Trabalho Flexível: como ele traz equilíbrio pessoal e profissional ao especialista em TI

Trabalho flexível

Equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Quem é que não sonha com este estilo de vida e busca por um trabalho flexível que proporcione isto?

A geração dos Millennials é a que mais valoriza as empresas que oferecem a flexibilidade no trabalho, uma modalidade de prestação de serviços que permite que os profissionais definam o horário e o local para cumprir as suas jornadas de trabalho diárias. 

Em relatório divulgado no início de 2019, a empresa International Workplace Group (IWG) entrevistou 15 mil profissionais de 80 países, incluindo o Brasil, sobre trabalho flexível:  83% dos entrevistados consideram a flexibilidade na hora de escolher uma proposta de trabalho.  Outro dado interessante é relativo às empresas: 75% adotam esse modelo de gestão para atrair os jovens profissionais.

Para os profissionais de TI pode ser muito interessante prestar serviços e adotar o trabalho flexível como modo de gestão profissional.  Continue lendo e saiba mais sobre o assunto.

Trabalho Flexível: o que é?

O conceito de trabalho flexível pode ser muito amplo. Segundo a pesquisa IWG citada anteriormente, para 53% dos entrevistados o termo significa ter a capacidade de escolher o local onde trabalhar (pelo menos em alguns dias), para 27% é poder organizar a sua carga horária e, para 21% significa ser capaz de controlar a própria jornada.

A flexibilidade no trabalho pode ser exercida dentro ou fora da empresa.  A relação de trabalho pode ser CLT ou PJ, sendo o último muito adotado hoje em dia.

No caso de o colaborador cumprir a sua jornada na empresa, ela pode ser feita de três maneiras:

  • Fixo variável: a empresa oferece diversos turnos de trabalho e o colaborador escolhe um deles;
  • Variável: nessa opção, o colaborador decide o seu horário de entrada e saída, e deve cumpri-lo diariamente;
  • Livre:  o colaborador escolhe livremente o horário que irá trabalhar, mas precisa cumprir a carga horária determinada pela organização.

Existe, ainda, a modalidade home office, que, como o próprio nome diz, é “o escritório em casa”. O profissional, seja ele funcionário contratado ou freelancer, realiza as suas funções da própria casa.  No entanto, em alguns casos, pode ser que a jornada exija algumas horas no escritório da empresa.

Os benefícios do trabalho flexível para os profissionais de TI

Os profissionais que aderem ao trabalho flexível são beneficiados com muitas vantagens. Você sabe quais sãos?  Confira agora cinco delas. 

1.      Menor tempo de deslocamento, redução de custos com combustível e manutenção do carro

Em algumas cidades, trajetos de mais de uma hora são comuns, seja por transporte público ou carro. Trabalhar em casa, por exemplo, permite que o colaborador inicie as suas tarefas pontualmente. Além da economia de tempo, há a redução dos gastos gerais com o carro.

2.      Possibilidade de deslocar-se em horários fora do horário de pico

Sair de casa, ou voltar do trabalho, fora dos horários de pico chega a reduzir o tempo de deslocamento em até 50%.  Isso significa mais tempo para resolver assuntos pessoais e menos possibilidade de chegar atrasado na empresa.

3.      Mais flexibilidade para atender as necessidades pessoais e familiares

Se você tem um horário flexível, pode passar mais tempo com a família, levar os filhos para a escola, praticar esporte, passear e estudar. Enfim, viver melhor e relaxar muito mais.

4.      Maior controle pessoal sobre o cronograma e o ambiente de trabalho

A autonomia em definir quando e onde trabalhar é um dos principais benefícios do trabalho flexível. Isso é bom para o colaborador, que pode equilibrar o profissional com o pessoal e bom para empresa, que pode contar com um parceiro mais engajado.

5.      Menos estresse

Rotina e obrigação de cumprir horários estão entre as maiores fontes de estresse. Por outro lado, a flexibilidade permite que você trabalhe quando se sente mais produtivo e que dê pequenas pausas entre uma tarefa e outra, melhorando o desempenho no trabalho.

turnover

Como ser produtivo no Home Office

Se você ainda não tem um trabalho home office, provavelmente conhece alguém que tenha. Mesmo com a popularização desse formato, principalmente na área de TI, você precisa estar pronto para realizar o trabalho remoto.

É normal se sentir meio perdido no começo, mas para que o home office na área de TI não se torne um pesadelo listamos quatro dicas simples, mas poderosas, que vão te ajudar a tirar o máximo proveito da vida de trabalho flexível.  Veja:

Estabeleça uma rotina

No começo, trabalhar em casa é libertador e pode parecer que a melhor coisa é não ter uma rotina. Mas não se engane.  É preciso definir um horário de trabalho.

Assim, escolha aqueles que você é mais produtivo e se sinta mais confortável. Pode ser corrido ou em blocos, não importa.  O que vale é cumprir as suas tarefas diárias e estar disponível.

Use e abuse da tecnologia

Existem vários aplicativos que podem te auxiliar no gerenciamento de suas tarefas.  O Timely, por exemplo, permite o planejamento de uma semana de trabalho, além de definir os prazos e tempo gastos com cada tarefa.  Outra plataforma similar é o Toggl.  Por meio de um gráfico, o aplicativo mostra as horas gastas com cada tarefa, inclusive destacando aquelas que tomam mais tempo do profissional.

Tem ainda o Trello, que é um gerenciador de projetos gratuito. Com ele, você pode organizar suas tarefas e gerenciar atividades de grupos maiores, quando estiver trabalhando em equipe.

Defina seu espaço de trabalho

É importante separar um local específico para o trabalho, que seja bem arejado, iluminado e longe de distrações. Não se esqueça de uma cadeira ergonômica e confortável, além de um bom computador e todos os materiais necessários para desempenhar sua função. Conforto e organização são essenciais para a produtividade.

Comunique-se

A comunicação com a equipe de trabalho é tudo. No caso do home office, ela se dá por três vias: e-mail, aplicativos de mensagens instantâneas (como o WhatsApp ou Slack) e por videoconferências (Skype ou Zoom).  Planeje e agende as suas reuniões antecipadamente, com dia e horário bem definido. Ficou interessado no assunto? Saiba que a Conquest One pode ajudá-lo. Entre em contato agora.


 

Os benefícios de ser um profissional de TI inserido em um ecossistema de inovação

ecossistema de inovação

Mesmo em meio    à turbulência da crise econômica brasileira, o setor de Tecnologia da Informação é um dos segmentos que não para de evoluir. Segundo a IDC Brasil, o mercado de TI deve fechar o ano de 2019 com um crescimento de 10,5%, maior que o ano passado. O impacto também é positivo na busca por novidades e iniciativas que promovam o ecossistema de inovação, por exemplo.

