As 10 principais certificações de TI que chamam a atenção dos recrutadores

Trabalhar com tecnologia tem muitas vantagens. As melhores empresas do setor são adeptas à rotina remota, além disso permitem que os colaboradores participem de projetos e treinamentos para alavancar sua carreira. Definitivamente, nelas estão grandes oportunidades profissionais.

Entretanto, para chegar a uma grande empresa é necessário dedicação e muita disciplina. E nesse contexto estão as certificações de TI. Estar atento e, mais do que isso, atualizado a disciplinas e qualificações do mercado, é o que pode ser o grande diferencial na seleção.

Por isso, listamos abaixo as 10 principais certificações de TI que você precisa ter para chamar a atenção dos recrutadores e alcançar seus objetivos.

Confira!

1. ITIL – Information Technology Infrastructure Library

A ITIL é uma vasta biblioteca que traz consigo informações sobre como as maiores empresas de TI do mundo se organizam. Com essa certificação, o profissional se mostra atualizado sobre o gerenciamento de serviços de TI em empresas de qualquer porte.

A certificação ITIL conta com 3 níveis:

ITIL Foundation

Para se credenciar às melhores práticas de Gerenciamento de Serviços de TI e dominar a terminologia ITIL.

ITIL Practitioner

Aborda especializações em Service Desk e Gerenciamento de Serviços e de Incidentes. Para alcançá-la é preciso ter a certificação ITIL Foundation.

ITIL Master

Intensivo de 2 semanas para desenvolver habilidades de gerenciamentos de serviços e processos. Também é pré-requisito a certificação em ITIL Foundation.

Como conseguir as certificações ITL

Disponíveis em português, os exames podem ser realizados presencialmente nos Centros de Certificação Prometric ou via site EXIN.

2. CCNA – Cisco Certified Network Associate

É uma certificação que habilita o profissional a configurar, instalar e operar redes de tamanho médio que utilizam roteadores e switches. A certificação é realizada com base no Cisco IOS e sua CLI.

O certificado CCNA serve para manuseio de redes com dispositivos fabricados pela Cisco e outras empresas, como HP, Huawei, D-Link, 2Com, Juniper, entre outras. 

Como conseguir a certificação CCNA

Atualmente existem dois caminhos:

1-      Por meio do exame CCNAX (Interconnecting Cisco Networking Devices: Accelerated)

2-      Realizando dois exames de entrada: o ICND-1 e o ICND-2

Ambos são disponibilizados pela Cisco.

3. OCP – Oracle Certified Professional

É uma certificação altamente valorizada no mercado. Quem a possui é considerado especialista. Além de empresas privadas, garante atuação em segmentos específicos, como licitações de órgãos públicos. É, sem dúvidas, uma certificação que pode mudar toda a carreira.

Como conseguir a certificação OCP

Para chegar à certificação OCP, é necessário antes alcançar a certificação OCA SQL, disponível no site Oracle.

4. SFPC – Scrum Foundation Professional Certificate

Habilita o profissional para se aprofundar no framework Scrum, sendo introdutório para a certificação avançada Scrum Professional Advanced Certificate (SAPC).

O Scrum é uma metodologia ágil para gestão de projetos de tecnologia dividida em sprints. Esses sprints indicam atividades e evolução do processo conforme o ciclo atual. É uma certificação relevante para atuar em gestão de projetos.

Como conseguir a certificação SFPC

O exame é feito online. São 40 questões de formato múltipla escolha e duração de 60 minutos. Para ser aprovado, é necessário acertar 24 questões, ou seja, 60%.

5. CSPO – Certified Scrum Product Owner

A demanda por Product Owners está altíssima. E a certificação CSPO é um dos principais recursos para evidenciar profissionais que estão em busca de se qualificar como gestor de produtos ágeis.

Como conseguir a certificação CSPO

Para essa certificação não é necessário realizar exames. Basta realizar o curso específico disponibilizados pela Scrum Alliance.

6. ISO 27001

A sigla ISO é conhecida mundialmente por ser utilizada para certificar que determinado processo segue as conformidades globais.

Essa norma define quais requisitos serão utilizados para um sistema de segurança da informação conforme regulamentações e direcionamentos de autoridades no setor.

Ter a certificação 27001 é um passo indispensável para quem deseja atuar com segurança da informação – um setor valiosíssimo para o universo de TI.

7. ISO 27002

A ISO 27002 complementa o ISO 27001 e aborda as práticas para aplicação de controles em um sistema de informação.

Para tê-la, não é necessário passar antes pela ISO 27001. Contudo, um profissional que conta com ambas certificações ISO é, certamente, mais completo.

Como conseguir as certificações ISO 27001 e 27002

As certificações são oferecidas por diversas escolas licenciadas. Para saber mais, acesse o site da ISO.

8. Microsoft Azure DevOps Solutions

Certificação importante para quem atua como DevOps. Ter o domínio do Microsoft Azure DevOps Solutions garante que determinado profissional sabe como otimizar práticas, melhorar processos de comunicação e colaboração para criar soluções de automação para o projeto.

