8 vantagens do outsourcing digital no recrutamento e seleção de profissionais de TI

Outsourcing

Se você ainda não contratou um outsourcing de recrutamento e seleção para profissionais de TI em sua empresa, certamente ficará encantado com os benefícios trazidos por esse serviço.

Empresas de outsourcing visam otimizar processos dentro de um determinado setor. No caso da contratação de profissionais de TI, então, essas companhias assumem a responsabilidade pela seleção e escolha de colaboradores adequados à cultura do cliente.

Esses parceiros atuam por meio de processos automatizados a fim de agregar valor aos profissionais e departamentos de tecnologia e RH. Na prática, aplicações de inteligência artificial levam eficiência e agilidade às etapas de recrutamento e seleção, aumentando a satisfação de candidatos e empresas. 

Mais do que uma simples terceirização, o outsourcing de recrutamento e seleção contribui para que a companhia contratante assuma uma postura estratégica e focada nos objetivos centrais do negócio. Entenda melhor esse cenário, acompanhando os benefícios abaixo.

1 – Coleta e análises inteligentes sobre os dados dos candidatos

Compor o departamento de TI é uma tarefa morosa, que envolve inúmeros filtros e testes. Felizmente, empresas de outsourcing se encarregam dessas contratações, trazendo consigo, além de sua expertise, tecnologias que fornecem precisão a essas etapas.

Entrevistas por chatbots, somadas à sistemas people analytics para segmentação geográfica, comportamental e técnica, por exemplo, automatizam a coleta e análise de dados dos candidatos, eliminando a necessidade de uma primeira fase de filtros manuais e demorados.

2 – Automação e redução de tempo do início ao fim do processo

Se o recrutamento tradicional torna as inúmeras etapas operacionais de contratação ainda mais demoradas, uma empresa de outsourcing sabe exatamente como encontrar com mais agilidade profissionais que se encaixam perfeitamente às vagas abertas.

O olhar especializado dos consultores, o uso de soluções de inteligência artificial, bem como seu próprio banco de talentos, fornece uma otimização de processos de ponta a ponta. Como consequência, o parceiro consegue entregar novos colaboradores que se adequam à cultura organizacional em muito menos tempo.

3 – Alcance de profissionais

A coleta e as análises automatizadas aumentam a agilidade dos processos de recrutamento e seleção, além de também fornecerem mais oportunidades para encontrar o perfil ideal exigido pela vaga.

Na prática, se antes de implantar tecnologias as empresas ficavam limitadas à capacidade manual do RH, por meio de um outsourcing 100% digital é possível alcançar mais profissionais a fim de aumentar as chances de encontrar grandes talentos.

4 – Novos insumos para avaliação

Para que os filtros sejam ainda mais precisos, os processos digitais de recrutamento e seleção permitem às organizações irem além das tradicionais informações inseridas em um currículo.

A tecnologia também atua em prol da avaliação do candidato. Dessa forma, a contratante pode optar por testes, provas online, bem como ações de gamification para entender melhor o perfil técnico e comportamental de cada um.

5 – Experiência do candidato

O candidato também é um dos grandes beneficiados pela transformação dos processos de recrutamento e seleção. Principalmente devido à interatividade, dinamicidade e agilidade promovida pelo meio digital, o profissional torna-se muito mais confortável.

Isso, por sua vez, também pode ser extremamente vantajoso à companhia contratante. Afinal, em um mercado em que as organizações prezam pela boa imagem e satisfação dos colaboradores, prezar por todo contato que as pessoas têm com sua marca nunca é demais.

6 – Desempenho e baixos índices de rotatividade

Sendo os altos índices de turnover os principais gastos oriundos de falhas nos processos de recrutamento e seleção, é lógico que, investindo em novas tecnologias para essas atividades, a redução de custos torna-se consequência.

Parceiros de outsourcing, por meio de metodologias inovadoras, aumentam a assertividade na escolha de profissionais, consequentemente, a satisfação e retenção desses talentos.

As vantagens também se estendem ao desempenho do departamento de TI, dado que todo processo fornece mais garantia de compor o setor com profissionais altamente qualificados, capazes de trabalhar bem em equipe e melhorar as entregas da área.

7 – Conformidade e segurança das informações

O processo de contratação de novos colaboradores exige que os as equipes de aquisições de talentos lidem com um grande volume de dados, sejam eles impressos ou digitalizados. Entretanto, devido à LGPD essas informações precisam de um tratamento especial a fim de estar em conformidade e evitar penalizações legais.

Não à toa, empresas de outsourcing contam com sistemas e políticas em conformidade com a LGPD, sendo assim capazes de manter a integridade, segurança, confiabilidade e disponibilidade dos dados pessoais dos candidatos.

8 – Foco estratégico no RH

Descentralizando etapas da contratação de profissionais de TI, os responsáveis pela gestão de pessoas podem se concentrar em outras atividades de valor, como em medidas para aumentar a produtividade e satisfação dos colaboradores internos.

Em outras palavras, junto a um parceiro de outsourcing, o departamento de RH otimiza seu tempo, que antes era gasto com processos manuais e pouco efetivos de recrutamento e seleção, para pensar estrategicamente ações que contribuam para o desenvolvimento da empresa.

Conte com a Conquest One para encontrar novos talentos

Tecnologias especializadas podem atuar no recrutamento, seleção e até treinamento de profissionais, levando eficiência e agilidade a processos pertencentes ao setor de RH.

O outsourcing, nesse sentido, permite a otimização do RH com certas etapas da contratação de novos profissionais, ao mesmo tempo que habilita o investimento de atividades estratégicas para o departamento, gerando maior satisfação e produtividade interna.

A Conquest One é uma empresa de outsourcing especializada na contratação de profissionais de TI. Utilizamos tecnologias e recursos de última geração, criando um processo 100% digital e entregando os melhores talentos do mercado.

Também garantimos agilidade nos processos de gestão 360°, com monitoramento de performance para que os profissionais contratados permaneçam em alinhamento contínuo com sua cultura interna.Conheça toda a abrangência dos serviços oferecidos, nossos principais diferenciais e solicite um contato conosco.

Como o profissional de TI deve se preparar para os novos processos de seleção e recrutamento?

Novos formatos

A transformação digital tem mudado bastante a contratação de profissionais para o mercado de trabalho. Hoje, sistemas automatizados influenciam diretamente as etapas de recrutamento e seleção. Essas novidades, por sua vez, aumentam a satisfação dos candidatos, visto que os processos se tornam muito menos demorados e mais eficientes.

Por outro lado, esse novo cenário também exige uma adaptação, principalmente por parte dos profissionais de tecnologia. Com novas exigências e métodos de avaliação, é preciso sempre se manter atualizado para se destacar entre os candidatos.

Ciente disso, a Conquest One preparou este material a fim de ajudar profissionais de TI a conhecerem e se prepararem para os novos formatos de seleção e recrutamento. Siga conosco e confira.

A transformação digital e os novos processos de seleção

A era digital ampliou exponencialmente o uso da tecnologia nas empresas. No setor de TI, porém, algumas mudanças, como a adoção do trabalho remoto, já eram comuns antes de se tornarem populares em todo o mercado. Dessa forma, pode-se afirmar que os profissionais que compõe esse departamento também são os mais impactados pelos novos processos de recrutamento.

Acostumados a lidar com tecnologia, os candidatos da área devem se preparar para lidar com testes e análises automatizadas desde o início do processo de contratação.

Na prática, os processos estão mais dinâmicos, ágeis, eficientes, porém trazem novos desafios. Nesse contexto, aqueles que não se atualizam ficam para trás e, consequentemente, diminuem suas chances de encontrar uma boa empresa para trabalhar.

A seguir, listamos alguns dos principais formatos utilizados por equipes de recrutamento e seleção a fim de preencher as melhores vagas do mercado. Confira e saiba como se adaptar.

Chatbots

Os chatbots são ferramentas utilizadas para interagir com os candidatos a fim de fazer um primeiro filtro de acordo com o perfil exigido pela vaga em aberto. Para o RH, além da possibilidade de automação dessa primeira etapa, há também a vantagem de ganhos de agilidade e de assertividade.

Para os candidatos, é importante que a interação com o robô seja autêntica, o mais parecida possível com uma conversa direta com o recrutador. Afinal, todas as respostas ficarão armazenadas em um banco de dados que cruza os dados obtidos e as informações das vagas disponibilizadas.

Responder mal ou perder a paciência com uma etapa via chatbot já é, em si, um recorte importante que pode desclassificar candidatos de qualquer oportunidade.

Vídeo currículo

O currículo é um documento importante que conta as principais experiências, aprendizados e características profissionais. No entanto, há algum tempo as empresas têm dispensado a necessidade de acumular papéis impressos com essas informações por vários motivos, seja por uma questão sustentável ou pela dificuldade de organização.

Entre as maneiras criativas de substituir o impresso, está o vídeo currículo. Além de trazer toda a jornada de um profissional, esse formato possibilita também que os recrutadores avaliem a capacidade de comunicação verbal e maneira de se expressar do candidato.

Um bom vídeo currículo deve ter entre 30 segundos e 3 minutos, ser gravado na vertical, com bom áudio, boa iluminação, sem ruídos ao fundo e espontâneo. A ideia não é ler o currículo impresso, mas apresentar seu perfil.

Também não é preciso se preocupar em super produções ou algo do tipo. O candidato deve se concentrar em ter boa fluência, português correto e causar uma impressão positiva para o tipo de vaga oferecida.

