qualquer gestor no momento de integrar os colaboradores diretos e os terceirizados.

Comunique o resto da equipe

Um ponto importante é esclarecer os outros funcionários sobre o que é terceirização e prepará-los para a chegada dos novos colegas.   A clareza e a objetividade entre as equipes, além de favorecer a boa relação entre elas, cria um ambiente de trabalho confortável, livre de fofocas, e favorece a produtividade conjunta. 

Organize um momento de integração e boas-vindas

Crie um hábito para receber o funcionário terceirizado.  Mesmo que ele tenha facilidade de compreender e se adaptar aos valores da organização, é necessário organizar um treinamento completo, que traga não somente as questões técnicas, mas também o histórico da organização, regras e normas de conduta internas. Faça um tour pela empresa. Mostre os setores e o apresente aos novos colegas.

Estimule o bom relacionamento entre os funcionários

Um bom ambiente de trabalho é positivo para qualquer empresa. Isso inclui o bom relacionamento entre os colaboradores, sejam eles celetistas ou terceirizados. 

É claro que boa parte do sucesso de um ambiente de trabalho saudável depende dos próprios funcionários, mas os gestores da área podem estimular a integração entre as equipes, por meio de reuniões e situações que estimulem a harmonia.  Bons relacionamentos só tendem a beneficiar o trabalho e a colaboração entre as equipes.

Valorize os profissionais terceirizados da mesma maneira que os contratados

Todo mundo gosta de ser reconhecido e valorizado pelo trabalho que realiza. Quanto mais a empresa valoriza o seu colaborador, independentemente de ser terceirizado ou não, ele certamente manterá, e até aumentará, o seu desempenho.

Valorizar é também dar feedback. Mas lembre-se: se for negativo, converse com a pessoa em particular, sem expô-la a qualquer constrangimento. Se positivo, elogie em público, ou em cartazes e comunicados internos, como, por exemplo, “Os melhores colaboradores do mês”.

O feedback é de extrema importância em um relacionamento profissional porque ajuda a melhorar os pontos fracos e a reforçar os pontos positivos.

Promova reuniões

Faça reuniões frequentes com toda a equipe, sem distinguir funcionários e terceirizados, para alinhar estratégias e definir metas. Seja objetivo e defina o papel de cada um ao traçar um planejamento estratégico. Deixe claro a importância do engajamento de todos, inclusive se for funcionário terceirizado.

Como motivar a sua equipe terceirizada

Para se ter uma empresa competitiva, também é necessário motivar a equipe terceirizada.  É fato que quando o funcionário terceirizado é tratado de igual para igual, em relação aos demais colegas, ele se torna mais engajado e mais produtivo.

E não se esqueça dessas quatro regras de ouro para manter a equipe terceirizada motivada e feliz: 

  • Valorizar as conquistas;
  •  Certificar-se que ele receba bem;
  •  Ter clareza nos objetivos;
  • Capacitar a equipe por meio de cursos e treinamentos;

Que tal colocar em prática tudo o que você aprendeu neste artigo?  Com essas simples ações, as equipes estarão sempre motivadas, em um ambiente de trabalho saudável e produtivo. E o sucesso de sua empresa será garantido.  Marque uma reunião e saiba como podemos ajudá-lo mais a respeito desse assunto!

Como fazer Networking e utilizá-lo para o desenvolvimento profissional em TI

Networking

O ditado “ninguém é uma ilha” é tão real quanto antigo.  Afinal, poucas pessoas vivem unicamente para si, adquirindo conhecimento sozinhas e construindo qualquer projeto exclusivamente do próprio intelecto.

Assim, ter uma rede de contatos relacionado ao ramo de atividade de atuação é fundamental para qualquer profissional. A competitividade é muito grande, principalmente no mercado de TI. E atualmente, toda essa competitividade requer mais que experiência, formação acadêmica e cursos na área.

Diante desse cenário, cultivar essa rede de contatos, também conhecida como Networking, é essencial para quem deseja obter as melhores oportunidades.

Sendo assim, este artigo vai explicar como o profissional de TI pode desenvolver o seu Networking da maneira correta e utilizá-lo para o crescimento em sua área. Confira!

Networking: o que é?

O Networking é uma atividade que tem o intuito de construir, reforçar e manter relações profissionais com outras pessoas para promover seus objetivos. Ou seja, o Networking é uma rede focada em objetivos profissionais, bem como em fortalecer amizades e aproveitar oportunidades de trabalho.