Se você, profissional de TI, não quer ficar para trás, que tal aprender um pouco mais sobre o ecossistema de inovação e entrar de cabeça nesse mundo? Confira a seguir nesse artigo.

Ecossistema de inovação: o que é?

Antes de falarmos sobre os benefícios que um profissional de Tecnologia de Informação pode obter somente por estar inserido dentro de um ecossistema de inovação, é importante saber exatamente o que isso significa.

E não tem mistério! O ecossistema de inovação é um polo tecnológico criado especialmente para o desenvolvimento e criação de produtos e serviços, focados na tecnologia e diretamente ligados com a colaboração e o empreendedorismo.

Mas para que tudo isso aconteça, esses espaços colaborativos precisam ter toda a infraestrutura necessária para a pesquisa, descoberta e desenvolvimento de uma inovação.  

Vale destacar que propostas como as do ecossistema de inovação só são possíveis quando sustentadas por quatro pilares: governo, indústria, academia e os próprios profissionais.

O mais famoso desses ambientes é o Vale do Silício, na Califórnia. Reconhecido no mundo todo como um polo de alta tecnologia, o Silicon Valley é um enorme ecossistema de inovação, que já formou gigantes da tecnologia, e estimula soluções disruptivas totalmente construídas de forma colaborativa.

O conceito desse tipo de espaço já ganhou o mundo e, no Brasil, já temos  importantes centros de inovação tecnológica, como  o ITA,  em São José dos Campos (SP), a Fundação Unicamp,  em Campinas,  também em São Paulo, o  San Pedro Valley, em Belo Horizonte (MG) e a Capital  da Inovação, em Florianópolis (SC),  dentre outros.

turnover

Os benefícios do ecossistema de inovação para os profissionais de TI

Fazer parte de um ecossistema de inovação é a oportunidade que os profissionais de Tecnologia da Informação têm de interagir com as empresas, descobrir e encontrar soluções para acabar com as dores do mercado, criando serviços, produtos e projetos.

Certo. Mas quais são as reais vantagens do ecossistema de inovação para nós, profissionais de TI? Veja, abaixo, três bons motivos:

 Troca de experiências entre os profissionais

Não importa há quanto tempo você é um profissional de TI.   O mercado de tecnologia está sempre se inovando e se renovando.  As empresas sempre estão ávidas por novidades e profissionais antenados.

No ecossistema de inovação, os profissionais podem aprender uns com os outros. Errar, acertar e encontrar soluções para os problemas.  Toda essa dinâmica é uma maneira de superar os desafios e sair na frente da concorrência.

Participação em redes de indicações

As relações de trabalho mudaram e, mais do que nunca, o famoso QI (quem indica) está em alta.

A grande maioria das empresas não realizam parcerias sem terem indicação do trabalho de outras organizações.   Se você conhece de perto a metodologia, a seriedade e a autenticidade do trabalho de uma empresa ou colega, fará a indicação de olhos fechados.  E o inverso também: você será indicado sem medo.  O ecossistema de inovação é um ambiente de ganha-ganha.

Aprimoramento das habilidades profissionais

Os ecossistemas são verdadeiros polos para atrair talentos e incentivar o aprimoramento das habilidades profissionais dentro de empresas que já estão consolidadas no mercado.  

O contato permite não apenas melhorar os seus conhecimentos, mas também criar uma boa rede de networking.  Estar dentro de um desses polos de tecnologia é mais do que um privilégio. É a oportunidade de amadurecimento e reconhecimento profissional.

Como a Conquest One estimula esse ambiente

Em 2018, a Conquest One lançou no mercado a sua própria aceleradora de startups: a CQ1Lab, que surgiu em virtude das dificuldades enfrentadas pelas organizações tradicionais em se adaptar ao mercado, principalmente quando se deparam com a velocidade da criação de startups.

A ideia da CQ1Lab é proporcionar um ecossistema de inovação para desenvolver novos negócios focados em tecnologias voltados ao mercado de gestão de capital humano, conhecidas como HRTechs.

Na CQ1Lab, além de um espaço totalmente dedicado a inovação, a startup terá a mentoria de especialistas em desenvolvimento de produtos, desenvolvimento de negócios, gestão de pessoas e tecnologia, entre outras especialidades.

As startups interessadas, e que tenham soluções essencialmente focadas na área de gestão de capital humano, passam por uma avaliação criteriosa, que inclui nível de maturidade do negócio, estágio de desenvolvimento do produto / serviço e utilidade mercadológica, entre outros. 

Depois de selecionadas, as startups serão aceleradas em fases de três meses, dentro da estrutura tecnológica da CQ1Lab, na sede da própria Conquest One, em São Paulo. 

Não são apenas as startups que se beneficiam do programa de aceleração.    O time de mentores da CQ1Lab também aproveita o ecossistema de inovação criado pelas aceleradas para impulsionar a inovação em organizações já estruturadas.

Deseja conhecer mais a respeito do projeto e saber como você pode fazer parte desse ecossistema de inovação? Entre em contato conosco.

Capacitação de Profissionais em TI: quais são os benefícios

Capacitação de Profissionais em TI

A área da Tecnologia da Informação cresceu exponencialmente no século XXI. Nem mesmo na Revolução Industrial houve tanto avanço, e é por isso que a atual geração está em evidência em relação às demais, já passadas.

Neste cenário, as profissões que vêm crescendo e sobrecarregando o mercado de trabalho são as que envolvem a tecnologia. Com o aumento de habilitados na área, há a necessidade por parte das empresas de contratar os profissionais que são mais especializados e atualizados no ramo.

Essa necessidade das empresas gera maior disputa de emprego, sobressaindo no mercado de trabalho aqueles profissionais que justamente estão mais preparados.

Por isso é de suma importância que os profissionais de TI se mantenham sempre capacitados, ou seja, destacando-se nessa área. Nesse artigo, você conhecerá as principais dicas sobre o assunto. Confira.

Os benefícios da capacitação de profissionais em TI

Em primeira análise, a capacitação de profissionais em TI é vista como uma forma de se destacar entre os demais colaboradores da área. No entanto, não é apenas esse benefício que eles conquistam, mas também outras vantagens que os tornam mais evidentes no mercado. Algumas delas são:

Aumento de produtividade

O profissional de Tecnologia da Informação que investe na sua capacitação automaticamente aposta em seu nível de produtividade. Isso ocorre porque quanto mais especializado ele for, maior a competência para desenvolver mais projetos de maneira mais fluida.

Desse modo, além de ser um recurso para auxiliar o habilitado a aumentar a sua produtividade, a capacitação permite que ele se destaque no quadro de funcionários da empresa que presta serviços.

turnover

Maior nível de empregabilidade

Em vista da quantidade de funcionários habilitados na área da tecnologia, ter um acréscimo no conhecimento é a melhor maneira do profissional se sobressair.

