Como fazer a seleção de profissionais capacitados para a Transformação Digital

Transformação Digital

Atualmente, muitas empresas estão passando por um período no qual são utilizadas diversas ferramentas digitais para aumentar os resultados. Trata-se da Transformação Digital, uma modificação na própria estrutura e no mindset das companhias que dá papel de destaque para a tecnologia.

A Transformação Digital integra a tecnologia em todas as áreas de um negócio e modifica o modo como as empresas agregam valor a seus clientes. Além disso, ela está relacionada, principalmente, às pessoas e a maneira como elas utilizam as ferramentas digitais para provocar uma mudança estrutural nas organizações.

Apesar de todos os benefícios que a Transformação Digital pode trazer, algumas instituições ainda enfrentam problemas nesse quesito, pois muitas situações que norteavam os negócios não são mais efetivas nos dias de hoje.

Saber como a Transformação Digital está impactando a área de TI e fazer a escolha do profissional certo pode ser a saída para enfrentar esses percalços. Pensando nesses casos, nós preparamos esse artigo que será de grande valia para você. Confira!

A TI aliada à Transformação Digital

A era digital já está modificando a lógica empresarial como um todo. Consequentemente, o setor de TI também passa a ter grandes responsabilidades, já que é fundamental estrategicamente para que as empresas se mantenham competitivas no mercado.

Ou seja, caso a sua equipe não esteja alinhada com a Transformação Digital, será necessário realizar uma reestrutura da área de TI, incluindo tanto os métodos de trabalho como a seleção de profissionais com as características e perfis corretos.

As habilidades fundamentais dos profissionais preparados para o futuro

O World Economic Forum (WEF) divulgou um estudo em 2016 a respeito do futuro das profissões e o perfil ideal de profissional até 2020, sobretudo em relação à quarta revolução Industrial, que por sua vez está atrelada à Transformação Digital.

Nele são mostrados quais serão os impactos socioeconômicos que afetarão os negócios, bem como as habilidades dos profissionais nesse contexto:

  • Resolução de problemas complexos.
  • Pensamento crítico;
  • Criatividade;
  • Gestão de pessoas;
  • Visão global;
  • Inteligência emocional;
  • Capacidade de tomada de decisão;
  • Cooperação;
  • Negociação;
  • Flexibilidade cognitiva.

Os profissionais de TI que farão a Transformação Digital na sua empresa

De acordo com a Gartner, o investimento em tecnologia deve somar cerca de 3,8 US$ trilhões em 2019, mostrando como a TI tem papel de destaque na Transformação Digital das empresas.

Enquanto as habilidades necessárias dos profissionais devem ser levadas em conta na hora de montar uma equipe coesa, algumas funções de colaboradores precisam ter uma atenção maior, pois são extremamente importantes.

Entre essas funções, destacam-se algumas que estão sendo mais procuradas pelas companhias nos últimos tempos:

Engenharia de dados

Esse profissional tem um perfil que agrega amplo conhecimento em linguagens de programação, estatística, inglês e matemática. Além de ter visão de negócio, é especialista em análises de informações, uma característica essencial para que as empresas resolvam seus problemas através de conhecimentos analíticos.

Arquitetura de soluções

O arquiteto de soluções é aquele que consegue alinhar o objetivo do negócio da empresa com as decisões sobre aplicativos e a infraestrutura. Para conseguir isso, porém, deve conhecer muito a respeito de hardware e software, bem como sobre a cloud para realizar a comunicação ou integração com clientes e parceiros.

Segurança da informação

Profissionais que executam essa função precisam se atualizar constantemente para prevenir novas ameaças virtuais. São os responsáveis por manter os dados sigilosos das empresas a salvo.

Análise de testes

Colaboradores que executam essa função precisam conhecer a fundo os processos de automação de testes. Além disso, como testam a qualidade de aplicações, precisam ser críticos para encontrar os acertos dessas ferramentas e possíveis inconsistências.

 Análise de Business Intelligence (BI)

Provavelmente um dos profissionais mais requisitados quando falamos a respeito de Transformação Digital.  Como as empresas precisam estar atentas ao mercado, esse profissional tem papel cada vez mais estratégico.