É importante salientar que uma parte muito importante do Networking profissional é que ele trata de construir relacionamentos de confiança, e não apenas no ato trocar cartões de visita, por exemplo. Ou seja, para que haja uma rede de sucesso, é necessário construir um relacionamento real.

Como o networking pode ser importante para o profissional de TI

Quando o profissional de TI se mantém conectado, ele encontra mais oportunidades de crescer profissionalmente, bem como aprimorar seus conhecimentos no setor no qual deseja desenvolver a sua carreira.

O Networking é uma relação na qual você também ajuda outras pessoas, seja trocando informações, conhecimentos e experiências, por exemplo. Além disso, fazendo Networking, o profissional de TI obtém informações atualizadas a respeito das últimas tendências que são relevantes para a sua carreira.

Outro aspecto importante é que a pessoa que mantém seu Networking e cria um bom relacionamento, consegue ter mais satisfação no próprio trabalho, melhorando os resultados da empresa. Consequentemente, é uma ótima ferramenta para se atingir os objetivos almejados na área de TI.

turnover

Suporte de pessoas do mesmo nicho de atuação

Muitas pessoas já passaram por alguns obstáculos no desenvolvimento de sua carreira, que podem ser resultados de vários fatores.

No entanto, o Networking lhe dará a chance de ter contatos com pessoas de alto perfil em sua carreira. Ou seja, elas poderão ser o suporte que você precisa, sempre que houver algum imprevisto.

A troca de experiências pode ajudá-lo a gerenciar seus desafios de maneira eficaz, dando-lhe conselhos ou direcionando ao suporte correto.

Melhora o status profissional

O desenvolvimento do status da carreira de um profissional de TI é um processo em longo prazo. Requer paciência, disciplina, foco e determinação.  Apesar desse tempo para se concretizar, um dos fatores que pode acelerá-lo é o Networking.

Diversos profissionais de sucesso, com altos cargos, se valeram desse tipo de relacionamento como um dos fatores para galgar altos cargos.

Os contatos que você mantém são significativamente atribuídos ao seu crescimento. Eles influenciam amplamente o crescimento do seu status e pavimentam o caminho para melhores oportunidades em sua carreira. Suas conexões são poderosas!

Como criar Networking de maneira efetiva

Vejamos então como colocar em prática alguns pontos do networking de maneira efetiva.

Participe de eventos e cultive os contatos certos

Para a sua carreira é muito importante participar de eventos de sua área de atuação. Lá, descubra quem são os principais contatos que serão excelentes para sua carreira. Quando surgir a oportunidade, aproxime-se.

Seja simpático e atencioso, mas foque na rede que você deseja criar. Seja um colega de trabalho, cliente, mentor ou alguém que o ajudou a fazer conexões valiosas, esses são os contatos cuja presença em sua vida é claramente valiosa para sua carreira.

De forma simples, se você tivesse que fazer uma lista dos 20 contatos profissionais mais importantes da sua vida agora, são essas pessoas que devem ser o alvo no seu Networking efetivo.

Depois de identificá-los, mantenha contato regular. Esses não são profissionais para as quais você deve apenas enviar um e-mail programado vez ou outra. Você deve saber quais são os interesses deles e acompanhá-los de perto.

Procure ajudar

É fácil supor que um contato bem-sucedido já tenha tudo o que ele deseja e não queira nada de você. Caso você pense assim, supere isso. Sempre vale a pena descobrir os desejos e preocupações de um contato.

As chances de encontrar algo que valha a pena oferecer são altas. Não subestime o que você pode oferecer. Não importa se o contato tem status dinheiro e poder, nenhum ser humano é abastado, que não necessite de nada.

Acredite, você sempre pode ajudar em algo.

Utilize as redes sociais

As redes sociais são uma fonte de contatos incrível quando se trata de Networking. É claro que, nada substitui o forte aperto de mão e o olhar nos olhos na hora de uma boa conversa. No entanto, antes disso acontecer, as redes sociais “preparam o terreno”.

Interaja por lá antes dos eventos e se conecte com seus pares. Mantenha um perfil intrigante e atraente para que também seja notado antes de ir a qualquer evento.

Encontre profissionais com interesses em comum

Neste momento, não estamos falando da carreira propriamente, e sim de interesses de vida em comum. É ótimo fazer Networking dentro da sua área, mas, é melhor ainda quando, além da carreira, seus contatos compartilham dos mesmos interesses do dia a dia.