Numa entrevista de emprego, por exemplo, o recrutador escolherá, sem sombra de dúvidas, o funcionário com maior capacitação e que demonstre interesse em sempre se atualizar, independente do nível que se encontre, de júnior à sênior.

Possibilidade de integrar projetos maiores

A capacitação de profissionais em TI é uma forma de abrir portas: aqueles que decidem investir em seus estudos e se atualizarem na área, consequentemente têm mais chances de atingirem as suas ambições profissionais e até mesmo subir na carreira dentro da empresa.

Quanto mais especialização no trabalho, maiores serão os projetos ofertados. Ou seja, a dedicação ao conhecimento é uma maneira de ascender profissionalmente e mostrar competência para todos.

Mais chances de receber melhores salários

Quanto mais os profissionais de TI se capacitarem na sua área de atuação, aumenta também a tendência de receberem melhores salários. Isso se deve à valorização do trabalho e formação dos profissionais, tendo em vista o respeito e reconhecimento pela dedicação que eles tiverem ao se especializarem tema.

Ou seja, estudar mais e aprofundar-se em temáticas de sua área de trabalho são formas de investir na carreira e garantir notoriedade entre os demais profissionais que estão nesse ramo tecnológico.

Resolução de problemas em menos tempo

Um quesito importantíssimo para quem trabalha na área de Tecnologia da Informação é a relação entre tempo versus problema. O tipo de serviço demanda do profissional que o planejamento e a solução estejam dentro dos prazos estipulados.

Se o funcionário responsável por essa área tiver mais conhecimento acerca dos possíveis infortúnios que acontecem nesse ramo, automaticamente seu período para resolução dos problemas diminui – e, em seguida, dá-se espaço para a realização de novos afazeres.

Atualização em novas tecnologias

Por último, mas não menos importante a respeito da capacitação dos profissionais de TI, é a atualização em novas tecnologias. Quem se dedica a essa área necessita, sem sombra de dúvidas, manter-se atualizado quanto às novidades do ramo.

Quanto mais atual esteja o conhecimento do profissional, mais adequado estará o entendimento de uso em relação às novas formas de ferramentas, trazendo ainda mais benefícios para si e para a empresa que presta serviços, por exemplo. Ou seja, esse é um investimento para a vida, que nunca pode ser deixado de lado.

Capacitação para os profissionais de TI: como fazer?

Portanto, chega-se à conclusão de que a capacitação dos profissionais em TI é de suma importância para esse ramo de trabalho. Esta prática possui vários benefícios, que vão do aumento de produtividade até à resolução de problemas em menos tempo, como dissemos anteriormente.

A melhor forma de iniciar a especialização é investindo em cursos qualificadores, sejam de extensão educacional ou em pós-graduações no nicho de serviço. Para isso existem universidades presenciais e até à distância, tudo adaptado para que o profissional obtenha mais aprendizado.

A Conquest One é especialista em Staffing de TI e oferece aos seus profissionais algumas maneiras de se especializarem constantemente.
Gostou do nosso artigo? Quer saber mais sobre a capacitação dos profissionais de TI e outros assuntos relacionados ao mundo da tecnologia? Continue em nosso site, agende uma reunião e saiba tudo sobre a temática! Até mais.

A importância da retenção de talentos em TI na sua empresa

Retenção de Talentos em TI

Você sabe qual é a importância da retenção de talentos em TI no seu negócio? Não há dúvidas de que a área de Tecnologia da Informação ganhou uma importância estratégica nas organizações. Nesse sentido é fundamental pensar nas formas de manter os principais talentos desse segmento na sua organização. Inicialmente, essa tarefa pode parecer árdua por diversos motivos, no entanto, ela fará total diferença para o sucesso da sua organização.

Está interessado em saber mais sobre esse assunto? Neste post explicaremos detalhadamente de que forma a retenção de talentos em TI pode ajudar as finanças do seu negócio, quais os benefícios de manter os funcionários dessa área de atuação e forneceremos dicas que ajudarão o seu negócio a manter os funcionários da área de Tecnologia da Informação. Acompanhe a seguir.

Como a retenção de talentos em TI pode ajudar nas finanças da sua empresa?

Em uma análise inicial, a retenção de colaboradores no departamento de Tecnologia da Informação e as finanças empresariais podem parecer distantes e com pouca relação entre si. No entanto, em uma reflexão mais profunda observamos que esses temas estão intrinsecamente relacionados.

Primeiramente, não é novidade para ninguém que para contratar um novo profissional, a empresa tem uma série de gastos. Entre eles estão as etapas de recrutamento e seleção, onboarding, treinamentos e recursos a serem disponibilizados na capacitação desse novo profissional.

Muitas vezes, todas essas despesas citadas são superiores em relação àquelas investidas na manutenção de talentos. Por isso que a retenção de talentos é tão importante para as finanças das empresas. Ela também traz outros benefícios que mostraremos a seguir.

Quais são os principais benefícios da retenção de talentos em TI? 

A retenção de profissionais do setor de Tecnologia da Informação proporciona vários benefícios para as empresas. Entre eles estão a otimização da produtividade, a diminuição dos encargos trabalhistas, melhora no clima de trabalho e a atração de novos talentos. Abordaremos sobre essas questões detalhadamente na sequência do artigo. Continue lendo!

turnover

Redução de encargos trabalhistas

O excesso de turnover, ou seja, de rotatividade dos profissionais gera muitos gastos com encargos trabalhistas, como multas, pagamento de férias proporcionais ao tempo de trabalho, entre outras verbas rescisórias.

Além desses problemas, como dissemos anteriormente, as empresas também precisam investir mais em processos relacionados a contratação de novos funcionários (seleção, recrutamento, treinamento, entre outros).

Nesse contexto, a diminuição dessas despesas deve ser prioridade nas empresas, já que elas não são estratégicas e não agregam valor ao negócio. Vale destacar que essas mesmas despesas poderiam ser utilizadas, por exemplo, para fazer novos investimentos, abrir filiais, vender novos produtos ou serviços, entre outras finalidades.

Melhora no clima de trabalho

A redução da rotatividade possibilita uma relação mais harmoniosa entre os funcionários. Isso ocorre, pois eles tendem a se conhecer a mais tempo, o que facilita no convívio cotidiano. Quando o clima de trabalho está bom, ele convida os funcionários a sentirem melhor e a produzirem mais, auxiliando a empresa como um todo.

Atração de novos talentos para as empresas

É fundamental que a companhia também saiba atrair bons candidatos e profissionais para processos seletivos futuros. Eles devem ter os conhecimentos, aptidões e valores necessários para assumir um determinado cargo. Dessa forma, aumentam-se as probabilidades de você manter o profissional, o que ajuda a diminuir a rotatividade de colaboradores no seu negócio.