No escopo desse profissional está a implementação de estratégias para código de aplicação e infraestrutura. É a partir dessa combinação que há evolução nos processos de integração, entrega, testes e monitoramento.

Para alcançar a certificação DevOps Solutions, é necessário ter o domínio das práticas Agile e familiaridade com administração e desenvolvimento do Azure.

Como conseguir a certificação Microsoft Azure DevOps Solutions

O exame está disponível na página Microsoft Learning, onde também estão dicas para se preparar.

9. Designing and Implementing a Data Science Solution on Azure

Para quem atua com ciências de dados, essa é a certificação que pode dar um bom impulsionamento na carreira. Com ela, é possível aplicar seus conhecimentos para implementar ambientes e executar soluções com dados para treinar modelos preditivos.

Como conseguir a certificação Designing and Implementing a Data Science Solution on Azure

Acesse a página Microsoft Learn para ter acesso ao exame. Na mesma página é possível encontrar dicas de estudos para se preparar.

10. AWS Certified DevOps Engineer

É uma das certificações mais cobiçadas no universo de Cloud Computing. Alcançada por profissionais de nível avançado, a certificação é direcionada para profissionais considerados chaves no segmento de TI: os DevOps, que alinham projetos de desenvolvimento e operações.

Por ser considerada difícil, é uma certificação que faz brilhar o currículo e destaca ainda mais o profissional em meio à grande demanda por engenheiros DevOps no país.

Como conseguir a certificação AWS Certified DevOps Engineer?

O exame está disponibilizado pela AWS Amazon e conta com 80 questões de múltipla escolha que devem ser respondidas em até 180 minutos.

Qual é a certificação mais importante de TI?

A importância da certificação está diretamente relacionada às experiências e expectativas do profissional. Não é novidade que em TI é possível alcançar bons caminhos profissionais sem a necessidade de um curso superior e os caminhos para se qualificar são muitos.

Não tenha dúvidas de que as melhores certificações possibilitam alto nível de independência para atuar de maneira autônoma ou se manter no radar das melhores empresas do mercado.

Continue navegando em nosso blog e fique por dentro de muito mais dicas para a sua carreira!

Conquest One lança App para atender demanda por profissionais de TI provocada pelo Covid-19

Conquest One lança app para atender demanda por profissionais de TI provocada pelo Covid-19

Com investimentos constantes em Transformação Digital, a Conquest One lança app que apoia o recrutamento, o outsourcing e o acompanhamento dos profissionais de TI.

O novo aplicativo, denominado CQ1 Digital, permite realizar a contratação e a disponibilização de profissionais de forma remota. Além disso facilita a gestão e viabiliza o feedback dos clientes em relação às contratações. Junto a esse novo aplicativo, já é disponibilizado um canal para os talentos compartilharem o dia a dia dos projetos executados.

Continue a Leitura na TI Inside


Continue a Leitura

Gestão de Crises: como as empresas podem se preparar para situações inesperadas

Gestão de Crises

Quem empreende sabe que a qualquer momento situações adversas e inesperadas podem surgir, exigindo tomadas de decisão de grande impacto para o negócio. Exemplo disso é a pandemia causada pelo coronavírus. Nestes momentos, saber fazer uma gestão da crises é essencial para manter o negócio funcionando. Aliás, o Covid-19 fez com que o mundo inteiro adotasse medidas sugeridas pela Organização Mundial de saúde para evitar a propagação do vírus. Entre as medidas está o isolamento social, que faz com que a maioria das pessoas só saia de suas casas quando houver extrema necessidade.

Por causa desse mal, muitos empreendimentos foram obrigados a fechar as portas temporariamente, eventos mundiais foram cancelados, empresas dispensaram funcionários para fazer home-office e outras foram obrigadas a antecipar férias. Sem contar as que precisaram demitir alguns de seus colaboradores.

Pensando nisso, reunimos algumas dicas de ações para gestão de crises, que podem ser executadas para superar esse problema mundial causada pelo Coronavírus, bem como outros problemas do tipo. Confira o artigo a seguir.

Como a sua empresa pode realizar uma gestão de crises de maneira efetiva

 A pandemia do Coronavírus está provocando uma crise econômica global com enormes prejuízos à saúde das empresas que tiveram queda nas vendas e operações comerciais. Nestas horas, a gestão de crises é muito importante para que o negócio se restabeleça após esse momento tão apreensivo em que o planeta vive. Fique atento às dicas para aplicar na sua empresa e superar esse momento.

Procure ter agilidade na medida certa

Um plano de gestão de crises eficiente é focado em agir rápido diante do primeiro sinal do problema. Entretanto, antes, é necessário realizar uma profunda avaliação do cenário e ter uma definição de estratégias traçadas pelo comitê de crise. Ou seja, neste momento também é preciso ter calma para não trazer danos severos à marca. A agilidade deve vir na medida certa.