Entrevista por vídeo

Além do vídeo currículo, as vídeo chamadas são outros recursos que estão sendo bem explorado para fazer entrevistas online. Nesse caso, a dinâmica é a mesma de uma entrevista pessoal.

Portanto, vista-se adequadamente para o perfil da vaga oferecida, prefira um local calmo de sua casa onde não seja interrompido, seja claro, evite gírias, palavrões e erros de português. Todas as dicas padrões sobre apresentação pessoal em uma entrevista tradicional também valem aqui.

A grande vantagem desse formato é não precisar se deslocar, o que gera um ganho valioso de tempo que pode servir para o candidato se preparar para a conversa.

Testes online

Testes são muito importantes para todas as vagas, não apenas para provar o conhecimento técnico do profissional, mas também seu perfil comportamental. E assim como presencialmente, quando aplicados online, trazem desafios ou questões que devem ser assinalados dentro de um determinado tempo estabelecido.

Quanto às provas de conhecimento técnico não há muito segredo: quanto melhor o resultado, mais chances de passar para a próxima fase. Estude bastante e lembre-se: recorrer ao Google ou a terceiros para responder essas questões pode ser algo prejudicial para o processo. Afinal, você verá novamente esses testes em algum momento futuro.

Por outro lado, em testes comportamentais não existe certo ou errado. Cada pessoa tem um perfil, o qual pode ser adequado ou não a uma vaga. Vale ressaltar, entretanto, que nesses momentos também podem ser avaliadas as soft skills.

Felizmente, habilidades de comunicação, facilidade de trabalhar em grupo e empatia, por exemplo, também podem ser desenvolvidas a fim de aumentar suas chances no mercado de trabalho.

Inbound Recruiting

Essa é uma ação baseada nas estratégias de Inbound Marketing, na qual os recrutadores atuam por meio da distribuição de conteúdo aos candidatos a fim de conquistar a confiança dessas pessoas e encontrar grandes talentos para suas vagas em aberto.

Então, bem como funciona na estratégia de marketing, o Inbound Recruiting, também atua como um funil. Nele, são disponibilizados conteúdos para atrair e nutrir candidatos, até que as empresas encontrem os melhores perfis para serem encaminhados aos processos seletivos.

Estar antenado às novidades sobre as principais empresas com as quais deseja trabalhar é a melhor maneira de entrar nesse fluxo de nutrição para futuras oportunidades.

Inteligência Artificial

Utilizada cada vez mais na automação de processos, a inteligência artificial atua em ferramentas que aceleram algumas etapas de recrutamento e seleção conforme informações pré-disponibilizadas.

Para tanto, os recrutadores definem o arquétipo ideal do candidato para a vaga disponível a fim de cruzar essas informações com os dados disponibilizados pelos candidatos.

Nesse caso, ao se deparar com esse tipo de recrutamento, o melhor a fazer é ser honesto em todas as informações para que você seja encaminhado à vaga perfeita conforme seu perfil e, assim, ter muito mais chances de se destacar e desenvolver.

Confira mais dicas para sua carreira neste artigo: A importância do quociente de adaptabilidade diante do novo cenário corporativo.

Encontre novas oportunidades com a Conquest One

Referência no recrutamento e seleção de profissionais de TI, a Conquest One é uma empresa de hunting e outsourcing que pode ajudar você a encontrar o trabalho ou projeto ideal na sua área.

Somos parceiros das melhores empresas de tecnologia do país e utilizamos inteligência artificial, chatbots e outras aplicações inovadoras que permitem personalizar nossos processos a fim de agilizar e levar mais eficiência às etapas de recrutamento e seleção das maiores oportunidades do mercado de TI.

Se você ainda não cadastrou seu currículo em nosso banco de dados, aproveite e faça isso agora mesmo. Existem inúmeras vagas em tecnologia à sua espera. É só conferir e se candidatar!  

Como o outsourcing de recrutamento e seleção contribui para a maturidade e cultura organizacional de uma empresa?

Maturidade organizacional

Excelência, otimização de tempo e assertividade são pontos de desejo de qualquer RH quando o assunto é recrutamento profissional.

Contudo, atingir esses objetivos não é tarefa fácil. Encontrar o colaborador certo em meio a tantos candidatos é um trabalho extenso – e que nem sempre é garantia de sucesso. Além disso, se o profissional contratado não se encaixar bem à cultura organizacional, provavelmente trará prejuízos financeiros e até à produtividade da equipe.

Diante disso, o outsourcing de recrutamento e seleção surge como opção para agilizar e trazer eficiência a esses processos. Hoje opção de 65% das empresas de tecnologia na Europa, esses parceiros especializados são responsáveis pela contratação e gestão do profissional, o que gera ganho de tempo aos gestores e maior taxa de retenção.

A seguir, explicaremos a importância do serviço de outsourcing e como esta modalidade contribui para a maturidade da gestão e cultura organizacional das empresas de TI. Confira!

A importância da maturidade organizacional nos processos de recrutamento e seleção

Processos organizacionais são um conjunto de atividades exercidas a fim de atingir as metas de uma empresa. Nesse sentido, quanto mais ágil e eficiente eles forem, maior as chances de sucesso em uma companhia. 

Para que isso aconteça, no entanto, os gestores devem possuir uma alta maturidade organizacional. Isto é, precisam conhecer bem todos os processos de um setor, se quiserem mensurar e otimizar seu desempenho. 

O recrutamento e seleção, por exemplo, é um processo de RH fundamental para o desenvolvimento sustentável da empresa. Quando bem definidas e mapeadas, as fases da contratação de um profissional são muito mais eficientes e capazes de trazer às equipes especialistas alinhados à cultura interna.

No geral, todas áreas de um negócio podem ter uma gestão melhor quando há reconhecimento e mensuração das etapas de um processo. Entretanto, mesmo obtendo essa maturidade organizacional, o investimento na internalização nem sempre é a melhor solução. Muitas vezes delegar as atividades pode ser muito mais vantajoso.

A contratação de profissionais de TI reflete bem isso, visto que reúne um conjunto de ações mais complexas. Entenda melhor esse cenário no próximo tópico.

Desafios do recrutamento e seleção de profissionais de TI

Poucos setores são tão dinâmicos quanto o de tecnologia. Nele as mudanças acontecem a todo momento, e isso traz a necessidade das empresas e dos colaboradores serem cada vez mais adaptáveis.

Nesse contexto, os profissionais de RH, por mais que tenham uma visão clara sobre todas as etapas de recrutamento e seleção, encontrarão dificuldades durante a contratação de profissionais de TI. Afinal, o departamento, responsável por realizar a gestão de pessoas em todas as áreas da companhia, não é especialista em analisar candidatos de apenas um segmento.

Principalmente no ramo de tecnologia, internalizar esses processos podem trazer prejuízos como, a seleção de funcionários pouco ajustados à cultura da empresa, insatisfação, dificuldades de integração, redução da produtividade e da eficiência de projetos.

A maturidade organizacional, nesse sentido, tem o papel de identificar essas dificuldades do RH em atingir a excelência em atividades específicas, para que gestores busquem por parceiros experientes nesses processos.

Como o outsourcing contribui para a contratação e gestão de pessoas?

O outsourcing é a solução ideal para que gestores de recursos humanos encontrem profissionais qualificados nas áreas que não fazem partem da experiência do RH.

Companhias que oferecem esses serviços, concentram seus esforços em tempo integral nas atividades de recrutamento e seleção. Além disso, quando especialistas em um setor específico fazem parte das etapas dos processos, estas passam a se tornar ainda mais precisas.

Na prática, o outsourcing trabalha em todas as etapas do processo com o desafio de encontrar, mapear e analisar profissionais engajados com a cultura organizacional. Como resultado, esse alinhamento traz a segurança de que a qualidade na contratação será mantida ou até mesmo elevada.

E é isso que diferencia o outsourcing de serviços de terceirização comuns. Não se trata apenas de selecionar colaboradores, mas de garantir que os profissionais estarão envolvidos em processos de alto valor, como na relação da empresa com os clientes, por exemplo.

Em resumo, o que melhor pode definir o outsourcing é uma parceria estratégica entre sua empresa, a empresa contratada e o profissional – CLT ou prestador de serviço – a ser recrutado.

E, por mais que a empresa possa manter um alto nível de cobrança sobre os serviços prestados, o outsourcing ainda permite reduzir custos e otimizar tempo do RH para que ele foque em atividades ainda mais relevantes para a companhia.

6 etapas que definem a contratação de um parceiro de outsourcing ideal

Devido a tantas vantagens que o outsourcing traz para além da terceirização de profissionais, implementá-lo nas empresas pode ser a melhor solução. Cientes disso, listamos seis etapas que você deve considerar para ter êxito na escolha do parceiro ideal.

1.     Estratégia

Qualquer organização que deseja contratar um serviço de outsourcing precisa conhecer muito bem suas motivações. Ou seja, antes de tomar qualquer decisão é preciso saber se o novo parceiro irá contribuir, direta ou indiretamente, com funções estratégicas dentro dos processos da empresa.

E é aqui que entra a real importância da maturidade organizacional abordada acima. O gestor que tem essa visão saberá quais são as atividades que prejudicam a produtividade, bem como as principais deficiências da sua equipe antes de contratar empresas de outsourcing.

2.     Planejamento

Uma vez entendida quais expectativas e necessidades que levaram a empresa a buscar um serviço de outsourcing, os gestores ainda precisarão se planejar a fim de entender como devem ser feitos os processos de integração com o parceiro. Isso ajudará muito a definir um perfil de empresa ideal.