Os profissionais acima da média podem escolher o local no qual desejam trabalhar. Muitos deles tendem a preferir organizações que ofereçam qualidade de vida, desafios e oportunidades de crescimento.

Dessa maneira, se uma empresa encontra dificuldades para manter os melhores talentos, dificilmente conseguirá atrair colaboradores acima da média.

Como reter os talentos em TI?

Esse é um dos principais desafios enfrentados pelas organizações e, por isso, esse questionamento é bastante pertinente. Entre as principais dicas que ajudarão nessa tarefa estão o pagamento de salários compatíveis com o mercado e o investimento na qualificação dos profissionais, por exemplo.

A seguir, listaremos as principais práticas a serem adotadas na sua empresa para manter os melhores talentos em TI.

Manter salários compatíveis com o mercado

Muitos profissionais trocam de empresa pois receberam uma proposta da concorrência, geralmente como um salário melhor ou mais benefícios. Por isso, o oferecimento de salários compatíveis com o mercado (ou um pouco superior) ajudará a sua empresa a manter os melhores talentos. 

Esse cuidado ajudará o colaborador a ter mais qualidade de vida pessoal e um propósito atrelado ao seu trabalho.

Investir em treinamentos e qualificação

Os treinamentos ajudarão os profissionais a estarem mais preparados para enfrentarem os novos desafios mercadológicos. Além disso, eles tendem a se sentir mais motivados a se empenharem mais pela sua empresa. Todas as questões, somadas, contribuem para a otimização da produtividade.

Propor metas desafiadoras

Apesar da questão financeira ser importante, o salário, isoladamente, não é suficiente para manter um funcionário motivado. Por isso que é tão importante também estabelecer desafios para os colaboradoresde forma a incentivá-los a cumpri-los.

Deseja saber como encontrar e manter os melhores talentos em TI para a sua empresa? Entre em contato conosco para agendar uma reunião.

A Importância de capacitar os profissionais de TI

Capacitar profissionais de TI

Treinamento e educação continuada parecem ideais nobres para qualquer empresa. Em um mundo perfeito, todos os funcionários gastariam um quarto de seu tempo aprendendo novos conceitos e técnicas para aprimorar seus conjuntos de habilidades.

A realidade dos orçamentos, listas de tarefas tremendamente longas e o receio de ver o dinheiro do treinamento saindo pela porta dos fundos quando os funcionários saem significam que esse tipo de educação continuada não costuma ser uma prioridade para muitas empresas, especialmente para os departamentos de TI.

No entanto, este é o caminho errado a ser seguido. Treinar e investir em seus funcionários de TI é mais importante do que nunca. Para te mostrar, abaixo, explicaremos a importância de desenvolver os profissionais de TI e os benefícios que a capacitação do seu time pode trazer para sua empresa!

Por que capacitar os profissionais de TI do seu time é importante?

A Tecnologia da Informação está em constante evolução. Novas ferramentas surgem diariamente, substituindo tecnologias antigas para gerar mais produtividade, eficiência e redução de custos na empresa.

“A tecnologia está evoluindo mais rápido do que a capacidade humana”. Foi o que afirmou Thoman Friedmann, colunista do The New York Times, quando analisou nossa evolução ao longo dos últimos séculos. 

Segundo ele, até o século XX o homem foi capaz de acompanhar as ferramentas que criava, mas, a partir desse ponto, o avanço tecnológico começou a se acelerar, exigindo que as pessoas aprendessem mais e de maneira mais rápida.

Mas quais os impactos disso no departamento de TI? Não há dúvidas de que a TI, hoje, é fundamental para qualquer negócio — falaremos mais disso abaixo —, mas fora isso, a velocidade das novas ferramentas tecnológicas causou um impacto significativo na mão de obra disponível. Ou seja, falta mão de obra qualificada, especialmente no Brasil, país em que os cursos superiores ainda lutam para acompanhar o mercado.

Dito isso, existem inúmeros motivos pelos quais o treinamento do time de TI é importante. Para simplificar, explicamos as 3 áreas em que eles mais impactam sua empresa:

1. A TI é parte essencial de qualquer negócio

Como já adiantamos, a TI é parte essencial de qualquer negócio. Com a introdução dos computadores, o mundo dos negócios mudou para sempre. Hoje, as empresas usam a Tecnologia da Informação para garantir que seus departamentos funcionem sem problemas. E não importa o departamento: a TI é utilizada desde nos Recursos Humanos da empresa, até no Financeiro, Segurança, Marketing e por aí vai. 

Usando a TI, as companhias têm a capacidade de visualizar as mudanças nos mercados globais muito mais rápido do que podiam antes. Elas compram pacotes de software e hardware que as ajudam a realizar seu trabalho. 

A Tecnologia da Informação permitiu que as empresas acompanhassem a oferta e a demanda, à medida que os consumidores se sentiam mais ansiosos para ter seus produtos instantaneamente e, mais do que isso, com qualidade. Por isso, contar com funcionários capacitados a enxergar as ferramentas necessárias para conquistar esses objetivos (e a usá-las bem), é um grande diferencial.

2. Capacitar os profissionais de TI ajuda a reter talentos

Os funcionários se sentem apreciados quando uma empresa investe em seu sucesso gastando dinheiro em cursos de treinamento destinados a melhorar suas habilidades. Eles geralmente consideram essas oportunidades de treinamento durante uma aplicação para um novo trabalho.

Embora, é claro, essas qualificações e novos aprendizados sejam transferidos para novos funcionários quando eles deixam um emprego, melhorar o currículo geralmente é uma prioridade tática para qualquer profissional.

Os funcionários também tendem a apreciar os empregadores dispostos a investir em suas habilidades e são menos propensos a sair porque se sentem mais valorizados. Eles têm menos motivos para procurar um novo empregador, o que ajuda a empresa a reter talentos e a garantir o retorno sobre o investimento feito com os treinamentos.

3. Melhora a habilidade da TI de responder às mudanças

Em muitas empresas, a TI não é mais apenas um centro de custos, uma despesa necessária para fazer negócios. À medida que a economia da Internet surge, e à medida que o big data e a análise de dados continuam a transformar a forma como os negócios são feitos hoje, a TI precisa se tornar um centro de valor, se não um centro de lucro.

A TI deve permitir novas tecnologias que possam atender diretamente aos clientes. Como nunca, ela precisa disponibilizar dados, particularmente a capacidade de dividi-los e selecioná-los, a fim de identificar padrões no comportamento do cliente e insights sobre os processos de negócios existentes.