Se possível, não paralise a empresa durante a crise

Manter a empresa funcionando normalmente é uma das ações que deve fazer parte da gestão de crises. Aliás, é importante que o problema não tenha impacto no ambiente corporativo para que os colaboradores não se sintam inseguros e percam o foco da operação. Ao mesmo tempo, os gestores devem trabalhar para que a situação seja resolvida junto com a equipe.

Importante: tire lições após ultrapassar a crise

A forma como a equipe passa pelo processo de gestão de crises é um dos aspectos essenciais e deve ser levada em consideração. Após o problema ser solucionado, é importante que o time se reúna para entender os detalhes deste período e avaliar se algo poderia ser feito para que ela fosse evitada.

Esse passo é importante para, caso o problema volte a acontecer, as equipes possam utilizar os aprendizados para gerenciar a nova crise de forma muito mais rápida. Aprender com os erros faz parte do processo de amadurecimento e evolução da equipe e do empreendimento.

Meça os dados obtidos após o gerenciamento da crise empresarial

Fazer um levantamento de todos os danos causados pela crise à empresa é o primeiro passo a ser seguido pelos gestores. A coleta de informações pode ser feita de forma simples por meio de pesquisas digitais. A mais utilizada pelas empresas é a Net Promoter Score – NPS, que tem como objetivo medir a satisfação do cliente com seus produtos e serviços.

Com ela também é possível ter conhecimento do índice de clientes que falam mal da sua marca. Por outro lado, você também consegue identificar quais são os clientes que promovem seus produtos e serviços. Ou seja, a ferramenta é muito útil e deve fazer parte da gestão de crises, para coletar esses dados de danos causados. 

Tecnologia também auxilia as empresas a superar situações como a do Coronavírus

Uma das primeiras ações da gestão de crises a ser tomada pela maioria das empresas foi colocar todos os colaboradores para trabalhar em home-office. A medida permite que as pessoas evitem o contato social, uma das principais formas de transmissão do Coronavírus.

Empresas que já tinham os benefícios de uma atividade mais flexível no negócio, que utilizam ferramentas de gestão de projetos e colaboração, além de possuírem seus processos mapeados e bem alinhados com o time tiveram mais facilidade para se adaptar a este momento. Assim, investir em tecnologia pode ser a solução para ajudar nestas situações inesperadas de crise. No entanto, um dos maiores desafios para os gestores é conseguir gerenciar a equipe em home-office.

Aplicativos de gestão de ponto

Algumas ferramentas podem ser muito úteis nesse processo. Uma delas é a utilização de um aplicativo de gestão de ponto, um recurso presente no Sense One da Conquest One. Com ele os colaboradores podem registrar o ponto de qualquer lugar, utilizando um smartphone ou até mesmo no próprio notebook, pois o aplicativo conta com recursos de geolocalização que permitem maior mobilidade e melhor controle.

Dessa forma até mesmo equipes terceirizadas podem ser acompanhas de forma simples e segura. Outro ponto de destaque é a disponibilização de relatórios e possibilidade de download do comprovante.

Comunicação Unificada

Outra ação importante para manter a sua produtividade e de toda a equipe é fazer reuniões constantes para alinhar objetivos e atividades a serem executadas. A comunicação é fundamental para que a equipe saiba que o gestor está sempre presente para o que for necessário, por isso contar com uma ferramenta que possibilite a unidade de toda a comunicação com a equipe é de suma importância. Planeje e agende as suas reuniões antecipadamente, com dia e horário bem definido.

Para reunir a equipe, uma das opções de ferramentas com essa finalidade é o Microsoft Teams. Uma opção muito eficiente, com uma linha de comunicação fluída. O aplicativo empresarial do pacote Office 365, permite realizar reuniões virtuais por vídeo ou áudio, trocar mensagens de texto, anexar arquivos, enviar imagens, realizar a gravação das reuniões e muito mais.

O aplicativo é fundamental para a gestão de crises, como no caso do Coronavírus, em que todas as equipes passaram a trabalhar de casa. Aliás, ele está em alta e sendo bastante utilizado por quem faz trabalho remoto, principalmente nas últimas semanas, por causa da pandemia, que obriga as pessoas a evitarem o contato social.

Seleção e treinamentos através de bots

A tecnologia mudou o mundo inteiro e os chatbots e a inteligência artificial vieram com tudo, trazendo muitas aplicações e funcionalidades. Muitas empresas passaram a utilizar a ferramenta para economizar tempo e dinheiro na contratação de colaboradores. O sistema é capaz de se comunicar com os candidatos e responder às perguntas mais frequentes, fazendo com que o processo ande de qualquer maneira.

Os chatbots também economizam tempo das equipes no processo de triagem, uma das atividades que mais demanda tempo no recrutamento. Além disso, a ferramenta também facilita para os candidatos, que não precisam mais se deslocar para as primeiras fases do processo seletivo. Nesse momento de distanciamento social utilizar tal tecnologia permite que as empresas mantenham os processos em curso sem prejuízo ou risco a nenhum dos envolvidos.