O profissional deve ser flexível, pois necessita trabalhar conjuntamente com a área técnica e de negócios, sendo responsável pelo gerenciamento de um grande volume de dados que ditam as tendências do mercado.

Além de ter um ótimo raciocínio logico e conhecimento em linguagens de programação, precisa ter visão de processos empresariais para auxiliar o negócio em momentos críticos.

Ajuda na hora de encontrar o profissional certo

Podemos concluir que para auxiliar as empresas daqui para frente, tanto os profissionais de TI quanto os de outras áreas precisarão estar atualizados para acompanhar toda essa evolução nos negócios.

Em relação às companhias, elas também devem se adaptar e buscar colaboradores com o perfil ideal, que estejam prontos para a Transformação Digital.

As empresas que já fazem parte dessa transformação e contam com as ferramentas digitais que viabilizam esse processo são mais eficientes na hora de encontrar o profissional correto, ganhando em eficiência, simplificação de processos e principalmente na redução de custos.

Dependendo do tamanho da empresa, é possível encontrar essas pessoas dentro da própria organização. Outra alternativa é contar com o auxílio de novos recursos, como o caso do Staffing de TI.

Caso você não conheça, o serviço de Staffing de TI consiste em encontrar, entrevistar, contratar e treinar profissionais através de uma empresa especializada para que sejam realizados projetos durante um determinado período.

Mais do que um simples recurso para adquirir e reter força de trabalho qualificado, o Staffing de TI é uma maneira que revoluciona esses métodos, garantindo a quem o utiliza mais simplicidade e eficiência nos processos.

Entre em contato conosco para saber como o Staffing de TI também vai auxiliar a sua empresa a entrar de vez na era da Transformação Digital.

10 ferramentas de BI para visualização de dados

10 ferramentas de BI para visualização de dados

A análise visual é o núcleo da inteligência de negócios. Aqui estão as ferramentas que você precisa ver através dos dados

Há um norte dourado no mar de dados em que as empresas estão nadando. Ser capaz de pescar a inteligência de negócios de que você precisa – quando precisa – é a chave para dirigir seu navio.

Nesta apresentação de slides, discutiremos 10 ferramentas de BI que apresentam visualização e análise de dados.

Algumas dessas ferramentas começaram como ferramentas de relatórios corporativos e se expandiram para BI self service. Outros começaram como ferramentas de visualização de dados de autoatendimento e podem ou não ter adicionado relatórios avançados. Algumas ferramentas podem ler grandes conjuntos de dados no local, a partir de um data lake ou do Hadoop; outros devem importar todos os dados. As implementações podem ser apenas em nuvem ou permitir a instalação no local.

1 – Birst
Birst se apresenta como um Enterprise BI com uma rápida descoberta de dados. A arquitetura Birst conecta toda a organização por meio de uma rede de instâncias de BI virtualizadas interligadas, além de uma estrutura analítica comum compartilhada.

O Birst tem uma arquitetura multi-tenant. Ele pode ser implantado na nuvem pública, na AWS ou on-premise como um appliance virtual.

De acordo com a Gartner, três quartos dos clientes de referência da Birst disseram que era o único padrão corporativo para análise e BI, e  98% dos clientes de referência da Birst esperam continuar usando o produto. Ambas são expressões impressionantes de validação dos usuários.

Por outro lado, o Gartner relata que uma grande parte dos clientes de referência da Birst está usando o produto principalmente para painéis e relatórios com parâmetros, com apenas pequenas partes usando o produto para tarefas analíticas mais sofisticadas. O produto suporta modelos de dados complexos.

2 – Domo
O Domo combina uma grande variedade de conectores de dados, um sistema ETL, um armazenamento de dados unificado, uma seleção de visualizações, mídias sociais integradas e relatórios em uma ferramenta de BI online. Destina-se diretamente a executivos seniores e usuários de linha de negócios que precisam de um painel intuitivo voltado para os negócios.

O Domo afirma ser mais do que uma ferramenta de BI porque sua ferramenta de mídia social pode levar a “insights úteis”. Mas, na prática, todas as ferramentas de BI levam a ações que beneficiam o negócio ou acabam sendo jogadas no lixo.