Essas tecnologias exigem habilidade. Hadoop, Hive, Pig, Cassandra e HBase são exemplos de ferramentas emergentes que estão entrando em suas fases de crescimento. Cinco anos atrás, ninguém era proficiente neles. 

Agora, ser habilidoso na implementação de um banco de dados cheio de registros não estruturados é visto como a próxima grande novidade. Capacite seus funcionários a permanecerem na vanguarda das novas tendências de TI e permita que eles treinem nessas tecnologias, e você aumentará diretamente o valor de seu departamento de TI no que se refere à geração de receita e redução de custos.

Ter um departamento de TI fazendo um impacto sólido na linha de fundo é um excelente empreendimento, mas você não pode fazer isso acontecer sem o compromisso de um programa de treinamento consistente. 

Agora que você entendeu a importância de capacitar os profissionais de TI, veja 10 maneiras de melhorar o desempenho do seu time de tecnologia e conquistar os benefícios que listamos acima! 

Além disso, se desejar, agende uma reunião para saber como a Conquest One pode lhe ajudar.

Como fazer a seleção de profissionais capacitados para a Transformação Digital

Transformação Digital

Atualmente, muitas empresas estão passando por um período no qual são utilizadas diversas ferramentas digitais para aumentar os resultados. Trata-se da Transformação Digital, uma modificação na própria estrutura e no mindset das companhias que dá papel de destaque para a tecnologia.

A Transformação Digital integra a tecnologia em todas as áreas de um negócio e modifica o modo como as empresas agregam valor a seus clientes. Além disso, ela está relacionada, principalmente, às pessoas e a maneira como elas utilizam as ferramentas digitais para provocar uma mudança estrutural nas organizações.

Apesar de todos os benefícios que a Transformação Digital pode trazer, algumas instituições ainda enfrentam problemas nesse quesito, pois muitas situações que norteavam os negócios não são mais efetivas nos dias de hoje.

Saber como a Transformação Digital está impactando a área de TI e fazer a escolha do profissional certo pode ser a saída para enfrentar esses percalços. Pensando nesses casos, nós preparamos esse artigo que será de grande valia para você. Confira!

A TI aliada à Transformação Digital

A era digital já está modificando a lógica empresarial como um todo. Consequentemente, o setor de TI também passa a ter grandes responsabilidades, já que é fundamental estrategicamente para que as empresas se mantenham competitivas no mercado.

Ou seja, caso a sua equipe não esteja alinhada com a Transformação Digital, será necessário realizar uma reestrutura da área de TI, incluindo tanto os métodos de trabalho como a seleção de profissionais com as características e perfis corretos.

As habilidades fundamentais dos profissionais preparados para o futuro

O World Economic Forum (WEF) divulgou um estudo em 2016 a respeito do futuro das profissões e o perfil ideal de profissional até 2020, sobretudo em relação à quarta revolução Industrial, que por sua vez está atrelada à Transformação Digital.

Nele são mostrados quais serão os impactos socioeconômicos que afetarão os negócios, bem como as habilidades dos profissionais nesse contexto:

  • Resolução de problemas complexos.
  • Pensamento crítico;
  • Criatividade;
  • Gestão de pessoas;
  • Visão global;
  • Inteligência emocional;
  • Capacidade de tomada de decisão;
  • Cooperação;
  • Negociação;
  • Flexibilidade cognitiva.

Os profissionais de TI que farão a Transformação Digital na sua empresa

De acordo com a Gartner, o investimento em tecnologia deve somar cerca de 3,8 US$ trilhões em 2019, mostrando como a TI tem papel de destaque na Transformação Digital das empresas.

Enquanto as habilidades necessárias dos profissionais devem ser levadas em conta na hora de montar uma equipe coesa, algumas funções de colaboradores precisam ter uma atenção maior, pois são extremamente importantes.

Entre essas funções, destacam-se algumas que estão sendo mais procuradas pelas companhias nos últimos tempos:

Engenharia de dados

Esse profissional tem um perfil que agrega amplo conhecimento em linguagens de programação, estatística, inglês e matemática. Além de ter visão de negócio, é especialista em análises de informações, uma característica essencial para que as empresas resolvam seus problemas através de conhecimentos analíticos.

Arquitetura de soluções

O arquiteto de soluções é aquele que consegue alinhar o objetivo do negócio da empresa com as decisões sobre aplicativos e a infraestrutura. Para conseguir isso, porém, deve conhecer muito a respeito de hardware e software, bem como sobre a cloud para realizar a comunicação ou integração com clientes e parceiros.

Segurança da informação

Profissionais que executam essa função precisam se atualizar constantemente para prevenir novas ameaças virtuais. São os responsáveis por manter os dados sigilosos das empresas a salvo.

Análise de testes

Colaboradores que executam essa função precisam conhecer a fundo os processos de automação de testes. Além disso, como testam a qualidade de aplicações, precisam ser críticos para encontrar os acertos dessas ferramentas e possíveis inconsistências.

 Análise de Business Intelligence (BI)

Provavelmente um dos profissionais mais requisitados quando falamos a respeito de Transformação Digital.  Como as empresas precisam estar atentas ao mercado, esse profissional tem papel cada vez mais estratégico.

O profissional deve ser flexível, pois necessita trabalhar conjuntamente com a área técnica e de negócios, sendo responsável pelo gerenciamento de um grande volume de dados que ditam as tendências do mercado.

Além de ter um ótimo raciocínio logico e conhecimento em linguagens de programação, precisa ter visão de processos empresariais para auxiliar o negócio em momentos críticos.

Ajuda na hora de encontrar o profissional certo

Podemos concluir que para auxiliar as empresas daqui para frente, tanto os profissionais de TI quanto os de outras áreas precisarão estar atualizados para acompanhar toda essa evolução nos negócios.

Em relação às companhias, elas também devem se adaptar e buscar colaboradores com o perfil ideal, que estejam prontos para a Transformação Digital.

As empresas que já fazem parte dessa transformação e contam com as ferramentas digitais que viabilizam esse processo são mais eficientes na hora de encontrar o profissional correto, ganhando em eficiência, simplificação de processos e principalmente na redução de custos.

Dependendo do tamanho da empresa, é possível encontrar essas pessoas dentro da própria organização. Outra alternativa é contar com o auxílio de novos recursos, como o caso do Staffing de TI.

Caso você não conheça, o serviço de Staffing de TI consiste em encontrar, entrevistar, contratar e treinar profissionais através de uma empresa especializada para que sejam realizados projetos durante um determinado período.

Mais do que um simples recurso para adquirir e reter força de trabalho qualificado, o Staffing de TI é uma maneira que revoluciona esses métodos, garantindo a quem o utiliza mais simplicidade e eficiência nos processos.

Entre em contato conosco para saber como o Staffing de TI também vai auxiliar a sua empresa a entrar de vez na era da Transformação Digital.