Uma outra utilização muito importante é no Onboarding de novos colaboradores. Na Conquest One, o Onboarding já é realizado 100% remotamente, mas logo ele contará com a utilização dos chatbots, que enviarão as informações sobre os processos e a cultura da empresa, além de permitir o recebimento de documentos do profissional.

turnover

A importância da gestão de crises

Neste artigo pudemos perceber o quanto é importante uma empresa ter bem desenhado e alinhado um plano de gestão de crises. Avaliar cuidadosamente quais são as ameaças, os riscos e os possíveis cenários sob o ponto de vista dessas áreas e desenhar cada plano, sem alarde ou precipitações é uma maneira eficiente de driblar este momento que exige muita atenção dos gestores.

E você, gostou de saber como a sua empresa pode se preparar e realizar uma gestão de crises eficiente diante de cenários inesperados como o Coronavírus? Fique atento às novidades do nosso blog e conte conosco nesse processo.

Aumenta o número de mulheres na TI

mulheres na ti

A discussão sobre a posição de mulheres na TI vem, a cada ano, ganhando contornos mais amplos. O tema é essencial, pois toca em uma ferida antiga do setor.

Na área de tecnologia, por muito tempo, a diversidade foi um tema secundário. Assim, muitas mulheres enfrentaram situações ímpares para conseguirem se encaixar em posições de destaque, mesmo com bons currículos. Agora, no entanto, o cenário é outro.

Segundo estudo da McKinsey&Company “Women in the Workplace 2019”, nos últimos 5 anos, cresceu em 24% a representação de mulheres em posições C-Level no setor da TI.

O dado é promissor e bastante esclarecedor quanto ao movimento pela diversidade que vem crescendo desde o meio da última década. Entretanto, de acordo com o mesmo estudo, há muito o que melhorar.

Neste artigo, vamos explorar um pouco mais sobre esses números, projetando um possível futuro para a relação da área de tecnologia com a diversidade em seus postos de trabalho.

Quer aprender mais? Então continue a leitura!

O que dizem os dados sobre a presença de mulheres na TI?

De acordo com dados do YouthPark, um programa da Microsoft, apenas 25% dos funcionários de TI no Brasil são mulheres. Além disso, só 18% dos graduados em Ciência da Computação são mulheres.

No entanto, o estudo da McKinsey já mostra que a mudança está acontecendo — ela só precisa ser encarada como prioridade pelas empresas.

Afinal, não se trata apenas da inserção de mulheres em cargos gerenciais das empresas. Falamos de representação em todos os níveis produtivos.

De acordo com a pesquisa da McKinsey, o verdadeiro problema não é em promover mulheres de cargos gerenciais para posições de liderança sênior. O principal obstáculo é, justamente, na etapa anterior: a promoção para gerente.

De cada 100 homens contratados e promovidos à gerência, apenas 72 mulheres têm a oportunidade de seguir o mesmo caminho. É esse afunilamento que limita a constante renovação das posições gerenciais e C-Level no diz respeito às mulheres.

Como há menos delas para contratar para essas posições, mais homens acabam ocupando esses espaços. O movimento cria um efeito dominó prejudicial ao fluxo de talentos das empresas, limitando o espaço de desenvolvimento das mulheres na TI.

Como resolver esse impasse?

A cultura organizacional é chave. Não falamos necessariamente de favorecer uns em detrimentos de outros, mas criar um ambiente de crescimento e oportunidades iguais.

Segundo a McKinsey, funcionários costumam se preocupar muito com o nível de oportunidade e justiça no ambiente de trabalho. Porém, essa preocupação não se detém no nível individual. Eles buscam cenários que favoreçam ao crescimento e promoção de todos.

Mas, afinal, por que a diversidade é tão importante?

De acordo com o estudo, uma força de trabalho diversificada tende a tornar a cultura de trabalho mais inclusiva. Dessa forma, com todos os grupos representados, a tendência é que os funcionários sintam-se mais felizes.

Assim, a produtividade e eficiência aumentam, elevando o padrão de qualidade em suas entregas.

5 passos para promover a inserção de mulheres na TI

Ainda está confuso sobre como promover as condições para essa mudança em sua empresa de tecnologia? Nós indicamos alguns passos essenciais. Confira!

1.     Estabeleça uma meta para que mais mulheres ocupem posições gerenciais de primeiro nível

A dica é simples, mas pode ter um efeito enorme na sua empresa. Ao tornar essa meta pública, sua empresa garante o comprometimento do maior número de pessoas possível.

Assim, todo quadro de funcionários entenderá que o desenvolvimento do negócio virá através de uma cultura mais diversa, especialmente nas posições C-Level.

2.     Exija que mais mulheres estejam nas listas de contratação ou promoção

Para ocupar posições de destaque na empresa, é comum que o board da companhia analise uma série de nomes. A proposta aqui é exigir que sempre haja mais de uma candidata mulher na lista.