Algumas perguntas podem nortear a elaboração desse plano, abaixo listamos algumas delas:

  • Como essa parceria pode contribuir no curto, médio e longo prazo?
  • Qual a expertise da empresa em um projeto específico para suas necessidades?
  • Quais atividades devem ser desempenhadas exclusivamente pela empresa parceira?
  • Com que frequência os profissionais internos devem participar de etapas do processo?

3.     Consideração

Agora com um perfil bem definido, fica muito mais fácil filtrar quais parceiros de outsourcing do mercado melhor podem lhe ajudar. Nesse momento de pesquisa e consideração também vale avaliar o histórico e, quando possível, buscar referências diretas com antigos e atuais clientes da empresa.

4.     Contrato

Assim como deve ser feito em qualquer contratação, é preciso considerar pontos relevantes de um contrato com o parceiro de outsourcing. Entre eles, a duração, soluções descritas, custos com turnover, resultados esperados, entre outros. Conheça e negocie modelos de trabalhos e valores aplicados pelo parceiro.

5.     Implantação

Como já foi dito, diferentemente de uma simples terceirização, onde a empresa descentraliza todas as etapas do processo, no outsourcing, principalmente de recrutamento e seleção de profissionais, a companhia deve ter uma participação ativa.

A implantação do parceiro deve visar a integração com o cliente em todas fases do outsourcing. Isso aumentará a maturidade dos serviços, dado que estarão mais alinhados à cultura organizacional da companhia. 

6.     Otimização

Com uma relação mais próxima dos parceiros de outsourcing, também é possível ter uma visão melhor sobre os resultados entregues a fim de que adaptações sejam feitas até que todo o processo atenda plenamente as expectativas da companhia.

Observando cada uma das seis etapas citadas acima fica fácil perceber o quanto é importante estabelecer parcerias com empresas sólidas e seguras, principalmente no que se refere à contratação e gestão de pessoas.

A Conquest One, nesse contexto, é reconhecidamente uma das principais empresas de outsourcing de recrutamento e seleção de profissionais de TI do país.

Com a proposta de viabilizar projetos e entregar assertividade nos resultados, a empresa adota processos inovadores que utilizam inteligência artificial, geolocalização e outros recursos focados, desde a escolha do profissional até a aplicação de testes e treinamentos contínuos após a contratação. 

Dessa maneira, há segurança de que a cultura organizacional de sua empresa será rapidamente assimilada e os objetivos com a colaboração desse profissional, alcançados.

Conheça os principais diferenciais da Conquest One e entenda o quanto o outsourcing pode beneficiar o desenvolvimento dos seus negócios! 

5 dicas para montar um currículo de TI sem erros

currículo para profissionais de TI

Tanto para profissionais que estão começando quanto para aqueles que já acumulam anos de experiências na área, saber como montar um currículo de TI faz toda a diferença para ser recrutado em um novo projeto.

Se para os iniciantes é normal se deparar com uma série de dúvidas sobre como organizar esse documento, para os veteranos a principal atenção está na atualização de experiências, certificações e outras informações relevantes sobre a carreira. Portanto, é preciso saber lidar com esse elo entre você e uma oportunidade.

Pensando nisso, trouxemos hoje 5 dicas sobre como criar um currículo atrativo, sem erros e com potencial para chegar ainda mais longe na carreira de tecnologia.

Siga conosco e aproveite as dicas!

Antes de tudo: como deve ser um currículo de um profissional de TI?

Qualquer profissional, de qualquer área, precisa ter um currículo bem apresentado. Mas em TI, alguns fatores ganham ainda mais atenção dos recrutadores:

  • A organização das informações;
  • A clareza na comunicação;
  • Os objetivos de carreira;
  • Certificações e cursos.

Esses são tópicos demandam cuidados especiais e precisam de concentração extra na hora de formular o seu currículo. Portanto, tenha bastante atenção.

Além disso, vale também observar os principais erros que podem ocorrer na edição do documento:

  • Erros de ortografia;
  • Desorganização de fontes e tópicos;
  • Mentir fluência em inglês;
  • Mentir experiências profissionais;
  • Falta de dados de contato.

Tomando os devidos cuidados com esses pontos, já é possível seguir para a organização das informações principais. E são nelas que focamos nossas dicas.

Confira:

1. Saiba escrever um bom resumo

O resumo do currículo facilita o entendimento do recrutador sobre quem você é e quais experiências acumulou. No caso dos candidatos recém-formados, o resumo deve ser substituído pela descrição dos objetivos.

Neste tópico do currículo, descreva as seguintes informações:

  • Nome da profissão e adjetivo que poderia caracterizar você;
  • Anos de experiências;
  • As experiências profissionais mais relevantes;
  • Principais conquistas na carreira;
  • Quais seriam suas contribuições à empresa.

Para obter um bom resumo, lembre-se: escreva com clareza e objetividade, jamais copie e cole resumos prontos. É de extrema importância que você esclareça as atividades que realiza, assim como citar tecnologias e/ou metodologias que domina. Faça uso de palavras- chaves sobre suas atuações profissionais. Não esqueça, um resumo detalhado é fundamental!

2. Seja claro com seu objetivo profissional

Esqueça a ideia de guardar para si o que deseja para o seu futuro profissional. Você precisa sempre ter clareza sobre onde está, aonde quer chegar e o que deseja conquistar.

Descrever seus objetivos de forma clara, isso fará com que o profissional de RH olhe para você com olhos mais atentos e interessados. Afinal, você está demonstrando ser um candidato que está disposto a se dedicar para crescer.

3. Liste suas experiências relevantes

Essa é a parte principal do currículo: suas experiências profissionais. Mesmo se você já é um profissional que está há mais tempo no mercado, é importante que você especifique sua trajetória. Caso tenha um longo histórico, opte pelo menos por detalhar as 6 últimas empresas que trabalhou.

Descreva detalhadamente suas atribuições nessas empresas, quanto tempo ficou empregado e, caso tenha conquistado promoções, mencione-as.

Sobre esse tópico, cabe ainda mais uma atenção especial. Caso esteja se candidatando à uma determinada vaga específica, mas para a qual as experiências relevantes não são as mais recentes, aponte elas em seu resumo.

4. Descreva suas principais competências

Nesse tópico você vai se vender como profissional experiente ou promissor. Faça um relato sobre suas habilidades nas empresas em que atuou e como conseguiu utilizar de características pessoais para alcançar resultados – também aponte seus certificados para comprovar habilidades técnicas.

Um bom exemplo deste tópico seria:

– “Boa oratória, liderança em reuniões com clientes. Objetivos de grande relevância conquistados, como implementações etc.”

Nos últimos anos, as competências comportamentais, chamadas de soft skills, ganharam atenção nas grandes empresas.

Se você participou de cursos sobre inteligência emocional ou projetos extracurriculares, não deixe de mencioná-los: eles jogarão a seu favor na disputa com outros candidatos.

5. Mantenha as certificações atualizadas

Mencionamos anteriormente a importância de manter as certificações atualizadas, mas vale reforçar. Crie um tópico específico para essas informações e especifique seus prazos de validade. Mesmo que essas certificações já tenham expirado, é importante mantê-las em seu portfólio.

Lembre-se de que as certificações garantem suas aptidões para determinadas funções.

Dica Bônus: Atenção ao LinkedIn

A rede social específica para oportunidades profissionais pede muita atenção. Se você ainda não tem perfil por lá, crie. Se já tem, mantenha-o atualizado.

O LinkedIn é um complemento ao seu currículo. Muitos recrutadores têm o hábito de checar as informações nessa rede social para verificar se batem com o que está descrito no currículo.

Além disso, não despreze o excelente networking que o LinkedIn pode oferecer. Seja no contato com outros profissionais de sua área, para receber informações atualizadas sobre como as empresas têm se posicionado ou se colocar em grupos de estudos que reúnem usuários com objetivos semelhantes ao seu. Essa rede irá contribuir muito para seu desenvolvimento profissional!

Além disso, vale a pena utilizar essa rede social para se expressar através de artigos, publicações e comentários. Tudo isso ajuda a descrever seu perfil profissional. Mas nem tudo são flores – aqui vai um cuidado especial: evite se envolver em assuntos polêmicos. Lembre-se de que é um espaço para crescimento profissional.

Aproveite as melhores oportunidades para sua carreira na Conquest One

Depois de saber como montar um bom currículo para TI, é hora de fazê-lo chegar nas melhores empresas de tecnologia do país. E para isso, a Conquest One é o caminho.

Com soluções que vão do Hunting ao Outsourcing, a Conquest One recruta, testa, gerencia e oferece treinamento aos profissionais contratados por seus clientes. Dessa maneira, a integração é excelente não só para quem está em busca de oportunidades, mas também de quem as oferece.

Vale a pena caprichar no currículo, acessar a página de vagas da Conquest One e se candidatar às oportunidades perfeitas para o seu perfil.

Gostou dessas dicas? Então mantenha o foco na carreira e continue de olho em nosso blog para muitas mais!

7 benefícios que o home office traz para as empresas

O novo normal chegou por imposição, e o que era visto apenas como tendência virou realidade em pouco tempo devido à crise. A adoção do home office, como opção para as empresas se manterem produtivas, reflete bem esse cenário. 

Como consequência, esse modelo de trabalho também passou a ser visto com bons olhos entre gestores e colaboradores. Inclusive, há uma estimativa que o trabalho remoto cresça 30% nos próximos anos.

Então, ciente dessa projeção positiva, a Conquest One separou os sete principais benefícios que empresas de todos os tamanhos estão colhendo ao aderir ao home office.