O Domo é, no entanto, um sistema de BI muito bom e capaz. Destaca-se dos outros oferecendo suporte para muitas fontes de dados  muitos tipos de gráficos. O recurso integrado de mídia social é  bom, apesar do hype. No entanto, o Domo é mais difícil de aprender e usar do que o Tableau, o Qlik Sense e o Power BI, e por US$ 2 mil por usuário por ano é muitas vezes mais caro que outras ferramentas.

3 – Microsoft Power BI
O Microsoft Power BI é um conjunto de ferramentas de análise de negócios executadas principalmente no Azure e que se conectam a centenas de fontes de dados, simplificam a preparação de dados e conduzem análises ad-hoc. É também uma das soluções de BI de mais baixo custo do mercado, com um preço de US$ 9,99 por usuário/mês, para o Power BI Pro, uma ferramenta gratuita de análise do Windows e aplicativos gratuitos para visualizações móveis. O Power BI Premium, um servidor virtual com preço de US$ 4.995 por mês, dependendo da capacidade, não exige licenças de usuário nomeadas e inclui o Power BI Report Server, que pode ser executado no local.

O Power BI tem uma alta pontuação na facilidade de uso, mas de acordo com a Gartner, as pontuações de seus clientes de referência o colocam no quartil inferior para a amplitude de uso. A maioria dos clientes de referência da Microsoft (59%) usa principalmente relatórios e painéis parametrizados do Power BI, em vez de usá-lo para tarefas mais complexas. A proporção média de usuários comerciais que criam seu próprio conteúdo com o Microsoft Power BI é de 20%, o que é muito baixo.

4 – MicroStrategy
A MicroStrategy combina a descoberta e análise visual de dados de autoatendimento com análises e relatórios corporativos adequados para sistemas de registro em larga escala. Ele oferece uma única plataforma integrada com muitas opções de licença diferentes para funções de consumidor de dados e usuário avançado. Os clientes estão disponíveis para web, desktop e dispositivos móveis. Os servidores estão disponíveis para relatórios, inteligência, análises na memória, transações, distribuição, colaboração, serviços geoespaciais, emblemas e telemetria. Os drivers estão disponíveis para bancos de dados relacionais, OLAP e Hadoop.

A MicroStrategy fez uma longa jornada desde seu foco histórico em relatórios corporativos até agora também ser capaz de satisfazer usuários de autoatendimento e permitir implementações departamentais fáceis na AWS. Fora de sua base de clientes, no entanto, permanece quase desconhecido.

5 – Qlik Sense
O Qlik Sense oferece descoberta de dados controlada, análise ágil e BI. E usa um mecanismo associativo escalável na memória que também pode ser usado como um data mart. Ele também pode fornecer relatórios corporativos usando seu módulo opcional do servidor Qlik NPrinting.

Ao trabalhar com o Qlik Sense, você pode salvar um marcador na seleção atual na planilha atual. Então você pode combinar marcadores em histórias e adicionar texto e outras anotações para tornar a história auto-explicativa. Se você estiver usando uma história para uma apresentação ao vivo, pode pesquisar a origem de qualquer visualização para responder – e ilustrar – as perguntas que surgem. Depois de ter respondido à pergunta, você pode facilmente retornar à história.

Diferentes cores para os valores exibidos (selecionado, selecionável, não selecionável) ajudam a identificar dados relacionados e não relacionados. Também gosto da maneira como o Qlik define expressões, mas não tanto quanto eu gosto do Tableau. O Qlik Sense oferece um bom controle sobre a aparência das visualizações – melhor que o Microsoft Power BI, mas não tão bom quanto o Tableau. A empresa afirma que seu mecanismo associativo pode descobrir insights perdidos pelas ferramentas de BI baseadas em consulta. O Qlik DataMarket oferece acesso a dados externos com curadoria que você pode usar para aumentar e fazer referência cruzada a seus dados internos.

6 – Salesforce Einstein Analytics
O Salesforce Einstein Analytics oferece uma visão clara dos dados do Salesforce, ajudando a destacar métricas e tendências de desempenho críticas. A Einstein Analytics Platform permite que você crie visualizações, painéis e análises interativas personalizadas com a preparação de dados de autoatendimento integrado usando o Salesforce e (para obter mais dinheiro) dados que não são do Salesforce. Além disso, o Salesforce Einstein oferece aplicativos especializados para vendas, serviços, marketing B2B e descoberta assistida por IA.