Assim, as chances de uma delas ser escolhida aumentarão bastante.

3.     Forneça aos avaliadores um treinamento para evitar o viés inconsciente nas contratações

Enquanto o preconceito é encarado de forma consciente, o viés é visto como uma ferramenta inconsciente, capaz de manipular decisões. E isso pode afetar em julgamentos de funcionários que envolvam questões de gênero e cor.

Portanto, é importante investir nesse tipo de solução e tornar toda avaliação mais igualitária e transparente.

4.     Estabeleça critérios de avaliação objetivos

Os critérios definidos devem levar em conta mérito e conquistas pessoais, excluindo questões que possam envolver gênero ou qualquer outro ponto de identificação pessoal.

Os mesmos critérios devem ser usados para avaliar funcionários no mesmo nível, sem que o viés inconsciente ou o preconceito dite as decisões.

5.     Coloque mais mulheres na fila de escolha para assumir posições gerenciais

Ao aumentar o número de mulheres nas filas para as promoções, você estimula um ambiente de igualdade. Com isso, o fator competitivo é reforçado e você conta com um time propenso a entregar melhores resultados.

Além disso, uma cultura organizacional diversificada e igualitária aumenta os níveis de satisfação dos funcionários. Assim, eles se esforçam para permanecer na empresa e melhorá-la cada vez mais.

A Conquest One incentiva o protagonismo das mulheres na TI

A Conquest One acredita que o tema é essencial. Não apenas pela necessidade de proporcionar um ambiente diversificado, mas por entender que a igualdade de oportunidades potencializa a produtividade e aumenta os níveis de satisfação de toda equipe.

Assim, temos a certeza de estar contribuindo para um mundo mais igualitário e entregando soluções da mais alta qualidade, cujo processo de desenvolvimento contou com a ajuda de todos e todas. Deseja saber mais a respeito do assunto e como a Conquest One pode te ajudar? Entre em contato agora com um de nossos consultores.

Como ser um profissional de TI preparado para as fintechs

Dados, machine learning e tecnologias mobile são algumas das competências que mais identificam um profissional de TI preparado para as fintechs.

Extremamente tecnológico e profundamente analítico, o setor atrai cada vez mais atenções: seja dos investidores, seja dos profissionais e do mercado como um todo. Então, como aproveitar essa expansão e garantir um lugar nos novos modelos de empresas do mercado financeiro?

Antes de compreender quais as características e competências necessárias para ser um profissional de TI preparado para o futuro, que já é realidade, é importante entender esse mercado. 

Afinal, as fintechs são um subnicho dentro da área de startups — empresas que oferecem soluções financeiras totalmente digitais e têm como objetivo o crescimento exponencial.

Continue a leitura para aprender mais!

O que são Fintechs?

São startups financeiras e o seu nome vem da junção dos termos em inglês financial + technology. O objetivo dessas empresas é oferecer soluções digitais completas para instituições financeiras (em formato SaaS – do inglês Software as a service) ou mesmo criar e gerenciar suas próprias plataformas, como é o caso do Nubank, por exemplo.

No Brasil, pode-se afirmar que as fintechs são uma grande tendência — e o país já desponta como referência no setor para o mundo.

O Nubank, por exemplo, foi uma das primeiras “startups unicórnios” brasileiras: que atingiram valor de mercado de US$ 1 bilhão. Vale lembrar que empresa foi fundada apenas em 2013.

No LinkedIn Top Startups 2019, um levantamento da rede social de profissionais que revela as startups de maior destaque para se buscar um emprego, figuram pelo menos 10 fintechs.

Portanto, é de se entender a crescente busca por qualificação para ser um profissional de TI preparado para as fintechs. Aqui, falamos de uma realidade diferente: o ambiente é submerso em tecnologia e inovação, com a gestão horizontal de muitas startups e o alto nível de cobrança (e remuneração).

Quer entender mais sobre como o profissional de TI trabalha dentro de uma fintech? Então é só continuar a leitura!

turnover

Qual é o papel da TI nas Fintechs?

Quando falamos do mercado financeiro, qual a primeira característica que vem à mente? Agilidade. Tudo se move à velocidade de um e-mail, uma mensagem, um SMS. No caso das fintechs, esse é o core do negócio. Criar soluções em tempo recorde, que em si proporcionem mais agilidade, praticidade e transparência ao usuário ou à empresa.

Tudo com muita segurança e estabilidade. Afinal, as fintechs desenvolvem soluções que interferem diretamente no trato das pessoas com seu dinheiro.

Portanto, além da alta tecnologia e um design apurado e inovador, é preciso ter um alto nível de atenção a proteção de dados.

Sendo assim, ao profissional de TI, cabe instrumentalizar todo esse potencial. É esse o setor que move, que cria e atualiza, que possibilita o atendimento e a comunicação dentro de uma fintech.