1.Bem-estar físico

Aqueles que moram nas grandes metrópoles, sabem o quanto é desafiador sair de casa para o trabalho e vice-versa. Dados do Ibope Inteligência, mostram que o paulistano fica, em média, 2 horas no trânsito diariamente – isso, claro, em um aspecto otimista.

Esse tempo ainda pode ser agravado por problemas nos sistemas metroviários, greves, acidentes e outros fatores ocasionais que atingem, especialmente, pessoas que moram em bairros periféricos.

O home office, por outro lado, permite que o colaborador ganhe muitas horas por dia. Como resultado dessa economia de tempo, as pessoas têm alcançado maior bem-estar físico e, como consequência, melhor disposição para o trabalho – é o que comprova a pesquisa da CoSo Cloud, apontando que 42% dos colaboradores que atuam em casa, estão se alimentando melhor, enquanto 45% está dormindo melhor.

2.Bem-estar mental

Além de evitar o trânsito, passar mais tempo com a família e pessoas próximas proporciona benefícios à saúde mental. 

Atualmente, diante de rotinas tão incessantes, um dos principais objetivos de qualquer profissional é conseguir equilibrar o fator profissional com a vida pessoal. Assim, aqueles que conseguem fazer isso também se mantém mais felizes e, consequentemente, motivados.

O home office, nesse sentido, é vantajoso, tanto para a empresa quanto para o colaborador.

Por exemplo, pais que têm tempo para acompanhar o crescimento dos filhos, conciliar e distribuir atividades domésticas com as profissionais são muito mais produtivos, principalmente a longo prazo.

Além disso, a liberdade de tirar intervalos para reequilibrar a mente com atividades como meditação, música e leitura, possibilita uma rotina psicológica mais saudável na comparação com o escritório.

3.Modernização da empresa

A maioria das empresas sonha em ser vista como moderna, engajada e próxima do seu público consumidor e colaborador. Nesse contexto, valores de sustentabilidade e saúde mental dos funcionários mostram-se verdadeiros diferenciais institucionais.

A adoção ao home office também ajuda a colocar a empresa nos trilhos da modernização.

Devido a esse modelo de trabalho, a companhia precisa adotar novas soluções tecnológicas, criar programas de relacionamento com seus colaboradores, bem como entender as maneiras como a nova e as antigas gerações lidam com esse novo normal.  

De modo geral, a capacidade de se adequar ao home office também reflete a eficiência de uma companhia se transformar digitalmente. 

E, por mais que possa ser um pouco desafiador a princípio, marcas que conseguem se adequar às tendências e agregar novos valores à sua cultura alcançam uma vantagem competitiva que vale o esforço.

4.Economia

A redução de custos a curto prazo pode parecer impossível para a maioria das empresas. Mas, no caso do home office, o benefício econômico é percebido já no primeiro mês.

A economia nos custos com transporte e de locação de escritório, por exemplo, são imediatos. A LafargeHolcim, por exemplo, estima uma economia de R$ 2 milhões por ano em aluguel ao devolver o escritório alugado no Rio de Janeiro.

Agregado a isso, estão os custos economizados com energia elétrica, água e manutenção, entre outros.

Em tempos onde a recuperação da economia demanda muito mais esforços que envolvam a otimização de recursos, a adoção do home office é mais do que benéfica.

Não à toa, 40% das empresas que antes não adotavam a modalidade e passaram a adotar, implementarão o trabalho remoto de forma definitiva – e não apenas nos momentos de crise.

5.Atração de talentos

Encontrar talentos não é tarefa fácil. As empresas criam programas específicos para isso, mas sempre acabam esbarrando no limite geográfico, que deve ficar para trás com a maior adoção ao home office.

O trabalho remoto permitirá ampliar a rede de alcance para candidatos que ofereçam as habilidades exatas que a empresa busca.

A Embraer, por exemplo, já vem se beneficiando dessa remodelação na busca por novos profissionais. No último programa para jovens talentos, a empresa identificou um candidato do interior de Minas Gerais que tinha o perfil 99% compatível com a cultura da empresa.

Com uma política de contratações e condução de equipes bem definidas, essa ampliação da rede só trará benefícios nos resultados da empresa.

6.Retenção de talentos

Assim como atrair os melhores talentos do mercado, para a empresa, reter seus colaboradores acima da média é fundamental.

A adoção do home office, dessa forma, é visto como um excelente benefício pelos colaboradores.

A pesquisa “The 2020 State of Remote Worklevantada pela Buffer, indica que 98% dos profissionais disseram que gostariam de se manter remotos pelo menos uma parte do tempo, e 97% indicariam a modalidade a um colega.

Os benefícios do home office identificados pelos próprios profissionais fazem com que eles busquem empresas que adotem essa modalidade de trabalho.

7.Maior produtividade

Um estudo da Harvard Business Review indicou que 65% dos trabalhadores americanos acreditam que seriam mais produtivos trabalhando em home office, sem as distrações do escritório.

No Brasil, um estudo da Pulse indica que 80% dos profissionais que estão atuando em home office se sentem mais produtivos.

E, considerando todos os benefícios do home office que citamos anteriormente, é fácil identificar porque esses profissionais se sentem mais concentrados no trabalho em casa.

Acordar e não precisar correr para tomar ônibus, se alimentar melhor em casa, passar mais tempo com a família e ter conforto mental com o aconchego do próprio lar são fatores que reafirmam a valorização do trabalho remoto por partes dos profissionais.

Além disso, há também a motivação de mostrar bom desempenho como maneira de estimular a empresa a manter a modalidade mesmo depois do período de pandemia.

Cabe às empresas entenderem todos esses pontos positivos e adequarem suas jornadas ao novo normal.

A Conquest One é a maior especialista em Staffing de TI. Tem como clientes as maiores empresas do país e recruta profissionais altamente adaptáveis, oferecendo e preenchendo vagas para formar times de tecnologia imbatíveis.

Se você está em busca de vagas de TI ou deseja divulgar uma oportunidade, acesse a nossa página e conte hoje mesmo com nossos serviços!

10 soft skills que qualificam o profissional de TI para o futuro do mercado de trabalho

Ao buscar oportunidades e crescimento no mercado de TI, a maioria dos profissionais busca atender todas as soft skills e certificações exigidas pelas empresas.

Após se candidatar, entretanto, você perceberá que esses não são os únicos pontos de análise dos recrutadores, que passaram a olhar mais para as soft skills. Isso porque, em um mercado cada vez mais concorrido, as habilidades comportamentais ganham maior valor.

Então, se você ainda não conhece bem o que são soft skills, tão pouco quais as mais valorizadas, vale a pena conferir nosso material a seguir. Nele traremos todos os conceitos e dicas necessárias para ajudá-lo a alavancar sua carreira em TI.

O que são soft skills?

Hard skills e soft skills são habilidades específicas que os profissionais precisam desempenhar ou desenvolver para atender determinadas funções. As hard skills são habilidades técnicas mais fáceis de mensurar, como o domínio de uma ferramenta, tecnologia ou idioma.

Já as soft skills são habilidades comportamentais. Elas estão diretamente relacionadas com a inteligência emocional e, dentro do mercado de trabalho, tem o papel de identificar como o profissional se relacionará com colegas, clientes, situações de pressão ou em outros cenários que exijam controlar emoções.

Hoje, as soft skills estão em evidência devido às mudanças e reposicionamentos na cultura interna das empresas. Cada dia mais sustentáveis, solidárias e parceiras, as organizações esperam construir uma boa imagem e, para isso, precisam de colaboradores que sigam suas filosofias e tenham propósitos parecidos.

Cientes de que as soft skills podem ser um grande diferencial para se destacar em processos seletivos, listamos as 10 principais para que você comece a desenvolvê-las. Temos certeza de que entendendo e treinando-as, você será um profissional ainda mais completo.

Confira!

1. Empatia

Empatia significa saber se colocar no lugar do outro. E, acredite, essa não é uma tarefa fácil. Cada pessoa tem suas experiências e, com elas, constrói sua visão sobre o mundo.

A empatia é importante em vários momentos de sua carreira. Seja para entender os motivos que levam um determinado colega a ter dificuldades no ambiente de trabalho, solucionar conflitos em um mesmo setor ou resolver um problema do cliente.

A empatia pode ser desenvolvida, principalmente, a partir de experiências solidárias, quando as diferenças sociais trazem a necessidade de enxergar a situação de outro ponto de vista para entendê-la.

2. Foco no cliente

A frase “o cliente tem sempre razão” pode não ser uma verdade absoluta, mas entrega um argumento pronto: você, seu colega e todos da sua empresa dependem de clientes para que os negócios continuem dando certo.

Inclusive, empresas mais bem sucedidas do mercado estão sempre reforçando o conceito de Customer Centric para seus colaboradores. Afinal, elas sabem que todos devem estar totalmente focados na experiência do consumidor a fim de aumentar a retenção e conversão de novos clientes.

Então, por mais difícil que seja, pense sempre se você, como cliente, gostaria de receber tal produto, serviço ou atendimento. Utilize sua empatia para se colocar no lugar do consumidor e enxergar o seu trabalho de outro ponto de vista.

O foco no cliente, quando bem explorado, torna-se uma grande oportunidade de aumentar o reconhecimento de uma marca devido à qualidade oferecida ao mercado.

3. Proatividade

Ser proativo é se antecipar às oportunidades, começar algo sem que ninguém tenha pedido para fazê-lo ou mostrar entusiasmo em desenvolver projetos e novas possibilidades dentro da empresa.