Em relação ao Networking, a Conquest One incentiva a troca de experiência entre os seus colaboradores. Por exemplo, o profissional alocado na empresa é capaz de participar de vários projetos ao longo do tempo, com a possibilidade de fazer contatos com outras pessoas de diferentes nichos.

Essa prática acrescenta mais experiência em diversas áreas de atuação, algo que é muito valorizado, já que atualmente os profissionais precisam ser generalistas e não mais especialistas em apenas 1 área. Deseja conhecer mais sobre esse assunto? Entre em contato conosco

SLA: o que é e qual a importância no processo seletivo de profissionais de TI

SLA

Não é novidade que o sucesso dos negócios está diretamente relacionado ao bom desempenho das pessoas que formam as equipes da empresa. 

Neste cenário, o departamento de recursos humanos tem se tornado estratégico ao adotar técnicas e métodos que incluem o Service Level Agreement (SLA) na gestão dos processos seletivos com o intuito de atrair e reter talentos de alta performance.

Atualmente, muitas empresas de tecnologia de informação estão com dificuldades de encontrar profissionais comprometidos e qualificados. Por isso, tem se tornado frequente a terceirização do departamento de RH especializado no setor de TI.

 Uma solução nesse sentido é o serviço de Staffing para a seleção, contratação e fornecimento de profissionais  de TI,  seja para trabalho contínuo ou para projetos temporários e pontuais, por exemplo.

Daí vem a necessidade de contar com um parceiro especializado, que possua uma equipe de RH qualificada em Staffing de TI e que utilize um SLA no processo de recrutamento e seleção desses profissionais.  Continue lendo e descubra como um SLA bem definido pode auxiliar o seu negócio.

SLA: o que é?

O termo SLA significa Service Level Agreement, em português: Acordo de Nível de Serviço (ANS). É um contrato de prestação de serviços entre duas partes: a empresa fornecedora do serviço e a que irá se beneficiar do mesmo. 

Ao contrário de outros tipos de contratos, o SLA possui regulamentação pela NBR ISO-IEC 20000-1 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

O documento especifica, de forma objetiva, as atividades que estão incluídas na prestação de serviços, tais como prazos contratuais, valores e qualidade do trabalho, trazendo segurança para o contratante que aquilo que adquiriu será cumprido.

Em suma, ao elaborar um SLA bem definido, tanto o contratante quanto o contratado devem estar atentos aos seguintes pontos:

  • Identificar, compreender e definir as necessidades, objetivos e resultados a serem obtidos;
  • Descrever clara e objetivamente o serviço a ser prestado, incluindo a qualidade e o tempo de execução dele;
  • Reduzir as áreas de conflito;
  • Definir as ferramentas a serem aplicadas;
  • Identificar os responsáveis por cada uma das atividades, inclusive detalhando o envolvimento que cada profissional terá dentro do projeto.
turnover

Os benefícios ao se definir o SLA

A aplicação do SLA, além de reduzir custos, permite estabelecer normas e aprimorar a gestão dos serviços e acompanhar o desempenho do trabalho contratado, características muito atraentes quando se terceiriza serviços como o Staffing de TI.

Mas como garantir que os profissionais terceirizados tenham o mesmo comprometimento, a mesma postura e desempenho idênticos aos funcionários internos?

A resposta está na elaboração de um SLA bem definido, que deve abranger cláusulas contratuais que contenham informações como:

  • Medidas adotadas para a segurança dos trabalhadores;
  • Definição das responsabilidades e deveres do contratante;
  • Descrever, de maneira clara e objetiva, as expectativas em relação a entrega do trabalho;
  • Estabelecer regras para a avaliação de desempenho;
  • Fornecimento de relatórios de controle e gerenciamento de problemas;
  • Estabelecer métodos para a gestão de conflitos;
  • Procedimentos a serem adotados para a preservação de informações confidenciais e dos direitos relativos à propriedade intelectual;
  • Gestão de conformidade legal;
  • Rescisão contratual entre as partes.

Portanto, um SLA bem estruturado traz diversos benefícios para a empresa que precisa contratar um serviço como o Staffing de TI. Veja alguns deles:

Demonstra transparência

A descrição minuciosa das metas e a concordância de ambas as partes no SLA, expressada pela assinatura do contrato, traz segurança e transparência na contratação do serviço. Além disso, o documento permite a clara compreensão do que deve ser feito e como o desempenho e a qualidade serão avaliados. 

Promove garantia para o seu negócio

O estabelecimento do SLA também é uma proteção jurídica, pois evita o descumprimento do que foi acordado e garante a multa ou rescisão imediata a quem descumpriu os termos respaldados em contrato, como qualidade do serviço e prazos de entrega.