Do Big Data à IA, passando pelo Machine Learning até a Engenharia de Softwares, cabe ao setor e à equipe de TI executar tudo. Recai na TI a responsabilidade de criar e administrar toda infraestrutura tecnológica da fintech.

Para facilitar, pense em uma empresa desenvolvedora de um ERP. A área de TI é o coração dela, certo? O mesmo ocorre com uma fintech, só que ela tem um pé no mercado financeiro, o que aumenta os riscos — mas também potencializa os ganhos.

Profissional de TI preparado para as Fintechs: como ser?

O foco de uma fintech está em facilitar a vida das pessoas em relação ao seu dinheiro ou em oferecer um produto que se aplique à uma instituição financeira com o mesmo fim.

Portanto, o profissional de TI preparado para as Fintechs deve dominar esse tipo de conhecimento e estar preparado para entrar em um ecossistema de inovação. Claro, há incontáveis vagas esperando para serem preenchidas dentro da TI de uma fintech, não apenas uma ou outra específica.

Porém, nesse mercado, ser um especialista em temas atuais do setor é um enorme plus.

Como mencionamos, a área de dados é de essencial importância dentro de um ecossistema financeiro, especialmente com a propagação dos aplicativos de gestão financeira. Muito além da proteção de dados, porém, falamos do entendimento acerca de seu uso: como utilizar a quantidade massiva (e sensível) de informações obtidas para criar ofertas mais sedutoras e assertivas aos clientes?

Esse é uma das principais carreiras em ascensão dentro das fintechs.

Além disso, destacam-se os conhecimentos em engenharia de software e design (UX, em especial), já que são estandartes de muitas das fintechs por aí: oferecer soluções simples, eficazes e de fácil entendimento.

Um último ponto a se destacar é: além do domínio prático das questões relacionadas à TI, o conhecimento de mercado financeiro pode ser decisivo. Entender a forma com que transações são feitas, temas inovadores como blockchain e criptomoedas e bolsas de valores pode ser decisivo. Tudo conta para seu currículo.

Ao profissional de TI preparado para as fintechs, cabe estudar, se qualificar e estar atento ao mundo de inovações que ronda a área. Seja bancos, sejam casas de investimento ou crédito, as fintechs trabalham para oferecer soluções que, antes de tudo, resolvam os problemas de seus clientes.

E, como sabemos, no mercado financeiro, nenhum problema é tão simples. Portanto, apenas os mais qualificados conseguem garantir o seu lugar.

E aí, que tal embarcar nessa? Sente-se preparado? Então venha conferir as vagas abertas na Conquest One e faça sua inscrição!

CONQUEST ONE USA GENEXUS PARA AUTOMATIZAR PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO COM INTELIGÊNCIA

Conquest One usa GeneXus para automatizar processo de recrutamento e seleção com inteligência

Especialista de staffing em TI se torna pioneira em talent management no Brasil a partir da sustentação de seus processos em software desenvolvido com Genexus.

A Conquest One, especialista de staffing em Tecnologia da Informação, desenvolveu um sistema de gestão empresarial pioneiro no segmento de Recursos Humanos, cujos controles contemplam tanto os tradicionais processos internos de uma empresa, como também a gestão e o relacionamento dos profissionais selecionados para atender aos seus clientes. A ferramenta foi desenvolvida utilizando a plataforma low-code da GeneXus, fornecida pelo Socium Partner Group, distribuidor regional da GeneXus Brasil.

Inicialmente, a Conquest One automatizou apenas seus processos financeiros, mas, devido à simplicidade de programação com a ferramenta GeneXus, a empresa passou a evoluir o sistema para um mix de ERP (Enterprise Resource Planning) e ERM (Employee Relationship Management). “A evolução com o GeneXus permitiu à Conquest One suportar em uma única ferramenta todas as suas necessidades, o que deixa de exigir o uso de ouros controles paralelos”, explica Gerardo Wisosky, CEO do Socium Partner Group.

Talent Acquisition

Por meio de criteriosas buscas de profissionais em nosso sistema, que conta com recursos de Big Data e Geolocalização, conseguimos fornecer profissionais mais adequados às oportunidades que surgem no mercado 

Todo o backoffice, bem como a gestão de staffing, que inclui a prospecção de clientes, vagas, recrutamento e seleção, acompanhamento dos processos de seleção junto aos clientes, acompanhamento das entregas dos projetos, faturamento dos projetos (billing), controle de atividades remotas, entre outras atividades, são controlados pelo ERP.

IT Staffing

De acordo com Antônio Loureiro, CEO da Conquest One, a gestão de staffing fora do Brasil é uma atividade comum, mas no Brasil a Conquest One é pioneira neste modelo, e atingir esse patamar só foi possível porque a empresa está suportada por uma ferramenta completa que garante toda a sua gestão e evolução. “Do ponto de vista dos benefícios para o mercado, a ferramenta proporciona a melhora da qualidade da nossa oferta, que é fornecer profissionais de TI especialistas. Por meio de criteriosas buscas de profissionais em nosso sistema, que conta com recursos de Big Data e Geolocalização, conseguimos fornecer profissionais mais adequados às oportunidades que surgem no mercado ”, explica Loureiro.