7 – SAS Visual Analytics
A SAS, uma empresa mais conhecida por sua ciência de dados e produtos de análise estatística, oferece o SAS Visual Analytics, que fornece relatórios interativos, descoberta visual, análise de autoatendimento, escalabilidade e governança, usando um ambiente de memória. Inclui análise preditiva para avaliar possíveis resultados e tomar decisões baseadas em dados, o que, segundo a SAS, é bastante fácil para um analista de negócios.

O SAS Visual Analytics pode ser implantado on-premise, em datacenters SAS ou na nuvem pública. É forte na exploração visual interativa e nos painéis analíticos. Suporta tipos avançados de gráficos, bem como análises avançadas, e permite modelos R, Python, Java e Lua, bem como modelos SAS.

visualizacao

8 – Sisense
O Sisense é uma plataforma de análise e BI integrada, de ponta a ponta, construída em um banco de dados in-memory, que oferece exploração de dados visuais, painéis e recursos avançados de análise avançada. Pode ser implantado on-premise; em cloud pública, privada ou híbrida; e como um serviço gerenciado.

Um diferenciador reivindicado pela Sisense é  fazer uso pesado de memória na CPU (cache) para mover dados de 50 a 100 vezes mais rápido que na RAM. Embora a Sisense enfatize sua escalabilidade, seu tamanho médio de implantação é de 300 usuários, de acordo com o Gartner.

9 – Tableau
O Tableau é uma plataforma de análise como um serviço com forte descoberta de dados visuais. As plataformas de base são o Tableau Server (Windows ou Linux) e o Tableau Online (hospedado). Os usuários podem ser Criadores, Exploradores ou Visualizadores. Os criadores têm licenças para as versões Server ou Online, bem como para o Tableau Prep (preparação de dados) e o Tableau Desktop (Windows e macOS).

A descoberta visual no Tableau é poderosa e o Tableau definiu um padrão para sua implementação fácil de usar e controle preciso da exibição do gráfico. Você constrói uma visualização do Tableau clicando ou arrastando as dimensões (normalmente categorias ou características discretas) e medidas (valores numéricos) de interesse e escolhendo uma marca (o tipo de exibição, como barras, linhas e pontos), ou usando a seleção automática de marcas, ou usando o método “mostrar-me” para selecionar a visualização.

Para obter mais controle, você pode arrastar dimensões e medidas para características de marcas específicas ou “prateleiras”. Quando você entende o que está acontecendo em sua análise, é possível compartilhar painéis e histórias com outras pessoas. Isso é feito facilmente ao publicar no Tableau Server ou no Tableau Online, esteja você trabalhando no Tableau Desktop e precise fazer o upload, ou já fazendo sua análise online.

O Tableau também oferece dois aplicativos de área de trabalho gratuitos para Windows e macOS: Tableau Public e Tableau Reader. O Tableau Public pode abrir e criar análises que residem no seu perfil do Tableau Public. O Tableau Reader pode abrir e interagir com arquivos de visualização de dados criados no Tableau Desktop.

10 – ThoughtSpot
O Thoughtspot apresenta uma abordagem baseada em pesquisa para análise visual e a capacidade de integrar, preparar e pesquisar bilhões de linhas e terabytes de dados. O Thoughtspot afirma que pode responder em segundos a pesquisas de bilhões de linhas.

O Thoughtspot também é compatível com o SpotIQ, uma análise “orientada por IA”, que os usuários podem executar nos resultados da consulta para descobrir anomalias, linhas de tendência, clusters e outros recursos de dados usando algoritmos estatísticos e de Machine Learning. O SpotIQ gera narrativas de linguagem natural para qualquer insight que ele descubra. Se isso soa como o Google-ization do BI, isso não é um acidente: vários dos fundadores são ex-alunos do Google.

Fonte: http://cio.com.br/tecnologia/2018/07/05/10-ferramentas-de-bi-para-visualizacao-de-dados/