Qual a perspectiva das mulheres na tecnologia?

Qual a perspectiva das mulheres na tecnologia?

Metade das brasileiras ainda reconhece que enfrentam mais desafios para crescer e se tornar tão bem-sucedidas quanto os homens.

Três em quatro mulheres brasileiras (75%) que trabalham no setor de tecnologia – e as estudantes interessadas na área – afirmam que ser mulher impacta positivamente sua capacidade de seguir uma carreira no setor. O cenário favorável ocorre principalmente e graças ao reconhecimento de poucas mulheres atualmente no setor (35%), uma oportunidade reconhecida especialmente pelas universitárias (46%) e estudantes do Ensino Médio (43%).

Os dados são de uma pesquisa realizada pela Booking.com, empresa de e-commerce de viagens e atuante do setor de tecnologia digital, que tem como objetivo entender melhor o contínuo desafio da diversidade de gênero no setor de tecnologia e as percepções, experiências e ambições de mulheres do mundo todo com relação às oportunidades de carreira no setor de tecnologia.

Pesquisa

Realizada com 6.898 pessoas de dez países (mulheres que trabalham com tecnologia e estudantes interessadas em seguir uma carreira no mercado), a pesquisa revela o porque que as mulheres do mundo todo consideram o setor de tecnologia atrativo e possui uma visão positiva do potencial que ele oferece.

Entretanto, a parcialidade no recrutamento, a atual formação do mercado de trabalho e a falta de tomadoras de decisão e exemplos conhecidos são as principais dificuldades que elas enfrentam.

As mulheres brasileiras também têm interesse no setor de tecnologia por diversos motivos – elas consideram uma área inovadora (61%), criativa (50%) e inspiradora (36%), além de oferecer opções de emprego que as desafie (27%). Para muitas, garantir uma posição na área de tecnologia se equipara a conseguir seu ‘emprego dos sonhos’ ou carreira ideal.

Ao serem questionadas sobre quais critérios as mulheres brasileiras usariam para definir seu ‘emprego dos sonhos’, nove em dez citaram um trabalho inspirador (92%), seguido por um trabalho que permita que elas trilhem seu próprio caminho (90%) e um trabalho que se alinhe com suas habilidades naturais (88%).

Parcialidade no recrutamento

Apesar do apelo do setor da tecnologia e as possíveis oportunidades, a pesquisa  indica que as mulheres do mundo todo ainda têm dúvidas e, em certos momentos na sua busca por uma carreira na área, consideram o fato de ser mulheres um ponto negativo. 

Cultura sexista?

Para metade das brasileiras (50%) este é o caso, pois o setor de tecnologia é amplamente dominado pelos homens, seguido por mais de um terço (38%) que cita uma cultura de trabalho sexista como um obstáculo.

É interessante ver que as percepções de parcialidade de gênero no processo de contratação têm grande variação em diferentes mercados. No Brasil, uma em cada duas mulheres (50%) sente que a parcialidade de gênero durante o recrutamento impacta negativamente as oportunidades de garantir uma carreira no setor, o maior número entre os países pesquisados, enquanto menos mulheres em países europeus se sentem desta forma (18% nos Países Baixos e 22% no Reino Unido e na Alemanha).

Sensação de inferioridade

Além disso, quase uma em cada cinco mulheres brasileiras (21%) sente que a falta de tomadoras de decisão trava uma carreira potencial na área de tecnologia, algo que ecoa pela maioria das alunas de Ensino Médio (50%). Esses fatores contribuem para o fato de que mais de quatro em cinco mulheres brasileiras sentem que têm mais desafios para entrar (86%), crescer e ser bem-sucedidas (87%) em certas carreiras do que os homens.

“As mulheres ainda têm pouquíssima representação no setor da tecnologia. O que nossa pesquisa agora nos mostra é exatamente onde as mulheres encontram as maiores barreiras e onde está a oportunidade para iniciar a mudança,” afirma Gillian Tans, CEO da Booking.com. “O otimismo e a ambição que vemos nas mulheres que querem ser bem-sucedidas no setor da tecnologia ou de TI são inspiradores, particularmente entre as gerações mais jovens, que veem o potencial de uma carreira na tecnologia como uma das aspirações que elas têm para si mesmas.”

“Mas, para empoderar as mulheres a serem bem-sucedidas na área, nós, como mercado, temos a oportunidade de fazer muito mais. Isso inclui a possibilidade de termos mais mulheres como líderes, eliminando a parcialidade de gênero que começa no processo de recrutamento, antes mesmo de uma mulher ser contratada, e investir em iniciativas para destacar a área como atrativa e acolhedora em todos os momentos, desde as iniciantes até a liderança sênior,” declarou Tans.

Oportunidade de mudança

A pesquisa reafirma o desejo do setor de tecnologia de conseguir a próxima geração de talentos, além de simultaneamente destacar onde os esforços para diminuir a diferença entre os gêneros começam. No Brasil, as alunas de Ensino Médio (29%) e as universitárias (26%) sentem que uma carreira na área de tecnologia oferece a liberdade de serem criativas em seu trabalho.

As alunas de Ensino Médio são atraídas pelo mercado da tecnologia principalmente porque sentem que possuem a chance de serem bem-sucedidas ainda jovens (30% vs. 22% entre profissionais experientes da área), além da possibilidade de trilhar seu próprio caminho profissional (26% vs. 24% entre profissionais experientes da área). Além de tudo isso, as alunas querem ser inspiradas pela carreira escolhida, conforme mencionado por 30% das alunas de Ensino Médio e 16% das universitárias.

O mercado 

Enquanto o setor de tecnologia hoje tem resultados em várias dessas frentes, as empresas de tecnologia – e o mercado no geral – possuem uma maior oportunidade de incentivar as mulheres que pretendem trabalhar neste mercado, não apenas para estimular suas ambições e articular formas de serem excelentes na área, mas também para eliminar os obstáculos que as desanimam.

“O setor da tecnologia tem um potencial tremendo de cumprir os critérios citados pelas mulheres do mundo todo ao definirem seu ‘emprego dos sonhos’ e aspirações de carreira”, comentou Tans. “Ajudar a realizar isso e levar mais mulheres para a tecnologia é um princípio que vai além da educação, do desenvolvimento social, responsabilidade corporativa e iniciativas governamentais. 

Se o setor da tecnologia quiser reter um fluxo equilibrado de talentos no futuro, todos devemos trabalhar incansavelmente para incentivar as mulheres durante sua educação formal a agir como fontes positivas de influência no desenvolvimento do conhecimento das meninas na área de ciências e matemática.”