Além de ampliar os benefícios ao mercado, o sistema também melhorou a performance da Conquest One. Cerca de 100 vagas, por exemplo, são gerenciadas com apenas quatro colaboradores, que inserem no sistema os requisitos das posições, incluindo tecnologias especialistas e distância do candidato até a empresa ou projeto, e o sistema traz os profissionais mais aderentes. “Em 24 horas, entregamos um currículo especialista, o que numa situação sem um sistema igual ao nosso, ocorre em cinco dias. É como comparar o Google com uma Barsa”, descreve Loureiro.

Big Data

Hoje, a base de profissionais da Conquest One mantém 130 mil candidatos. Desse montante, 300 profissionais são recursos ativos em projetos e empresas de Tecnologia da Informação, e recebem acompanhamento da talent management via aplicativo móvel, no qual são analisados aspectos como performance, nível de satisfação do profissional, potencial de desenvolvimento versus conhecimento, competências comportamentais e tempo de contrato, entre outros aspectos.

De acordo com o country manager da GeneXus Brasil, Ricardo Recchi, a Conquest One está atenta aos movimentos de novas tecnologias e com as funcionalidades que amparam a nova economia digital, como o mobile. “Sabendo da importância da tecnologia para suportar e evoluir o negócio, a próxima etapa de triagem no recrutamento realizado pela Conquest One será 100% automática a partir da Inteligência Artificial e da Realidade Aumentada, e o GeneXus apoiará a evolução da companhia nesta jornada de Transformação Digital”, finaliza Recchi.

A GeneXus

GeneXus é uma plataforma de desenvolvimento software multiplataforma  há mais de 25 anos, que permite adotar novas tecnologias rapidamente. A plataforma usada por mais de nove mil empresas e 140 mil desenvolvedores para criar software empresarial baseado em dados executados em servidores, computadores desktop e na web, bem como em dispositivos móveis. Sua metodologia ágil e acelerada permite automatizar os processos que consomem mais tempo e recursos no desenvolvimento, manutenção, integração e modernização de aplicativos de negócios e sistemas de software.

Fundada em 1988, a GeneXus está sediada em Montevidéu (Uruguai) e possui escritórios no Brasil, Estados Unidos, Japão e México. Também está presente em 45 países da África, Ásia, Europa, Oceania e Américas.

Artigo: https://inforchannel.com.br/2019/07/18/conquest-one-usa-genexus-para-automatizar-processo-de-recrutamento-e-selecao-com-inteligencia/

Brasil é um dos líderes mundiais em fuga de talentos digitais

Brasil é um dos líderes mundiais em fuga de talentos digitais

EUA, Canadá, Portugal, Alemanha e Austrália são os destinos preferidos dos brasileiros da área digital

O Brasil é um dos países mais propensos à fuga de talentos locais na área digital, segundo um novo estudo publicado pelo Boston Consulting Group (BCG). Conforme o levantamento, realizado em parceria com a The Network em 180 países, os profissionais brasileiros que atuam no segmento estão entre os que mais desejam construir uma carreira no exterior.

De acordo com o relatório em questão, intitulado Decoding Digital Talent, nada menos que 87% dos experts digitais desejam sair do país, uma porcentagem bem superior à média global, que é de 67%.

 

Principais destinos

Os Estados Unidos, citados por 63%, aparecem como destino de preferência do brasileiro, seguidos de Canadá (51%), Portugal (37%), Alemanha (34%) e Austrália (37%).

Profissionais digitais são mais propensos a sair
Levando em conta todos os segmentos profissionais, na área digital a tendência à imigração é maior, segundo o levantamento.

Enquanto 55% dos não especialistas afirmaram estar dispostos a se mudar para uma oportunidade de carreira no exterior, no segmento digital esse índice chega a 67%.

E o interesse varia muito de país para país. Em lugares como o Brasil e a Índia, a disposição para tal mudança é de mais de três quartos, enquanto na China, por exemplo, menos de um em cada quatro entrevistados consideraria tal movimento.

Os Estados Unidos são o principal destino para especialistas digitais em todo o mundo. A lista dos cinco países mais atraentes inclui também Alemanha, Canadá, Austrália e Reino Unido, em ordem decrescente. Londres foi a cidade mais citada no âmbito global, seguida de Nova York, Berlim (ALE), Amsterdã (HOL) e Barcelona (ESP).

 

Brasil atrai pouco

Enquanto os experts digitais brasileiros pensam em partir para o exterior, são poucos os estrangeiros que se atraem pelo mercado local. O Brasil ocupa a 23ª posição no ranking geral de atratividade. Os estrangeiros que mais têm vontade de trabalhar no mercado digital brasileiro são de Angola (35%), Peru (34%), Argentina (29%), Costa Rica (22%) e Nicarágua (17%).