Em um cenário em que soluções inteligentes estão substituindo a força de trabalho em tarefas manuais e repetitivas, colaboradores ganham mais tempo para serem estratégicos e inovar dentro de ambiente de trabalho. Aqueles que demonstram proatividade, nesse sentido, aumentam suas chances de crescer profissionalmente.

O plano é simples: se você quer crescer, tome atitudes.

4. Foco

Por quanto tempo você consegue se concentrar em um determinado objetivo? E quantos objetivos você conseguiu conquistar mantendo o foco? Seja para correr 5 km, passar de fase em um determinado jogo, perder peso, se alimentar melhor ou se organizar financeiramente para fazer uma viagem, ter foco faz diferença.

Assim também é no seu trabalho e carreira. Quanto maior for seu poder de foco, mais rápido chegará aos seus objetivos – seja ele terminar uma sequência de tarefas ou subir de cargo.

Atualmente, as empresas veem profissionais focados como aqueles com maior índices de desenvolvimento, e que, por consequência, também podem ajudá-las a crescer.

Isso torna essa uma das soft skills mais importantes da lista, visto que ela também o ajudará a desenvolver as outras. No entanto, para aplicá-la de maneira eficiente, é preciso entender seus objetivos e competências através do autoconhecimento, o qual abordaremos no final do artigo.

5. Resiliência

Você consegue reagir de forma positiva quando se vê em uma situação de pressão? Consegue superar adversidades sem ter reações explosivas? Se sim, você é uma pessoa resiliente.

Profissionalmente, em meio a tantas cobranças, é importante não deixar de manter a calma. Isso dará a força necessária para dar continuidade a projetos de longo prazo implantados em qualquer empresa.

Além disso, a resiliência está diretamente relacionada com a soft skill anterior. Afinal, ela se trata de manter o foco mesmo diante das adversidades, que naturalmente vão aparecer.

6. Colaboração

Uma mente colaborativa não é aquela que depende continuamente de outras pessoas, mas a qual sabe trabalhar em equipe, extraindo o que há de melhor nas suas habilidades e de seus parceiros. Isso faz muita diferença nas entregas e projetos.

Saiba colaborar, entender o perfil de seus colegas de trabalho e compartilhar os bons resultados. Um time unido é sempre mais forte.

7. Adaptabilidade

Quais seriam suas maiores dificuldades se precisasse se adaptar a um cenário completamente diferente daquele que estava acostumado?

Hoje, inovações e soluções tecnológicas surgem a todo momento, e tornam o mercado cada vez mais volátil. Diante disso, os profissionais de TI devem buscar melhorias contínuas a fim de atender novas e até inesperadas demandas.

Além disso, a facilidade de se adaptar faz de você uma pessoa que trabalha melhor em equipe. Dentro de uma empresa, os colaboradores mudam. De tempos em tempos são contratados novos funcionários e até líderes, ser adaptável, nesse sentido, permite manter-se resiliente diante de qualquer novidade.

Vale ressaltar também que, uma vez contratado junto à uma empresa de outsourcing, o funcionário pode ou não ficar alocado no cliente. Por isso, é preciso estar preparado para qualquer cenário.

8. Criatividade

Trabalhar em um mercado cada vez mais transformado digitalmente, significa assumir uma posição estratégica dentro da empresa. Sendo assim, independentemente do setor, o profissional deve estimular sua criatividade se quiser inovar.

A capacidade criativa, assim como a adaptabilidade, tem papel importante na rotina, visto que ela ajuda a viabilizar novas ideias para aumentar a competitividade, mesmo diante de um cenário completamente novo e pouco conhecido.

Desenvolver essa soft skill o ajudará a criar soluções e se destacar dentro da sua equipe. Entretanto, para fazer isso, é preciso entender e estudar o contexto, pegar referências e, finalmente, testar até encontrar a melhor ideia.

9. Organização

Saber como trabalhar de forma coordenada e planejar atividades a curto, médio e longo prazo, entendendo quais tarefas precisam ser priorizadas, é fundamental para concentrar esforços no que gera resultados.

E para treinar essa soft skill, basta prestar atenção à sua própria rotina.

Aqueles que ainda não estão trabalhando, por exemplo, podem começar organizando seu dia a dia. Arrume um espaço para estudar, organize o tempo necessário para realizar cada uma das atividades de sua casa e logo você entenderá os benefícios que isso traz.

Com consistência, você transmitirá todo esse aprendizado para os recrutadores, aumentando suas chances de ser contratado. Afinal, apresentar-se como uma pessoa organizada ajuda a transparecer confiança.

10. Inteligência emocional

A inteligência emocional pode ser considerada o pilar de várias outras soft skills que foram citadas aqui. Isso porque, uma vez que você adquire o autoconhecimento necessário para lidar com as próprias emoções, poderá tomar melhores decisões, até em situações de pressão ou conflito.

Aqueles que não desenvolveram tal habilidade, precisam olhar para dentro a fim de entender e mapear as principais dificuldades emocionais. Um psicólogo, nesse momento, pode ser a ajuda ideal que irá fornecer mais clareza a esse processo.

Feito isso, você passará a conhecer suas principais habilidades e deficiências comportamentais – essas deverão ser desenvolvidas, dado que entender e treinar suas soft skills é um passo importantíssimo para chegar às melhores oportunidades no universo de TI.

Outro passo fundamental é se cadastrar em nosso site e ficar de olho nas melhores oportunidades. A Conquest One é parceira das maiores empresas de tecnologia do Brasil, e uma delas, pode ser o lugar certo para você evoluir profissionalmente.

Confira as vagas abertas e cadastre seu currículo na Conquest One agora mesmo!

Como a inteligência artificial pode contribuir para o recrutamento de profissionais de TI?

inteligencia artificial no recrutamento de profissionais de TI

O processo de recrutamento e seleção evoluiu incrivelmente. Com anúncios em páginas de classificados e aplicação de testes manuais, antes toda a rotina era morosa e burocrática. Felizmente, hoje a tecnologia permite maior agilidade para selecionar, testar e compreender os perfis dos profissionais a fim de encontrar o mais adequado para a vaga.

Aliás, com o surgimento da inteligência artificial esses processos ficaram mais rápidos e eficientes. Como consequência, mais empresas recorrem a esse recurso para buscarem novos talentos.

Assim, para explicar um pouco mais sobre essa revolução e o quanto isso beneficia o setor de RH, que trouxemos os tópicos a seguir.

Siga conosco e confira!

Qual o impacto da inteligência artificial nos processos de recrutamento e seleção?

O principal ativo das empresas são os talentos que nela trabalham. Esses profissionais trazem olhares estratégicos e velocidade nas decisões que elevam o nível do negócio. Inclusive, no atual cenário que estamos vivendo, os colaboradores talentosos são os motores que ajudarão a empresa a se reestruturar.

Contudo, encontrar talentos não é uma tarefa fácil. A maioria dos profissionais de RH, que atuam com recrutamento e seleção, já teve dificuldades em encontrar um perfil que se encaixa perfeitamente à vaga aberta e à cultura da empresa.

Nesse cenário, as ferramentas de inteligência artificial, uma vez que permitem ganho de tempo na identificação do perfil desejado, bem como nas possibilidades de retenção do profissional, surgem como soluções ideais.

Segundo pesquisa realizada pela Deloitte, 41% das empresas de todo o mundo já utilizam essas ferramentas inteligente para atrair, filtrar e testar candidatos. O resultado disso, por sua vez, são maiores taxas de retenção e a diminuição do envolvimento dos recrutadores em atividades operacionais.

Confira, na prática, quais as vantagens que a inteligência artificial traz para esses processos. 

Benefícios da inteligência artificial no recrutamento de profissionais

Eficiência na escolha

A inteligência artificial recorre aos filtros pré-estabelecidos que vão em busca de dados e informações oferecidas pelos usuários, aumentando incrivelmente as chances de alcançar o profissional certo para a vaga.

As equipes de aquisição de talento, nesse sentido, ganha um novo aliado para tomar melhores decisões baseadas em dados.

A Embraer, por exemplo, tem relatos de diversas experiências positivas por meio das ferramentas de inteligência artificial para recrutamento e seleção.

Segundo o vice-presidente de pessoas, Carlos Alberto Griner, a assertividade na contratação de estagiários passou de 20% para 70%. Ele exemplifica, inclusive, a contratação de um jovem vindo do interior de Minas Gerais que apresentava 99% de afinidade com a cultura da empresa.

Isso mostra que aliar o capital humano à recursos de inteligência artificial permite alcançar resultados extraordinários.

Redução de custos

A inteligência artificial permite a redução de custos de papelaria, seja para a impressão dos antigos formulários ou para a impressão dos currículos dos colaboradores.

As funcionalidades dessas ferramentas também permitem que os candidatos passem por filtros virtuais, diminuindo a necessidade de deslocamentos desnecessários para o candidato. Os sistemas de IA oferecem uma organização digital completa para agendamentos de entrevistas utilizando, inclusive, videoconferências.

Por último, a precisão da inteligência artificial durante a contratação aumenta a satisfação de todos envolvidos, consequentemente, também diminuição com o índice de turnover. Ou seja, a empresa economiza gastos evitando novos processos de contratação, treinamento e desligamento.

Redução de tempo

A inteligência artificial aplica filtros e seleções em uma velocidade impossível para a capacidade humana. A automação de tarefas burocráticas e a análise de dados em massa permitem que centenas ou milhares de currículos sejam analisados conforme critérios específicos definidos pelos recrutadores.