Preencher a lacuna de gêneros

Com relação às opções de carreira, o aprendizado e a educação desde crianças há uma influência significativa nas eventuais opções de carreira das mulheres, de acordo com a pesquisa. Cerca de pouco mais de quatro em cinco mulheres brasileiras afirmam que suas opções de carreira são influenciadas pelas habilidades aprendidas na escola e na universidade (85%) e pelas matérias estudadas (84%).

Fonte: https://www.itforum365.com.br/carreira/qual-perspectiva-das-mulheres-na-tecnologia/

Profissionais raros em TI: por que é tão difícil contratar?

Profissionais raros em TI: por que é tão difícil contratar?

Os profissionais mais raros são aqueles com perfil técnico, que também tenham capacidade analítica e estratégica.

Contratar para área de tecnologia é um desafio constante para os gestores de RH. Isso porque, infelizmente, o Brasil não forma profissionais na mesma medida que o mercado demanda. O fato é que, na última década, o volume de dados cresceu exponencialmente, e passou a ser gerenciado de maneira totalmente digital. A tecnologia, que antes era coadjuvante nas empresas, passou a ser uma área estratégica e de alto impacto para os negócios. Essa transformação fez crescer a demanda por profissionais e criou um descompasso entre a alta procura e a baixa oferta.

Um levantamento feito pela Manpower Group apontou que o Brasil é o segundo país que mais sofre com a escassez de profissionais qualificados, atrás apenas do Japão. Cerca de 71% das empresas apontam ter essa dificuldade. De acordo com o estudo, os profissionais de TI ocupam a oitava posição no ranking dos mais escassos, estando atrás de profissionais de nível técnico, artesãos, engenheiros, contadores.

Dentro da área de TI não é fácil listar quais são os profissionais mais raros, afinal essa demanda varia de acordo com a região, área, tipo de empresa e mudanças no mercado. No entanto, quando observarmos o mercado de contratações, conseguimos traçar um paralelo entre as demandas que estão mais recorrentes e as mais difíceis de serem preenchidas.

Pela minha experiência, consigo dizer que, hoje, os profissionais mais raros são aqueles com perfil técnico, que também tenham capacidade analítica e estratégica. É o caso de profissionais com conhecimento em análise de dados, que consigam não só trabalhar com as ferramentas, mas que também tenham expertise para interpretar as informações e transformá-las em estratégia para a empresa. Ou seja, mais do que as habilidades técnicas, as empresas buscam pessoas capazes de entender o impacto das ações de TI para o negócio.

Outros cargos, cada dia mais necessários, são aqueles responsáveis pela segurança da informação. O vazamento de dados pode comprometer a continuidade da empresa. Proteger-se de ataques e invasões é uma questão urgente e requer uma equipe com profundo conhecimento e atualizações constantes, uma vez que em pouco tempo as defesas ficam obsoletas. A Europa começou um movimento muito forte de proteção de dados, e isso já começou a refletir no Brasil através de subsidiárias Europeias. No entanto, apesar de ser um nicho de atuação que tende a crescer, essa é uma área que poucos profissionais escolhem.

Com o avanço da velocidade de se criar novos produtos e funcionalidades surgiu ainda a necessidade por profissionais de desenvolvimento de softwares capazes de criar ferramentas para automatização de testes. Imagine um cenário onde um novo serviço de tecnologia está sendo disponibilizado. Após a fase de desenvolvimento e antes do lançamento, a ferramenta precisa ser testada em todas as interfaces, botões, navegabilidade, etc. Fazer isso manualmente encarece, e muito, a operação. Surge aí a necessidade de validar o código de programação de maneira automática. Mas para isso, precisamos de pessoas com expertise em ferramentas e processos que vizam automatizar essas etapas.

Acredito que convém falar também do programador de software. Apesar de não ser um profissional raro, a procura está cada dia maior, aumentando assim a disputa entre os candidatos que existem. Mais uma vez, não é a quantidade de profissionais, mais sim o descompasso entre a formação deles e as urgências que aparecem no mercado.

Uma vez que são raros e cada dia mais necessários, esses candidatos começam a fazer exigências e buscam trabalhar para empresas as quais acreditam. O propósito é a bola da vez nos requisitos para quem está sendo contratado. Mas, apesar da missão empresarial estar entre as condições especificadas por eles, o grande anseio é por maior flexibilidade: seja no horário de trabalho, na possibilidade de home office ou por um dress code mais informal. Outro grande desejo é que a empresa o mantenha exposto às novas tecnologias. Eles querem trabalhar em ambientes inovadores, que forneçam ferramentas e favoreçam seu desenvolvimento profissional.

Enquanto recrutador, defendo que os profissionais negociem sim com as empresas que os estão contratando. É uma via de mão dupla, onde ambos os lados têm muito a ganhar. Mas, faço um alerta para que a negociação não se transforme em exigências, drenando o interesse e a confiança de quem está com a vaga aberta.

Algumas atitudes podem prejudicar o candidato. Falar de salário, benefícios e bônus logo no primeiro contato é uma delas. É o início do relacionamento, ambos os lados precisam se conhecer. Nessa fase, o candidato precisa explorar as oportunidades do projeto para o qual está sendo recrutado. Fazer perguntas sobre a cultura da empresa, sobre a liderança, os desafios, as responsabilidades e o futuro são o caminho mais educado e de quem tem verdadeiro interesse por uma oportunidade profissional. Esperar que a empresa mude sua política e cultura só para tê-lo na equipe pode passar a mensagem de que você é um profissional arrogante, e, portanto, por mais que seja qualificado para a vaga, não servirá para fazer parte do time.

Com tanta complexidade, as consultorias especializadas no recrutamento de TI são grandes parceiras na hora de encontrar os profissionais raros desse segmento. Isso porque elas trabalham em conjunto com a área de Recursos Humanos, para definir o plano estratégico e o diagnóstico de perfil ideal para cada vaga. Outro diferencial que torna as boutiques de recrutamento essenciais são o networking e o relacionamento contínuo com o mercado e com um nicho específico. Sem isso, encontrar os talentos nessa área torna-se, cada vez mais, uma tarefa quase impossível.

Fonte: http://cio.com.br/opiniao/2018/09/10/profissionais-raros-em-ti-por-que-e-tao-dificil-contratar/

Esqueça tudo o que você achava que sabia sobre gerenciamento de projetos

Esqueça tudo o que você achava que sabia sobre gerenciamento de projetos

Hoje, velocidade, capacidade e adaptabilidade são tão ou mais importantes que custo e qualidade

Graças à verdadeira “guerra de manobra” que tomou de assalto as empresas modernas, possibilitando aos executivos se beneficiar dos desafios que têm de enfrentar, em vez de se deixar abater por eles, o gerenciamento de projetos tornou-se a disciplina mais importante nas corporações. E com uma nova abordagem, na qual custo e qualidade deixaram de ser prioridades. Flexibilidade e velocidade ganharam peso maior.