 

Metodologia

Para a realização do estudo, foram entrevistadas 27 mil pessoas com os seguintes perfis: conhecimento especializado (expert-level) em programação e desenvolvimento web, desenvolvimento de aplicativos, inteligência artificial, robótica, entre outras habilidades digitais.

Os dados foram recortados do relatório Decoding Global Talent 2018, que, na ocasião, entrevistou 366 mil pessoas de 197 países para identificar as principais tendências entre os profissionais de diversos setores em âmbito global.

 

Fonte: https://computerworld.com.br/2019/06/24/brasil-e-um-dos-lideres-mundiais-em-fuga-de-talentos-digitais-segundo-bcg/

Para contratar revolucionários digitais, é preciso cultura de colaboração

Cultura colaborativa

Ambiente de trabalho digital acaba com todos os silos que limitam a comunicação e é isso que a sua empresa precisa

O ambiente de trabalho da sua empresa atrai “Revolucionários digitais” ou é o local ideal para “Atrasados digitais”? Se a sua empresa se enquadra no segundo caso, é hora de começar a repensar como a falta de investimento na digitalização do ambiente de trabalho vai afetar o futuro dos negócios – pesquisas indicam que uma boa experiência no trabalho traz até 30% de vantagem competitiva para a empresa.

De acordo com levantamento da  Microsoft, funcionários estão entusiasmados com novas tecnologias e desejam que as empresas ofereçam mais ferramentas digitais. As empresas que as adotam, além de conseguirem mais eficiência, geram outros benefícios além do engajamento, tais como maior interações com clientes e agilidade e transparência.

Além disso, um ambiente de trabalho onde a colaboração e a comunicação unificada fazem parte do dia a dia permite que os funcionários revolucionários tenham maior capacidade para incorporar novas habilidades profissionais, uma característica fundamental para a eficiência de equipes multidisciplinares.

 

A cultura do “nós” toma o lugar da cultura do “eu”

Uma cultura de colaboração, facilitada pela implantação de soluções e ferramentas de comunicação unificada, conecta pessoas e recursos de informação em um só lugar, atendendo as necessidades de cada funcionário, com flexibilidade e mobilidade.

A maior parte dos Revolucionários (70%) cita que tecnologias digitais, como as de comunicação unificada, melhoram a colaboração, atendendo à necessidade de compartilhar ideias, trabalhar ao mesmo tempo em diversos projetos e tomar decisões com a ajuda de outros funcionários. O importante é que a tecnologia seja capaz de reunir pessoas, conversas, conteúdo e ferramentas que as equipes precisam para colaborar, personalizando as experiências.

 

Fonte: https://cio.com.br/para-contratar-revolucionarios-digitais-e-preciso-cultura-de-colaboracao/

Veja quais são as cidades mais geeks do Brasil

Dia do Orgulho Geek

São Caetano do Sul, no interior paulista, liderou o ranking, enquanto a capital São Paulo, maior cidade do país, encerrou o top 10

Para celebrar o dia do Orgulho Geek, marcado para 25 de maio, a Amazon divulgou a primeira lista de 2019 das 10 cidades mais geeks do Brasil. O ranking foi determinado pelo total de vendas de diversos produtos geeks por município durante um ano, a partir de abril de 2018, incluindo livros, eBooks, quadrinhos e comic books, brinquedos, jogos e videogames, além de itens de decoração e para a casa associados à cultura geek. A comparação considerou as cidades com mais de 100 mil habitantes, considerando a base per capita.

São Caetano do Sul (SP) liderou o ranking, tornando-se a cidade mais geek do Brasil pelo segundo ano consecutivo, de acordo com os dados da Amazon, seguida por Florianópolis (SC). Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR) subiram posições em relação à lista divulgada ano passado pela empresa. Barueri (SP) aparece pela primeira vez. Surpreendentemente, a maior cidade do país, com 12,18 milhões de habitantes, de acordo com dados atualizados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a capital São Paulo aparece em último lugar.

Confira a lista completa com as 10 cidades mais geeks.

1. São Caetano do Sul
2. Florianópolis
3. Niterói
4. Santos
5. Barueri
6. Porto Alegre
7. Brasília
8. Curitiba
9. Balneário Camboriú
10. São Paulo

A Amazon também divulgou algumas curiosidades sobre os interesses de consumo dos moradores de cada munícipio. Vila Velha (ES) é a cidade para onde a empresa mais vendeu Cards de Pokémon. Já Bagé (ES) é repleta de fãs da série Game of Thrones, porque foi para lá que a gigante de varejo online mais enviou canecas da produção, seguida por Presidente Prudente (SP).

Os heróis mais poderosos da Terra, os Vingadores do Universo Marvel, fazem parte da vida dos moradores de Itu (SP), porque a cidade tem o maior número de aquisições de itens de decoração dos personagens, no cálculo de unidades vendidas por habitante.

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/veja-quais-sao-as-cidades-mais-geeks-do-brasil/85980