Um bom exemplo vem da Atento, empresa de call center que faz em média 4 mil contratações por mês. Com a adoção da inteligência artificial, a empresa reduziu o período necessário para finalizar o processo de admissão, que antes demandava até 7 dias e agora pode ser realizado em 36 horas.

Ou seja, a redução do trabalho operacional é evidente e isso que resulta em ganhos de tempo e agilidade para que os profissionais do RH foquem em questões mais estratégicas.

Satisfação do candidato

Alguns candidatos desistem dos processos devido a problemas comuns em etapas de seleção realizados manualmente.

Processos demasiadamente longos, falta de confirmações sobre candidaturas e avanços para as próximas fases, além de interação difícil com o recrutador, estão entre os principais pontos.

Com a ajuda da inteligência artificial, é possível que os profissionais de aquisição de talentos abordem o profissional de maneira mais rápida, garantindo o devido envolvimento e entusiasmo do candidato até o final.

Vale lembrar que os candidatos podem relatar as experiências de candidatura e entrevista em diversas plataformas de avaliação, fator diretamente associado à imagem da empresa e atração de talentos.

A importância das relações interpessoais nesse novo cenário

A inteligência artificial realmente veio para evoluir os processos de recrutamento e seleção, beneficiando o RH e toda a empresa a partir de vantagens inegáveis.

Contudo, isso não quer dizer que o profissional de aquisição de talento tenha sua importância minimizada. Além da necessidade de customizar os filtros que buscam os candidatos, o “olho no olho” continua tendo muito valor para perceber o comportamento humano do candidato, bem como suas soft skills.

A junção da expertise e sensibilidade do recrutador com a inteligência e eficiência da inteligência artificial só tem a oferecer ganhos para que a empresa tenha consigo os melhores talentos do mercado.

E foi pensando nessa combinação que a Conquest One criou um sistema de hunting para encontrar os melhores profissionais de TI do país.

Com duas décadas de experiências, a empresa conta com uma equipe de talent acquisition especializada em TI que trabalha com tecnologias de hunting para refinar processos aplicar e metodologias assertivas. Os resultados são candidatos que correspondem não só às habilidades exigidas pelas vagas, como também se adequam mais rapidamente à cultura da empresa.

Confira alguns dos motivos para o seu RH contar com a Conquest One:

  • Atuação do Hunting ao Outsourcing;
  • Uso de big data para localizar os principais talentos;
  • Uso de chatbots para agilizar processos do processo seletivo;
  • Aplicação de testes customizados pelo cliente;
  • Eleita oito vezesconsecutivas pelo Instituto Great Place To Work como uma das melhores empresas do Brasil para trabalhar em TI.

Acesse agora mesmo nossa página, descubra mais vantagens do nosso processo de hunting com inteligência artificial e converse com nossos consultores.

Como as empresas devem agir para promover um ambiente produtivo e cooperativo no home office

cooperação e produtividade no home office

Em 2020, a crise causada pela pandemia trouxe uma série de necessidades urgentes às empresas, como a adoção do home office.

Contudo, apesar de ter ganhado mais força devido ao distanciamento social, o home office é uma prática adotada há algum tempo e já vinha com forte crescimento nos últimos anos. As maiores empresas de tecnologia, principalmente, já o adotavam em sua rotina.

De qualquer forma, familiarizados ou não, o trabalho em casa demanda atenção em pontos essenciais. A organização das equipes, o incentivo ao profissionalismo e a própria motivação dos colaboradores são fatores que devem ser considerados, mesmo remotamente.

Por isso, abaixo trouxemos 6 dicas para ajudar na gestão dessa modalidade. Afinal, se tudo for bem coordenado, você verá que o home office pode resultar em equipes até mais produtivas.

Leia este artigo e aplique os novos aprendizados em seu time!

6 dicas de gestão para aumentar a colaboração e produtividade no Home Office

1. Organize e mantenha a comunicação

Segundo Peter Drucker, austríaco considerado a principal referência da administração corporativa moderna – 60% de todos os problemas administrativos de uma empresa é resultado de uma comunicação interna ineficaz.

Em ambiente remoto, esse cuidado se torna ainda mais sensível, já que tudo precisa ser feito na nuvem, por meio de softwares de colaboração e gerenciamento de projetos. Isso, por sua vez, dá margens para erros de interpretação de textos e solicitações.

Nesse cenário, portanto, recomenda-se que diálogos estratégicos sejam realizados por videoconferência. Elas permitem esclarecer imediatamente as possíveis dúvidas que sua equipe pode ter. Todos, dessa forma, ganham tempo e efetividade para continuar suas atividades.

Além disso, é fundamental definir canais específicos para a comunicação de todos.

Softwares como Microsoft Teams ou Google Talks podem resolver as questões de videoconferências e mensagens instantâneas. Já ferramentas como o Trello ou até mesmo o Microsoft Teams melhoram a organização das tarefas e aumentam a produtividade dos colaboradores.

Por fim, evite threads longas em e-mails, que podem ser confusos e pouco conclusivos, ou usar aplicativos como o WhatsApp, que podem invadir a privacidade do colaborador.

2. Trabalhe a motivação

Segundo pesquisa da Right Management, colaboradores motivados são até 50% mais produtivos. E, em meio ao período de isolamento obrigatório, manter a equipe motivada está entre as principais necessidades dos gestores.

Isso porque, além do cenário naturalmente favorável às incertezas, a rotina do home office também pode afetar o nível de envolvimento dos colaboradores.

Se possível, mantenha metas individuais e conjuntas de acordo com as limitações do home office, incentive reuniões remotas para brainstorms e, principalmente, ofereça feedbacks individuais.

Mostrar aos colaboradores que eles são engrenagens importantes em todos os objetivos da empresa, renovará o gás das equipes, não importa qual seja a distância.

3. Estabeleça normas e horários

A rotina em casa pode fazer com que os profissionais se percam com o horário. De antemão, portanto, já vale dizer: home office não é férias. É preciso ter o comprometimento com horários, assim como em tempos de trabalho presencial.

Estabeleça horários para o início das atividades, períodos de intervalos para o almoço e final de expediente. Isso ajuda a evitar tanto a ausência, quanto o excesso de trabalho

Segundo pesquisa divulgada pela revista Você S/A, 78% dos profissionais se sentem mais produtivos trabalhando em casa.

Isso pode levar às jornadas longas, com horários que podem extrapolar muitas horas diárias além do necessário. Como resultado, os colaboradores podem se sentir sobrecarregados e ter a qualidade de suas entregas comprometidas.

4. Avalie o desempenho e forneça feedbacks

É importante manter a avaliação dos colaboradores para saber como está a adaptação no ambiente remoto. Se há percepção de que a produtividade foi afetada, é preciso entender quais são as influências para os maus resultados.

Algumas ferramentas, como o RunRun.it e o Asana, permitem acompanhar os prazos de entregas das tarefas, bem como o tempo que o colaborador levou para finalizá-la. São ferramentas interessantes que permitem a otimização das entregas.

Contudo, é sempre bom lembrar que, em caso de quedas abruptas de produtividade, sempre vale a pena conversar com o colaborador para saber sobre possíveis dificuldades da rotina.

Lembre-se de que a pandemia afeta atividades escolares e serviços básicos, pontos que também pode influenciar na rotina de trabalho.

Por fim, sempre vale ressaltar: feedbacks são valiosos. Eles oferecem oportunidade para os colaboradores avaliarem seus erros, identificar pontos que devem ser explorados e, assim, crescer profissionalmente. Todo o time ganhará com isso.

5. Invista em ferramentas para gestão do trabalho

Não é possível trabalhar remotamente sem as ferramentas necessárias. E isso requer investimentos para que versões mais completas desses softwares estejam disponíveis para o colaborador.

linkeding para profissionais de TI

Atualmente, as ferramentas em nuvem são a melhor opção. Afinal, podem ser facilmente acessadas através de diferentes dispositivos, basta ter acesso à internet.

Vale lembrar também dos packs oferecidos pelas principais fornecedoras de tecnologia. A Microsoft com o Microsoft 365 e o Google com o G Suíte, são exemplos que precisam ser analisados conforme sua necessidade.

Para além deles, vale a pena considerar ferramentas para gerenciamento de projetos (Trello, Asana, Taskworld, RunRun.it, entre outras) e transferência de arquivos pesados (Google Drive, WeTransfer, Dropbox), que ajudarão em rotinas específicas.

6. Crie um ambiente seguro para o colaborador e empresa

Como estamos vendo, mesmo com todas as vantagens do Home Office, os desafios para a implantação desse novo formato de trabalho também existem.

Ou seja, para usufruir das vantagens do trabalho remoto é preciso adaptar as políticas da companhia. Entre elas, as que correspondem à segurança da informação.

Entretanto, a realidade é que muitas empresas ainda não estão preparadas para fornecer suporte aos profissionais que estão longe do data center.

Por isso, acabam deixando seus bancos de dados vulneráveis e, o que era para ser um modelo vantajoso, acaba se tornando um risco que pode prejudicar a integridade e a saúde financeira de uma marca.

Felizmente, solucionar esse problema é simples. Inclusive, no mercado existem várias tecnologias para garantir a integridade e confidencialidade dos dados sigilosos.

Ferramentas de criptografia, autenticação em múltiplos fatores e plataformas de segurança na nuvem são alguns exemplos de soluções que evitam vazamentos, ataques e acessos não autorizados.

Otimize a gestão de trabalho no setor de tecnologia com a Conquest One

Seja qual for a necessidade do seu time, é importante se manter próximo para ajudar, orientar e motivar sempre que necessário.