Para melhorar qualquer função comercial, incluindo gerenciamento de projeto, você tem que saber o que “melhorar” significa. Um bom caminho para isso é classificar seis parâmetros em ordem de importância: custo fixo, custo incremental, tempo de ciclo, rendimento, qualidade (ausência de defeitos), e excelência (neste contexto, a flexibilidade e adaptabilidade).

Tradicionalmente, os chamados projetos de TI enfatizam custo incremental, custo fixo, e qualidade. Em outras palavras, manter baixos o custo por unidade de trabalho, a sobrecarga de gerenciamento de projetos, e a quantidade de bugs. Tempo de ciclo, rendimento, e excelência eram deixados à própria sorte – pelo menos até agora.

Ciclo OODA: A guerra de manobra dos negócios
Para os não iniciados, o ciclo OODA significa “observar, orientar, decidir, agir”. Em loop, porque depois de agir, é hora de observar novamente, para ver se você obteve os resultados esperados e/ou precisa fazer correções.

Na maioria das competições, o competidor com o loop mais rápido OODA ganha, porque é mais veloz e assertivo na tomada de decisões.

Assim, para acelerar o seu ciclo OODA, você tem que terminar os projetos mais rapidamente. O que leva o tempo de ciclo para o topo da lista de prioridades do gerenciamento de projetos.

Seguinte: em nosso ciclo OODA, “agir” nem sempre é simples o suficiente para ser um requisito atendido por um único projeto.

A implicação: além de terminar os projetos individuais de forma rápida, a TI tem que aumentar sua capacidade total para os projetos. Em outras palavras, precisa ter maior rendimento.

Dado que o grande objetivo dos projetos de empresa é aumentar a flexibilidade do negócio e adaptabilidade, junta-se a excelência do tempo de ciclo e taxa de transferência como terceiro parâmetro a ser otimizado no gerenciamento de projetos.

OODA

Portanto, é possível concluir que quando se trata de gerenciar projetos que objetivam manter o negócio competitivo, os critérios para definição de “bom” passaram a ser velocidade, capacidade e flexibilidade.

Pergunta: seus gerentes de projeto compreendem quão radicalmente suas prioridades mudaram?

Eu diria que a maioria ainda não percebeu como o gerenciamento de projeto tem que mudar para se adaptar às suas novas prioridades.

 

Fonte: http://cio.com.br/gestao/2018/07/28/esqueca-tudo-o-que-voce-achava-que-sabia-sobre-gerenciamento-de-projetos/

 

Colaboração: o caminho para um trabalho digital mais eficiente

Colaboração: Um Trabalho Digital Mais eficiente

Ferramentas de colaboração são fundamentais para que as organizações aumentem a eficiência da troca e do tratamento de dados

As ferramentas de colaboração promoveram uma rápida evolução no tratamento e armazenamento da grande quantidade de dados – ou o big data – inserida diariamente no ambiente digital. São muitas as soluções que permitem a interação entre usuários nos espaços de trabalho persistentes. Consequentemente, as organizações vivem uma transformação cultural e são pressionadas por respostas mais eficientes e maior agilidade na tomada de decisões.

A consolidação da colaboração entre equipes no ambiente digital – que transitam, inserem e organizam dados – ocorre no ambiente de nuvem. Isso significa que os usuários podem interagir de diferentes maneiras: seja com a troca de mensagens, documentos, a criação de whiteboards, anotações ou vídeos. E todas essas informações ficam centralizadas em um só espaço.

Uma das preocupações em relação ao tratamento virtual de tanta informação é justamente a segurança. Espera-se que ninguém de fora consiga invadir o ambiente para interceptar e roubar informação, e, por outro lado, que os usuários internos sejam capazes de manipular dados confidenciais de maneira responsável e segura.

Por isso, a criptografia inteligente de ponta a ponta, controles de acesso específicos, de acordo com o perfil do usuário, e políticas de compliance, como por exemplo a Prevenção de Perda de Dados (Data Loss Prevention, ou DLP) são fundamentais. Isso também se aplica ao tráfego, ao armazenamento, à gestão e, por fim, à entrega dos dados até o dispositivo ou cliente final. Ou seja, a ideia é garantir que quando um usuário se comunique com o outro e compartilhe, por exemplo, um arquivo, esse processo esteja criptografado de ponta a ponta.

Todas essas mudanças promovem uma transformação cultural nas organizações. As respostas se tornam rápidas e as decisões das equipes de trabalho – muitas vezes multidisciplinares -, mais ágeis. Além disso, processos desnecessários são evitados, como a troca de centenas de e-mails sem a garantia de que serão lidos por todos os destinatários, evitando a perda de continuidade nas comunicações.

A incorporação dessas ferramentas melhora a comunicação interna das empresas, mas para que haja um aumento ainda maior de eficiência, é importante integrá-las aos processos de negócios. Por exemplo, que a “aplicação x” se comunique com a “aplicação z”, e que esta esteja programada para gerar uma ação a cada nova entrada na “aplicação x”. Nos universos da manufatura ou do varejo , por exemplo, essa integração pode ser muito útil para aumentar a produtividade do negócio.

Essas ferramentas também ganharam espaço em ambientes de atenção ao cliente de entidades de saúde e até órgãos governamentais, para citar alguns exemplos. Fora do Brasil, alguns hospitais já fazem consultas e acompanhamento dos pacientes remotamente, graças a sistemas de videoconferência. Além disso, ministérios de alguns países já permitem que cidadãos registrem queixas sem a necessidade da presença de um funcionário, mas com soluções que integram uma câmara de vídeo, um sistema que capta as informações e uma impressora que emite o protocolo de atendimento.

 

Os chatbots, por sua vez, substituíram funcionários em atendimentos telefônicos. Graças à integração da tecnologia a sistemas de inteligência artificial, há uma redução de burocracias custosas e aumento da satisfação do cliente – tanto interno quanto externo

Há um ambiente tecnológico escondido, porém, essencial para suportar o processamento de tantos dados gerados no universo de colaboração, big data, Internet das Coisas (Internet of Things, ou IoT), entre outros. A rede de baixa potência, ou LPWAN, que é muito mais viável economicamente, por exemplo. Além disso, a otimização do armazenamento na nuvem com a utilização do edge computing, rede de dispositivos de borda, que melhora o desempenho dos aplicativos, reduz a latência e os custos pela utilização de uma internet com menor banda larga.

É preciso prestar atenção a tudo isso para pegar a direção correta na estrada rumo à automatização dos processos e à cada vez mais eficiente estratégia de dados.

Fonte: http://computerworld.com.br/2018/7/19/colaboracao-o-caminho-para-um-trabalho-digital-mais-eficiente