Do lado do prestador, é a garantia de que o contratante não exija resultados e atividades que não estejam previstos no contrato e tenha respaldo contra reclamações indevidas. 

Atribui confiança

Ao detalhar um contrato, a instituição contratante e a prestadora de serviços explicitam objetivamente a disposição em assumir um acordo que considere os direitos e responsabilidades de ambas as partes.

Essa postura confere profissionalismo e confiança, garantindo não apenas a satisfação do cliente, mas também a sua retenção, principalmente se o prestador superar as expectativas e for além do que foi acordado no SLA.

Garante satisfação de quem contrata a solução

O SLA garante a qualquer organização a segurança de que as suas necessidades sejam solucionadas.  Independente do porte da empresa, o contrato garante que o suporte e a disponibilidade de profissionais sejam atendidos, garantindo o cumprimento das exigências estabelecidas no acordo.

A solução de Staffing de TI da Conquest One conta com um time de pessoas especializadas, engajadas e comprometidas com o resultado dos projetos em que atuam. 

A Conquest One busca entender a sua necessidade no fornecimento de profissionais e equipes de TI de alta performance e, para isso, contamos com o SLA ideal para a sua empresa.

Quer saber mais? Entre em contato conosco e agende uma reunião.

Os benefícios de ser um profissional de TI inserido em um ecossistema de inovação

ecossistema de inovação

Mesmo em meio    à turbulência da crise econômica brasileira, o setor de Tecnologia da Informação é um dos segmentos que não para de evoluir. Segundo a IDC Brasil, o mercado de TI deve fechar o ano de 2019 com um crescimento de 10,5%, maior que o ano passado. O impacto também é positivo na busca por novidades e iniciativas que promovam o ecossistema de inovação, por exemplo.

Se você, profissional de TI, não quer ficar para trás, que tal aprender um pouco mais sobre o ecossistema de inovação e entrar de cabeça nesse mundo? Confira a seguir nesse artigo.

Ecossistema de inovação: o que é?

Antes de falarmos sobre os benefícios que um profissional de Tecnologia de Informação pode obter somente por estar inserido dentro de um ecossistema de inovação, é importante saber exatamente o que isso significa.

E não tem mistério! O ecossistema de inovação é um polo tecnológico criado especialmente para o desenvolvimento e criação de produtos e serviços, focados na tecnologia e diretamente ligados com a colaboração e o empreendedorismo.

Mas para que tudo isso aconteça, esses espaços colaborativos precisam ter toda a infraestrutura necessária para a pesquisa, descoberta e desenvolvimento de uma inovação.  

Vale destacar que propostas como as do ecossistema de inovação só são possíveis quando sustentadas por quatro pilares: governo, indústria, academia e os próprios profissionais.

O mais famoso desses ambientes é o Vale do Silício, na Califórnia. Reconhecido no mundo todo como um polo de alta tecnologia, o Silicon Valley é um enorme ecossistema de inovação, que já formou gigantes da tecnologia, e estimula soluções disruptivas totalmente construídas de forma colaborativa.

O conceito desse tipo de espaço já ganhou o mundo e, no Brasil, já temos  importantes centros de inovação tecnológica, como  o ITA,  em São José dos Campos (SP), a Fundação Unicamp,  em Campinas,  também em São Paulo, o  San Pedro Valley, em Belo Horizonte (MG) e a Capital  da Inovação, em Florianópolis (SC),  dentre outros.

turnover

Os benefícios do ecossistema de inovação para os profissionais de TI

Fazer parte de um ecossistema de inovação é a oportunidade que os profissionais de Tecnologia da Informação têm de interagir com as empresas, descobrir e encontrar soluções para acabar com as dores do mercado, criando serviços, produtos e projetos.

Certo. Mas quais são as reais vantagens do ecossistema de inovação para nós, profissionais de TI? Veja, abaixo, três bons motivos:

 Troca de experiências entre os profissionais

Não importa há quanto tempo você é um profissional de TI.   O mercado de tecnologia está sempre se inovando e se renovando.  As empresas sempre estão ávidas por novidades e profissionais antenados.

No ecossistema de inovação, os profissionais podem aprender uns com os outros. Errar, acertar e encontrar soluções para os problemas.  Toda essa dinâmica é uma maneira de superar os desafios e sair na frente da concorrência.

Participação em redes de indicações

As relações de trabalho mudaram e, mais do que nunca, o famoso QI (quem indica) está em alta.