Sabendo disso, vale a pena investir em uma gestão mais colaborativa nesse período de isolamento social. Dessa maneira, assim que tudo voltar à rotina normal, seu time estará ainda mais unido e os talentos serão mantidos em sua empresa.

E lembre-se: a Conquest One é uma das principais empresas do país especializadas na busca e contratação de profissionais altamente qualificados.

Oito vezes eleita a melhor do país para quem trabalha em TI, tem atuação desde o hunting ao outsourcing, usando big data e geolocalização para encontrar os perfis que sua empresa precisa.

Acesse agora mesmo o nosso site e converse com nossos consultores!

A importância do quociente de adaptabilidade diante do novo cenário corporativo

adaptabilidade do profissional de TI

Trabalhar com tecnologia significa atuar em um setor que sofre evoluções e mudanças constantes. Não à toa, a adaptação é uma das principais qualidades que devem ser desenvolvidas pelo profissional de TI.

Principalmente agora, com a aceleração da transformação digital e automação de processos dentro das empresas, a adequação à nova realidade do mercado é ainda mais relevante. 

Enfim, diante do cenário corporativo atual, é ainda mais evidente a importância do quociente de adaptabilidade. Afinal, esse indicativo mostra o quanto um profissional está preparado para atuar em diferentes circunstâncias.

Para entender melhor o conceito de quociente de adaptabilidade e como desenvolvê-lo, confira as dicas a seguir!

O que é quociente de adaptabilidade?

No mercado de trabalho existem alguns critérios que indicam o potencial de um profissional. Você já deve ter ouvido falar do QI, por exemplo. Ele é o quociente de inteligência e demonstra, por meio de testes, as habilidades cognitivas de um sujeito. 

Apesar de mais conhecida, essa não é a única avaliação disponível para medir as habilidades das pessoas. Outros indicativos, como o QE (quociente emocional) e o QA (quociente de adaptabilidades) também assumem importância fundamental no recrutamento e seleção de colaboradores.

Principalmente quem trabalha com tecnologia, percebe que poucas competências são tão importantes quanto a capacidade de se adaptar às mudanças constantes que essa profissão demanda.

O quociente de adaptabilidade vai além da contemplação e absorção de novas informações. Um profissional com bom QA tem facilidade para considerar o que é realmente relevante e, por meio da curiosidade, resiliência e flexibilidade, consegue se manter eficiente mesmo diante de novos contextos.

Qual a importância do Quociente no contexto da transformação digital?

A aceleração da transformação digital nas empresas impõe que os profissionais desenvolvam capacidades de adaptação. Afinal, seja pelas mudanças proporcionadas pela automação de processos, pela atuação remota ou qualquer outra inovação referente à transformação digital, é preciso acompanhar os níveis de exigência do mercado.

Assim, se antes bastava ao profissional de TI focar em suas habilidades técnicas, hoje, mais do que nunca, ele precisa entender que seu universo de atuação muda constantemente. Por isso, é fundamental se adequar às novas tendências impostas pela tecnologia.

Veja, por exemplo, o quanto a pandemia de COVID-19 acelerou os processos de transformação digital e mudou o comportamento do mundo corporativo.

De empresas locais até grandes multinacionais, todas precisaram recorrer a soluções tecnológicas com a finalidade de manter a competitividade durante o isolamento social. A atuação dos profissionais de TI, nesse sentido, foi fundamental para definir a velocidade de adaptação.

Como o profissional de TI pode exercitar seu quociente de adaptabilidade?

Você pode medir o quanto está preparado para se adaptar a novos cenários a partir de três exercícios simples.

1.      Questione-se

Para perceber seu nível de adaptabilidade como profissional, basta colocar-se, mesmo que hipoteticamente, em situações inusitadas que podem estimular sua capacidade de pensar estrategicamente.

Felizmente, no setor tecnologia, ver a si mesmo em situações completamente novas, pode ser bem fácil.

Afinal, como esses profissionais estão frequentemente sujeitos à volatilidade do mercado, qualquer plano ou solução que vise melhorar a produtividade, gestão de tempo e até a comunicação na empresa, em situações adversas, pode ajudar a exercitar a adaptabilidade.

2.      Desaprenda

Sair da zona de conforto e questionar situações que supostamente já estão bem estruturadas, pode ajudar a trazer inovações inesperadas, permitindo que as empresas saiam na frente de seus concorrentes.

A situação imposta pela pandemia em que estamos vivendo, inclusive, ilustra bem a importância de “reaprender” o que se imaginava que não podia ou deveria ser mudado.

O home office era raro no ambiente corporativo e, com exceção de algumas empresas de TI que estavam em estágios avançados de transformação digital, não se imaginava migrar para esse modelo de trabalho tão cedo.

Contudo, apesar do isolamento social ter forçado essa mudança, o home office tem se tornado uma tendência em todo mercado brasileiro. Segundo a FGV, a expectativa é que, após a pandemia, o número de empresas que adotam essa metodologia aumente 30% em relação aos números anteriores ao COVID-19.

guia para profissional de TI

Isto é, por mais que estivesse fora dos planos, o trabalho remoto se mostrou eficiente no aumento da produtividade e redução de custos nas companhias.

Esse exercício, portanto, deve ser sempre feito, mesmo com os processos que pareçam mais rígidos e tradicionais no mundo corporativo. Afinal, as novas tecnologias podem provocar verdadeiras mudanças estruturais benéficas para todos.

3.      Investigue

Investigar o mercado significa aprofundar-se sobre todas as tendências tecnológicas ou de comportamento do consumidor que podem interferir diretamente no desenvolvimento de uma companhia.

Para entender melhor a importância de se manter atualizado, podemos voltar ao ano 2000.

Afinal, foi nessa época que Reed Hastings procurou John Antioco, então CEO da Blockbuster, para propor um novo negócio online. Antioco, por outro lado, analisando apenas a alta rentabilidade do seu negócio e ignorando a tendência digital, mesmo que pequena na época, rejeitou a proposta.

Reed Hastings, por sua vez, deu andamento às suas investigações sobre o comportamento do consumo de filmes online e fundou a Netflix.

Em 2018, a Netflix faturava R$ 15,8 bilhões, enquanto a Blockbuster já havia fechado as portas no mundo todo. Isso mostra o quanto é necessário continuar questionando as maneiras de desenvolver negócios que já parecem confortáveis em seu posicionamento.

Atualmente, não param de surgir novas ferramentas relacionadas a inteligência artificial e outras inovações. Ficar atento a todas elas, portanto, é o primeiro passo para se tornar adaptável em um mercado de mudanças intensas.

Enfim, exercitando esses três pilares, você perceberá seu nível de adaptabilidade. A partir dele, é possível compreender e desenvolver suas carências para melhorar a capacidade de entregar resultados diante de novas exigências.

Profissionais de TI adaptáveis encontram as melhores oportunidades de trabalho

Desenvolver o quociente de adaptabilidade ao longo da sua carreira trará apenas benefícios. Afinal, a demanda por esses profissionais tem aumentado cada vez mais.

Hoje, as grandes empresas buscam colaboradores proativos, flexíveis e questionadores, pois acreditam que esse perfil é o mais adequado para lidar com a volatilidade do mercado causada pelas inovações.  

Então, se você acredita estar preparado para essas novas exigências do mercado, nós podemos ajudá-lo a encontrar a oportunidade ideal.

 A Conquest One é especialista em staffing de TI, e tem o objetivo levar os melhores profissionais às principais vagas do mercado. Isso graças ao método de hunting, que seleciona e avalia o desempenho comportamental e técnico dos profissionais.

Alcance os objetivos que sempre desejou para sua carreira: cadastre-se no nosso site agora mesmo e aproveite as oportunidades em nossa página de vagas.

Futuro do trabalho no setor de TI: Como o profissional deve agir para se destacar nesse novo cenário?

futuro do trabalho no setor de TI

Cada vez mais novas tecnologias fazem parte do nosso cotidiano. No âmbito profissional, por sua vez, isso tem se acelerado ainda mais com o surgimento do novo coronavírus.

Com a imposição do isolamento social em vários países, inclusive no Brasil, as empresas estão se vendo obrigadas a adotar novos softwares que permitem manter a produtividade e a colaboração das suas equipes, mesmo remotamente. 

A transformação digital, que já era tendência há alguns anos, tem se acelerado nos últimos meses e já está se tornando uma realidade dentro dos ambientes corporativos. 

O profissional de TI, nesse sentido, é um dos mais atingidos por esse novo comportamento. Afinal, o mercado exigirá cada vez do seu preparo para manejar essa transformação.

Neste artigo, falaremos sobre as principais tendências sobre o futuro do trabalho e traremos algumas habilidades que os profissionais de tecnologia devem adquirir para aproveitar as novas oportunidades do mercado.

Confira!

Como será o futuro do trabalho?

Sem dúvidas, essa é uma das perguntas mais comuns no cenário em que estamos vivendo. Afinal, se as empresas conseguiram se adaptar ao trabalho remoto, e isso, inclusive, trouxe benefícios a elas e seus colaboradores, por que não manter essas adaptações?

Por exemplo: já que boa parte dos colaboradores estão produzindo até melhor dentro de casa, por que manter a locação de edifícios enormes quando apenas um andar pode ser suficiente? 

De modo geral, alguns pontos já são certos. A automação promovida pelas empresas nesse período irá exigir adaptabilidade, tanto para o empregado quanto para o empregador. Além disso, a chave de condução dessas novas implantações deverá passar pelo profissional de TI.