A grande maioria das empresas não realizam parcerias sem terem indicação do trabalho de outras organizações.   Se você conhece de perto a metodologia, a seriedade e a autenticidade do trabalho de uma empresa ou colega, fará a indicação de olhos fechados.  E o inverso também: você será indicado sem medo.  O ecossistema de inovação é um ambiente de ganha-ganha.

Aprimoramento das habilidades profissionais

Os ecossistemas são verdadeiros polos para atrair talentos e incentivar o aprimoramento das habilidades profissionais dentro de empresas que já estão consolidadas no mercado.  

O contato permite não apenas melhorar os seus conhecimentos, mas também criar uma boa rede de networking.  Estar dentro de um desses polos de tecnologia é mais do que um privilégio. É a oportunidade de amadurecimento e reconhecimento profissional.

Como a Conquest One estimula esse ambiente

Em 2018, a Conquest One lançou no mercado a sua própria aceleradora de startups: a CQ1Lab, que surgiu em virtude das dificuldades enfrentadas pelas organizações tradicionais em se adaptar ao mercado, principalmente quando se deparam com a velocidade da criação de startups.

A ideia da CQ1Lab é proporcionar um ecossistema de inovação para desenvolver novos negócios focados em tecnologias voltados ao mercado de gestão de capital humano, conhecidas como HRTechs.

Na CQ1Lab, além de um espaço totalmente dedicado a inovação, a startup terá a mentoria de especialistas em desenvolvimento de produtos, desenvolvimento de negócios, gestão de pessoas e tecnologia, entre outras especialidades.

As startups interessadas, e que tenham soluções essencialmente focadas na área de gestão de capital humano, passam por uma avaliação criteriosa, que inclui nível de maturidade do negócio, estágio de desenvolvimento do produto / serviço e utilidade mercadológica, entre outros. 

Depois de selecionadas, as startups serão aceleradas em fases de três meses, dentro da estrutura tecnológica da CQ1Lab, na sede da própria Conquest One, em São Paulo. 

Não são apenas as startups que se beneficiam do programa de aceleração.    O time de mentores da CQ1Lab também aproveita o ecossistema de inovação criado pelas aceleradas para impulsionar a inovação em organizações já estruturadas.

Deseja conhecer mais a respeito do projeto e saber como você pode fazer parte desse ecossistema de inovação? Entre em contato conosco.

Como os Chatbots estão auxiliando na contratação de profissionais de TI

chatbots

A tecnologia trouxe diversos benefícios para muitas áreas nas organizações, e um desses, com certeza, é na contratação de pessoal especializado.

Por exemplo, já há algum tempo, os chatbots impactam a vida dos profissionais de TI. Essa tecnologia que usa a Inteligência Artificial vem revolucionando a forma de contratar profissionais.

Sendo assim, acompanhe a leitura desse artigo e descubra como os chatbots estão auxiliando na contratação de profissionais de TI e até mesmo em outras áreas.

Chatbots: o que são?

Um chatbot é um software de inteligência artificial (IA) que pode simular uma conversa com um usuário em linguagem natural por meio de aplicativos de mensagens, sites ou aplicativos móveis, por exemplo.

Os chatbots são frequentemente descritos como uma das expressões mais avançadas e promissoras de interação entre humanos e máquinas. No entanto, do ponto de vista tecnológico, um chatbot representa apenas a evolução natural de um sistema de resposta a perguntas que utiliza Processamento de Linguagem Natural (PLN).

A formulação de respostas a perguntas em linguagem natural é um dos exemplos mais típicos do Processamento de Linguagem Natural aplicado em várias empresas através dos chatbots.

Os chatbots podem ser usados ​​em várias plataformas, incluindo mídias sociais, sms, e-mail, sites e sistemas de rastreamento de candidatos.

Eles estão sendo utilizados em diversos lugares nos dias de hoje. Por exemplo, se você esteve em um site e encontrou uma janela pop-up dizendo algo do tipo “Como posso ajudar?”, é bem provável que ali esteja um chatbot.

Como os Chatbots funcionam?

Os Chatbots destinados à contratação de profissionais são capazes de antecipar processos, fazendo aos candidatos uma série de perguntas relacionadas ao processo seletivo da empresa. E isso é ótimo para a equipe de RH.

Essa característica substitui um processo bem importante realizado pelas analistas de aquisição de talentos: a triagem. Além disso, dá ao departamento de RH uma visão acionável para tomar decisões importantes relativas a processos ou regulamentos.