Diante deste novo cenário, é preciso sair na frente. Mesmo após o fim do isolamento social, muitas mudanças vão ser adotadas no cotidiano corporativo. Por isso é necessário buscar por treinamentos e requalificações para suprir as novas exigências do mercado. 

Habilidades que o profissional de TI deve desenvolver para o futuro do trabalho

Um bom profissional que trabalha no setor de tecnologia leva consigo suas experiências relacionadas às suas habilidades técnicas, ou hard skills, como são chamadas.

Por outro lado, contar apenas com esse tipo de conhecimento pode não ser suficiente para alcançar as novas demandas que o mercado de TI trará.

No atual cenário, é preciso investir também nas soft skills. Ou seja, nascompetências que definem o comportamento e a personalidade do profissional.

As soft skills, como aptidões emocionais, sociais e mentais,preparam o colaborador para fornecer soluções ágeis e eficientes aos problemas que surgem. Elas, por sua vez, são habilidades que, além de conhecimento técnico, exigem que o profissional desenvolva capacidades de interação. 

No contexto das soft skills, quatro características específicas se destacam entre os profissionais mais preparados para futuro do trabalho. São elas: comunicação, colaboração, adaptabilidade e pensamento estratégico.

Confira abaixo cada uma delas.

Comunicação e colaboração

Hoje, seja qual for a profissão ou cargo do colaborador, as competências de comunicação são fundamentais. Buscar melhorar suas relações interpessoais, portanto, é caminho para se qualificar às novas vagas.

Segundo pesquisa da CareerBuild, inclusive, entre dez soft skills, 56% das companhias disseram que a “comunicação efetiva” é a principal competência analisada nos candidatos.

Definitivamente, as tecnologias de automação estão cada vez mais presentes no cotidiano corporativo. Diante disso, robôs inteligentes passarão a ser responsáveis por boa parte da rotina antiga.

Por outro lado, essa conectividade em franca expansão cria desafios para as equipes. A comunicação, por exemplo, ganha, mais do que nunca, um viés estratégico.

Em outras palavras, a comunicação durante esse movimento de transformação digital vai além dos números e algoritmos e, através de conversas colaborativas, assume o papel de fortalecer a missão e os valores da empresa.

Adaptabilidade

A capacidade de adaptação é indispensável para que o profissional de tecnologia se mantenha bem posicionado no atual mercado tão volátil.

Para se ter uma ideia do impacto da transformação digital nesse mercado, um estudo recente realizado pela consultoria McKinsey provou que 56% dos novos cargos disponíveis correspondem a funções recém-criadas.

Felizmente, mudanças também trazem consigo grandes oportunidades. Hoje, ser adaptável já faz parte da rotina do profissional de TI. Assim, aqueles que conseguem desenvolver melhor essa soft skill, são alocados em grandes projetos do mundo todo. 

Bem como a comunicação, a adaptabilidade deve ser vista como uma necessidade para o novo profissional de TI, o qual deve buscar com novas soluções que entregam resultados além do esperado. 

Não tenha dúvidas que o colaborador que adquirir competências, como criatividade e agilidade, para sugerir novas maneiras de utilizar e desenvolver tecnologias em prol do desenvolvimento da companhia em que atua, será mais valorizado no mercado de trabalho.

Pensamento estratégico

O colaborador que entende a importância de se comunicar com clareza, de agir colaborativamente com sua equipe e se adaptar às necessidades do mercado, já carrega consigo um pensamento estratégico a respeito do futuro do trabalho. Entretanto, é preciso ir além.

O profissional deve ter uma atuação holística para gerar valor à organização. Afinal, antes considerada apenas um setor de backoffice, a área de TI assume papel primordial nas companhias, devido a sua missão de desenvolver um sistema inclusivo e de incentivo às inovações sistemáticas. 

Na prática, a rotina do novo profissional do TI se resume a elaborar projetos que estimulem a transformação digital, integrar diferentes setores e estruturar uma equipe qualificada para colocar essas missões em prática.

Todas essas e outras atividades do cotidiano desse colaborador, portanto, devem ter foco no dinamismo e proatividade para que, finalmente, a empresa cumpra seu papel e aumente a satisfação do cliente dentro de um cenário extremamente competitivo.

4 Carreiras que estão transformando o setor de TI

Com o futuro do trabalho sendo impactado por novas ferramentas de automação, o melhor a fazer é se preparar adequadamente. 

Para tanto, o ideal é se antecipar às profissões que estarão em alta. Por isso, separamos informações sobre alguns dos cargos mais procuradas no atual cenário: engenheiros de IA, cientistas de dados e analistas de BI.

Engenheiro de Inteligência Artificial

A inteligência artificial está cada vez mais presente na vida dos consumidores e, consequentemente, no dia a dia corporativo.

Um estudo da Gartner, inclusive, mostrou que o número de empresas, que implantaram IA em seus processos, aumentou 270% nos últimos quatro anos.

Não à toa, em 2020, as buscas por profissionais qualificados para atender a essa demanda continua crescendo.

Nesse cenário, os candidatos devem ter conhecimento em:

  • Machine learning;
  • Processamento de linguagem natural;
  • Integração de IA;
  • Programação de aplicativos de IA;
  • experiência em gestão de mudanças.

Quem tiver essas qualificações, mais as soft skills citadas acima, conseguirá se adequar ao novo mercado de trabalho. Afinal, a tendência é que esse perfil seja ainda mais desejado pelas grandes empresas.

Dessa forma, você, como profissional de TI, não pode ignorar essa nova carreira se quiser se destacar no mercado de trabalho.

Desenvolvedor mobile

Acompanhando as tendências do comportamento do consumidor digital, o mercado vê os investimentos em aplicativos móveis crescer exponencialmente.

Desenvolvedores móveis, por sua vez, atentos a esse cenário e responsáveis por projetar, desenvolver, instalar, testar e fazer manutenções nesses sistemas, encontram uma série de novas oportunidades.

Por outro lado, as empresas também passam a ser mais exigentes quanto a contratação desses profissionais de TI.

Se antes, esses especialistas em codificação, design e construção de sites e aplicativos, precisavam apenas saber sobre linguagens de programação, hoje as habilidades exigidas vão bem além disso.

Desenvolvedores web, que desejam se destacar, precisam estar atentos à satisfação do consumidor. Estudar experiência do usuário, nesse sentido, é a melhor maneira de pensar o cargo de maneira estratégica.

Confira as principais habilidades que qualificam esse profissional: 

  • Conhecimento em linguagens de programação (C#, C++, HTML, Java, Microsoft .NET and SQL Server);
  • Desenvolvimento UX;
  • Conhecimento das leis e regulamentos;
  • Experiência com servidores, backup, aplicação de patches e atualização

Enfim, o colaborador que deseja seguir carreira como desenvolvedor mobile deve saber que seu cotidiano de atividades está diretamente relacionado às capacidades que são destaque no futuro do trabalho.

Na prática, fora o conhecimento técnico o profissional deve se atentar ao comportamento dos clientes. Ou seja, apenas treinando suas habilidades de comunicação, o programador conseguirá criar uma aplicação de sucesso.

Cientista de dados

Com a importância de se manterem competitivas, as empresas estão concentrando ainda mais esforços na análise de KPIs. Nesse sentido, a demanda por cientistas de dados também aumentou.

Uma vez inseridos no cotidiano corporativo, esses profissionais auxiliam na coleta, armazenamento, classificação e análise dos dados.

Além disso, por boa parte dessas informações serem confidenciais, é importante que esse colaborador de TI também invista seu tempo em segurança da informação.

Dependendo do cargo e tamanho da empresa, candidatos graduados e pós-graduados em ciência da computação, com ampla experiência na área, são os mais visados.

Para também se destacar nos processos seletivos para cientistas de dados, além da comunicação e adaptabilidade, desenvolva as seguintes habilidades:

  • Coleta e processamento de dados;
  • Capacidade analítica para tomar decisões a partir das informações coletadas;
  • Dominar linguagens como Java ou Phyton.

Conclusivamente, o perfil analítico deve predominar entre os cientistas de dados. Por outro lado, como consequência, a adaptabilidade também será uma das características mais observadas por recrutadores.

Isso porque, lendo números diariamente, esses colaboradores se destacam quando assumem a responsabilidade por tomar decisões capazes de inovar processos, mesmo sob novas circunstâncias.

Analista de BI

Os analistas de business intelligence também estão no foco principal da transformação digital.

Afinal, nos processos de melhoria contínua, esses profissionais assumem o protagonismo, visto que seu papel é tomar decisões que refletem diretamente no desenvolvimento corporativo.

O profissional de TI que pretende trabalhar como analista de BI deve dominar tecnologias de banco de dados e ferramentas de relatórios.

E, com um perfil mais técnico do que o cientista de dados, o profissional de business intelligence também deve exercitar continuamente sua capacidade de compreender métricas e comunicar as necessidades de um negócio se reinventar.

Por fim. os candidatos, geralmente graduados em engenharia ou ciência da computação, precisam desenvolver as seguintes competências:

  • Experiência com banco de dados;
  • Capacidade de fazer processamentos e análises online;
  • Habilidades para escrever códigos;
  • Boa capacidade de escrita e comunicação.

Seja para essa ou qualquer outra das carreiras citadas acima, se você trabalha ou deseja trabalhar com TI, saiba que o futuro já invadiu sua profissão e o mercado exige o seu preparo.

Então, se você quer saber mais sobre como alavancar sua carreira, continue navegando no blog da Conquest One e confira muito mais dicas!