Além disso, com o processamento de linguagem natural e o treinamento contínuo, os chatbots também podem avaliar, medir e entender o sentimento do funcionário com precisão. Dessa forma, decisões rápidas podem ser tomadas para contornar pequenas questões antes que elas se tornem grandes.

Chatbots: o futuro da contratação de profissionais

Todas as empresas desejam economizar tempo e procuram maneiras de minimizar o esforço enquanto maximizam os resultados do negócio. Assim, qualquer ferramenta que possa reduzir o tempo e os custos envolvidos na contratação é uma opção bem-vinda para um recrutador. Uma maneira bacana de fazer isso é recrutar a ajuda de alguns “amigos robôs”.

Dessa forma, veja como os Chatbots podem beneficiar sua empresa:

Comunicação de forma simples e acessível

Os chatbots apresentam um método de comunicação familiar e acessível aos candidatos. A maioria deles já utiliza algum tipo de serviço de mensagens instantâneas – seja na forma de Facebook Messenger, WhatsApp, Google Hangouts ou Skype, por exemplo. Dessa forma, com certeza, já estão acostumados com o formato e como ele funciona.

Taxas de abertura mais altas em comparação com os e-mails

As taxas médias de abertura para as mensagens de Chatbots são impressionantes: de 80% a 90%. Por outro lado, as taxas de abertura de e-mail são de apenas 20% a 30%, o que significa que você está mais propenso a se envolver com candidatos através dos chatbots.

Isso abre o potencial para construir rapidamente uma lista de leads, formando a base de um conjunto de talentos forte e produtivo.

Acelera todo o processo de contratação

Ser capaz de oferecer uma maneira alternativa de filtrar e se comunicar com os candidatos, e de responder às perguntas mais frequentes, significa que, mesmo que você demore em responder a algum deles por qualquer motivo, o processo de contratação não precisa ficar parado.

É importante observar que 70% dos recrutadores gastam um bom tempo realizando entrevistas de triagem. Além de ser um processo cansativo, ele faz com que os recrutadores percam um tempo precioso.

Ter um chatbot suportando as outras funções e processos dentro de sua empresa ajuda a manter tudo em movimento e progredindo da maneira correta, sem que você se torne um refém do processo.

Também não podemos esquecer que o uso de chatbots traz benefícios para os candidatos, que não precisam se deslocar constantemente nas primeiras fases dos processos seletivos.

Melhora a comunicação com o candidato

Uma das maiores frustrações para os candidatos é a falta de comunicação durante o processo de contratação. Às vezes, os candidatos só precisam de uma resposta para uma pergunta simples, que não necessariamente requer intervenção humana.

Nesse caso, o profissional pode estar querendo um pouco mais de informações sobre uma função que não foi especificada em um anúncio de emprego, como salário ou localização, por exemplo.

Ser capaz de responder rapidamente a essas perguntas ajudará você a manter os talentosos candidatos envolvidos e aumentará a probabilidade deles se candidatarem a vaga que desejam.

Reduz o tempo de administração

Passar tempo na coleta de informações consome muito tempo da maioria dos recrutadores, portanto, usar chatbots para coletar informações do candidato, como, currículo, detalhes de contato, qualificações, habilidades,  e experiência, bem como agendar uma entrevista com uma pessoa, liberará um tempo valioso para você fazer outras tarefas importantes que não podem ser feitas por um chatbot.

Automatizar os processos aumenta a produtividade da equipe de RH e torna o trabalho livre de problemas. Assim, chatbots em Recursos Humanos fornecem uma ajuda para gerenciar melhor suas tarefas e melhorar a produtividade.

Obter informações importantes do candidato

Nesta revolução tecnológica para recrutamento, os chatbots têm a vantagem sobre o e-mail marketing, pois não há forma de escolher e preencher somente o que se quer. Basta apenas um clique e todas as informações são enviadas.

A Conquest One conta com um chatbot desenvolvido pela Botnicks – Startup que atualmente participa do CQ1 Lab, especialmente para o recrutamento de profissionais de TI. Conhecido como Léia, esse chatbot está presente no Facebook e já auxiliou a empresa a encontrar alguns profissionais qualificados. Inclusive, em uma vaga de alta complexidade, dois candidatos selecionados pela Léia chegaram à fase final do processo seletivo em apenas uma semana.

Deseja saber como a Conquest One pode encontrar os melhores profissionais de TI para a sua empresa? Entre em contato e agende uma reunião.